Este é um artigo bom. Clique aqui para mais informações.

Justo de Rochester

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros santos de mesmo nome, veja São Justo.
São Justo de Rochester
Estátua de Justo na Catedral de Rochester
Arcebispo de Cantuária
Nascimento  em Roma ?[1]
Morte 10 de novembro entre 627 e 631
Veneração por Igreja Católica, Igreja Ortodoxa e Comunhão Anglicana[2]
Principal templo Abadia de Santo Agostinho em Cantuária[3]
Festa litúrgica 10 de novembro
Atribuições arcebispo carregando a cruz primaz[4]
Padroeiro Volterra, Itália
Gloriole.svg Portal dos Santos

Justo de Rochester (em latim: Iustus)[5] foi o quarto arcebispo de Cantuária. Ele foi enviado da Itália para a Inglaterra por Gregório, o Grande, numa missão para cristianizar os anglo-saxões, que ainda praticavam o paganismo, provavelmente chegando com o segundo grupo de missionários em 601. Justo se tornou o primeiro bispo de Rochester em 604 e esteve no Concílio de Paris realizado em 614.

Após a morte do rei Etelberto de Câncio (Æthelberht) em 616, Justo foi forçado a fugir para a Gália, sendo reinstalado em sua diocese no ano seguinte. Em 624, ele se tornou o arcebispo em Cantuária, supervisionando o envio de missionários para a Nortúmbria. Após a sua morte, ele passou a ser reverenciado como um santo e um santuário foi construído na Abadia de Santo Agostinho.

Chegada à Britânia[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Missão gregoriana

Justo era um italiano e um membro da Missão gregoriana enviada à Britânia pelo Papa Gregório I. Quase tudo o que sabemos sobre ele e sua carreira deriva da obra História Eclesiástica do Povo Inglês, escrita no início do século VIII pelo monge Beda. Como Beda não descreve as origens de Justo, nada se sabe sobre ele anterior à sua chegada na ilha. Ele provavelmente chegou com o segundo grupo de missionários, enviado a pedido de Agostinho de Cantuária em 601.[6][7] Alguns escritores contemporâneos descrevem Justo como sendo um dos missionários originais que chegaram com Agostinho em 597,[8] mas Beda acreditava que ele teria vindo no segundo.[9][10] Este segundo grupo incluía também Melito, que se tornaria futuramente o bispo de Londres e também arcebispo em Cantuária.[11]

Se Justo era um membro do segundo grupo de missionários, então ele chegou com uma grande doação de livros e "todas as coisas necessárias para a liturgia e o ministério da Igreja"[12][13] Um cronista de Cantuária do século XV, Thomas de Elmham, afirmou que ainda existiam diversos destes livros em Cantuária em sua época, embora ele não os tenha nomeado. Uma investigação sobre os manuscritos sobreviventes de Cantuária mostra que um possível candidato seja o Evangelho de Santo Agostinho, atualmente em Cambridge (Corpus Christi College, Manuscript (MS) 286.[6][nota a].

Bispo de Rochester[editar | editar código-fonte]

Detalhe do Evangelho de Santo Agostinho, um livro que talvez chegou à Inglaterra juntamente com Justo

Agostinho consagrou Justo como bispo em 604, responsável por uma província que incluía a cidade do Reino de Câncio de Rochester.[14] O historiador Nicholas Brooks argumenta que escolha do local foi provavelmente não por ela ter sido uma sé episcopal no período romano, mas por causa de sua importância política na época. Embora a cidade fosse pequena, com apenas uma rua, ela estava na junção da Watling Street com o estuário do Medway e, por isso, era uma cidade murada.[15] Pelo fato de Justo provavelmente não ter sido um monge - Beda jamais o chama assim[16] - é provável que o seu clero na catedral também não fosse monástico.[17]

Um documento (charter) supostamente do rei Etelberto, datado de 28 de abril de 604, sobreviveu no Textus Roffensis, assim como uma cópia baseada no Textus no Liber Temporalium, do século XIV. Escrito majoritariamente em latim, mas com uma cláusula de fronteira em inglês antigo, o documento relata uma doação de terra perto da cidade de Rochester para a igreja de Justo.[18][19] Entre as testemunhas ali está Lourenço, o futuro sucessor de Agostinho, mas não o próprio. O texto então se volta a dois diferentes destinatários. Primeiro, Etelberto o endereça a seu filho Eadbaldo, que tinha sido apontado como um sub-governante da região de Rochester. E depois, a doação toda é então endereçada diretamente a Santo André, o santo patrono da igreja,[20] um linguajar que encontra paralelos em outros documentos do mesmo arquivo.[21]

