Lucasuchus

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaLucasuchus
Ocorrência: Triássico Superior
Taxocaixa sem imagem
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: reptilia
Ordem: Aetosauria
Família: Stagonolepididae
Subfamília: Desmatosuchinae
Género: Lucasuchus
Long and Murry, 1995
Espécies

Lucasuchus é um género extinto de aetossauro. Fósseis foram encontrados na Formação Bull Canyon do Grupo Dockum no afloramento na localidade de Revuelto Creek no Condado de Quay, Novo México. As amostras datam do final do período Noriano do Triássico. O género foi nomeado em 1995, pelo paleontólogo norte-americano Spencer G. Lucas.[1]

Lucasuchus foi proposto pela primeira como sinónimo do Longosuchus em 1999, e vários outros estudos também consideram um género inválido.[2] [3] No entanto, estudos mais recentes concluíram que o Lucasuchus não é compativel com qualquer outro género conhecido de aetossauro, e é provável esteja mais relacionado com Desmatosuchus e Acaenasuchus do que Longosuchus.[4] A presença de chifres alongados no osteoderma lateral é compartilhada por todos esses género, que compõem a subfamília Desmatosuchinae.[5] [6] [7] [8]

Tem sido sugerido que o Lucasuchus seja um dimorfismo sexual e pertencentes à mesma espécie do Longosuchus meadei ou um estágio ontogenético da espécie (o que significa que ele representaria um grupo etário em particular). No entanto, várias características do Lucasuchus podem indicar que ele é realmente diferente do L. meadei ao invés de um exemplo de variação morfológica. Por exemplo, o Lucasuchus tem um padrão claro de poços e sulcos na osteodermas paramediana radial das costas enquanto Longosuchus tem apenas um padrão aleatório de buracos nas paramedianas. Em Longosuchus, os paramedianos têm grandes eminências cônica, ou projeções, enquanto que em Longosuchus essas projeções estão presentes apenas na forma de baixas saliências piramidais. Lucasuchus também não tem a ou entalhes sobre os picos das osteodermas laterais que são vistas no Longosuchus [9] .

Notas e referências

  1. Long, R. A., and Murry, P. A. (1995). Late Triassic (Carnian and Norian) tetrapods from the southwestern United States. New Mexico Museum of Natural History and Science Bulletin 4, 254 pp.
  2. A new aetosaur (Reptilia: Archosauria) from the Upper Triassic of Texas and the phylogeny of aetosaurs. Journal of Vertebrate Paleontology 19(1):50-68.
  3. Heckert, A. B., Lucas, S. G., Hunt, A. P., and Spielmann, J. A. (2007). Late Triassic aetosaur biochronology revised. In: Lucas, S. G. and Spielmann, J. A., eds., The Global Triassic. New Mexico Museum of Natural History and Science Bulletin 41.
  4. Harris, S. R., Gower, D. J., and Wilkinson, M. (