O historiador Wilhelm Levison, escrevendo em 1946, era um cético sobre a autenticidade do documento. Em particular, ele acreditava que os dois destinatários são incongruentes e sugerem que o primeiro, antes do preâmbulo, pode ter sido inserido por alguém que conhecia a obra de Beda para ecoar a futura conversão de Eadbaldo (veja abaixo).[21] Uma avaliação mais recente e mais positiva por John Morris argumenta que o documento e a sua lista de testemunhas são autênticos pois incorporam títulos e uma fraseologia que já tinha caído em desuso já em 800.[22]

Etelberto construiu para Justo uma catedral em Rochester e as fundações da nave e do coro que estão parcialmente sob a atual Catedral de Rochester podem ser desta época.[9] O que restou das fundações de um antigo edifício retangular, perto da parte sul da atual catedral, pode também ser contemporâneo de Justo ou ainda mais antigo, remontando a época romana.[15]

Junto com Melito, o bispo de Londres, Justo assinou uma carta escrita pelo arcebispo Lourenço de Cantuária para os bispos da Irlanda, urgindo a igreja nativa a adotar o método romano de cálculo da data da Páscoa (veja controvérsia da Páscoa). Esta carta também mencionava o fato de missionários irlandeses, como o bispo Dagão, se recusarem a tomar parte das refeições com os demais missionários.[23] Embora a carta em si não tenha sobrevivido, Beda cita partes dela.[24]

Em 614, Justo compareceu ao Concílio de Paris, realizado pelo rei franco Clotário II.[25] É incerto o motivo pelo qual Justo e Pedro, o abade de São Pedro e São Paulo em Cantuária[nota b], estarem presentes. Pode ser apenas o acaso, mas o historiador James Campbell sugeriu que Clotário convocou o clero da Britânia para comparecer para reafirmar o seu senhorio sobre Câncio.[26] O historiador N. J. Higham oferece outra explicação para a presença dos dois, argumentando que Etelberto os teria enviado por conta de mudanças na política dos francos em relação ao Reino de Câncio, que poderiam ameaçar a independência do reino, e os dois clérigos teriam a missão de negociar uma solução com Clotário.[27]

Uma reação pagã contra o cristianismo se seguiu à morte de Etelberto em 616, forçando Justo e Melito a fugirem para a Gália.[28] O par provavelmente se refugiou com Clotário, na esperança de que o rei franco iria intervir e restaurá-los às suas sés,[24] o que de fato aconteceu, com Justo reinstalado em 617 com a ajuda do rei.[6] Melito também retornou para a Inglaterra, mas a situação com os pagãos não permitiu que ele voltasse para Londres. Após a morte de Lourenço, Melito se tornou então o arcebispo em Cantuária.[28] De acordo com Beda, Justo recebeu cartas de encorajamento do Papa Bonifácio V (r. 619–625), assim como Melito, mas infelizmente não preservou nada delas. O historiador J. M. Wallace-Hadrill afirma que ambas eram apenas frases de encorajamento para os missionários.[29]

Arcebispo[editar | editar código-fonte]

Lápide demarcando o local de sepultamento de Justo em Cantuária

Justo se tornou o arcebispo de Cantuária em 624,[30] recebendo seu pálio - o símbolo da jurisdição confiada a arcebispos - do Papa Bonifácio V, logo depois que Justo consagrou Romano como seu sucessor em Rochester.[6] Bonifácio também deu a Justo uma carta congratulando-o pela conversão do rei "Adulualdo" (provavelmente Eadbaldo de Câncio), uma carta que está incluída na obra de Beda.[31] O relato do venerável monge sobre a conversão de Eadbaldo afirma que fora Lourenço, o predecessor de Justo em Cantuária, o responsável pela conversão do rei, mas o historiador D. P. Kirby defende que a menção a Eadbaldo na carta faz com que seja mais provável que tenha mesmo sido Justo.[32] Outros historiadores, incluindo Barbara Yorke e Henry Mayr-Harting, concluem que o relato de Beda está correto e Eadbaldo foi mesmo convertido por Lourenço.[33] Yorke argumenta que havia dois reis em Câncio nesta época, Eadbaldo e Etelvaldo (Æthelwald), e seria este último o "Aduluado" citado por Bonifácio. Ela argumenta ainda que Justo teria convertido Etelvaldo de volta ao cristianismo após a morte de Etelberto.[34]

Justo consagrou Paulino como o primeiro bispo de Iorque antes que ele acompasse a irmã de Etelberto, Etelburga (Æthelburg) até a Nortúmbria para o seu casamento com o rei Eduíno.[6] Beda relata que Justo teria morrido em 10 de novembro, mas não cita o ano, provavelmente entre 627 e 631.[30][35] Após a sua morte, Justo foi considerado um santo e ganhou uma festa no aniversário de sua morte.[36] O Missal de Stowe, do século IX, comemora a sua festa juntamente com a de Melito e de Lourenço.[37] Na década de 1090, suas relíquias foram transferidas para um santuário sob o grande altar da Abadia de Santo Agostinho em Cantuária. Nesta mesma época, uma Vita foi escrita sobre ele por Goscelino, assim como um poema por Reginaldo de Cantuária.[3][nota c] Outros materiais por Tomás de Elmham, Gervásio de Cantuária e Guilherme de Malmesbury, cronistas medievais posteriores, acrescentam pouco ao relato de Beda sobre a vida de Justo.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Justo de Cantuária
(624 - ca 627)
Precedido por: Angl-Canterbury-Arms.svg
Arcebispos de Cantuária
Sucedido por:
Melito 4.º Honório


Notas[editar | editar código-fonte]

[nota a] ^ Outro possível sobrevivente é a Regra de São Bento, hoje MS Oxford Bodleian Hatton 48.[38] Outro Evangelho, em estilo italiano e intimamente relacionado aos Evangelhos de Santo Agostinho, é oMS Oxford Bodelian Auctarium D.2.14, atualmente na Biblioteca Britânica como parte da MS Cotton Titus C e pode também ter chegado com os missionários[39]
[nota b] ^ Esta abadia seria posteriormente renomeada como Abadia de Santo Agostinho em homenagem ao seu fundador.
[nota c] ^ Nenhuma dessas obras parece ter sido publicada ou traduzida nos últimos 200 anos[6]

Referências

  1. Marsh 1974, p. 10.
  2. Walsh 2007, p. 349.
  3. a b Hayward 2001.
  4. SPQN 2018.
  5. Higham 1997, p. 94.
  6. a b c d e f g Hunt 2004.
  7. Stenton 1971, p. 109.
  8. Hindley 2006, p. 65.
  9. a b Blair 1990, p. 84–87.
  10. Wallace-Hadrill 1988, p. 43.
  11. Brooks 2004.
  12. Beda 1988, p. 85–86.
  13. Mayr-Harting 1991, p. 62.
  14. Brooks 1984, p. 221.
  15. a b Brooks 2006, p. 24–27.
  16. Smith 1945, p. 291.
  17. Smith 1945, p. 292.
  18. Miller 2010.
  19. Campbell 1973, p. c.
  20. Morris 1995, p. 90.
  21. a b Levison 1946, p. 223–225.
  22. Morris 1995, p. 97–98.
  23. Stenton 1971, p. 112.
  24. a b Higham 1997, p. 138–139.
  25. Wood 1994.
  26. Campbell 1986, p. 56.
  27. Higham 1997, p. 116.
  28. a b Lapidge 2001.
  29. Wallace-Hadrill 1988, p. 64–65.
  30. a b Fryde 1996, p. 213.
  31. Kirby 2000, p. 31–32.
  32. Kirby 2000, p. 33.
  33. Mayr-Harting 1991, p. 75–76.
  34. Yorke 1997, p. 32.
  35. Wallace-Hadrill 1988, p. 82.
  36. Delaney 1980, p. 354–355.
  37. Farmer 2004, p. 366.
  38. Colgrave 2007, p. 27–28.
  39. Lapidge 2006, p. 24–25.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Justus», especificamente desta versão.
  • «Verbete sobre Justo» (em inglês). Prosopography of Anglo Saxon England project. Consultado em 10 de julho de 2011. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beda (1988). A History of the English Church and People. Traduzido por Leo Sherley-Price. Nova Iorque: Penguin Classics. ISBN 0-14-044042-9 
  • Brooks, Nicholas (1984). The Early History of the Church of Canterbury: Christ Church from 597 to 1066. Londres: Leicester University Press. ISBN 0-7185-0041-5 
  • Brooks, Nicholas (2006). «From British to English Christianity: Deconstructing Bede's Interpretation of the Conversion». In: Howe, Nicholas; Karkov, Catherine. Conversion and Colonization in Anglo-Saxon England. Tempe, AZ: Arizona Center for Medieval and Renaissance Studies. pp. 1–30. ISBN 0-86698-363-5 
  • Campbell, A. (1973). Anglo-Saxon Charters • 1. Charters of Rochester. Londres: British Academy/ Oxford University Press. ISBN 0-19-725936-7 
  • Campbell, A. (1986). «The First Century of Christianity in England». Essays in Anglo-Saxon History. Londres: Hambledon Press. ISBN 0-907628-32-X 
  • Colgrave, Bertram (2007). «Introduction». The Earliest Life of Gregory the Great. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-31384-1 
  • Delaney, John P. (1980). Dictionary of Saints. Garden City, Nova Iorque: Doubleday. ISBN 0-385-13594-7 
  • Farmer, David Hugh (2004). Oxford Dictionary of Saints. Oxford: Oxford University Press. ISBN 978-0-19-860949-0 
  • Fryde, E. B.; Greenway, D. E.; Porter, S.; Roy, I. (1996). Handbook of British Chronology Third revised ed. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 0-521-56350-X 
  • Hayward, Paul Anthony (2001). «Justus». In: Lapidge, Michael; Blair, John; Keynes, Simon; Scragg, Donald. The Blackwell Encyclopaedia of Anglo-Saxon England. Malden, MA: Blackwell Publishing. pp. 267–268. ISBN 978-0-631-22492-1 
  • Higham, N. J. (1997). The Convert Kings: Power and Religious Affiliation in Early Anglo-Saxon England. Manchester, UK: Manchester University Press. ISBN 0-7190-4827-3 
  • Hindley, Geoffrey (2006). A Brief History of the Anglo-Saxons: The Beginnings of the English Nation. Nova Iorque: Carroll & Graf Publishers. ISBN 978-0-7867-1738-5 
  • Hunt, William (2004). «Justus (St Justus) (d. 627x31)». In: Brooks, N. P. (revisor). Oxford Dictionary of National Biography. Oxford: Oxford University Press. doi:10.1093/ref:odnb/15176 
  • Kirby, D. P. (2000). The Earliest English Kings. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 978-0-415-24211-0 
  • Lapidge, Michael (2006). The Anglo-Saxon Library. Oxford: Oxford University Press. ISBN 0-19-926722-7 
  • Lapidge, Michael (2001). «Mellitus». In: Lapidge, Michael; Blair, John; Keynes, Simon; Scragg, Donald. The Blackwell Encyclopaedia of Anglo-Saxon England. Malden, MA: Blackwell Publishing. pp. 305–306. ISBN 978-0-631-22492-1 
  • Levison, Wilhelm (1946). England and the Continent in the Eighth Century: The Ford Lectures Delivered in the University of Oxford, 1943. Oxford: Clarendon Press. ISBN 0-19-821232-1 
  • Marsh, Ronald (1974). Rochester, the evolution of the city and its government. Rochester: Rochester City Council 
  • Morris, John (1995). Arthurian Sources, Vol. 2: Annals and Charters. Col: Arthurian Period Sources. Chichester: Phillimore. ISBN 0-85033-757-7 
  • Walsh, Michael J. (2007). A New Dictionary of Saints: East and West. Londres: Burns & Oats. ISBN 0-86012-438-X 
  • Wood, Ian (janeiro de 1994). «The Mission of Augustine of Canterbury to the English». Speculum. 69 (1): 1–17. doi:10.2307/2864782 
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Justo de Rochester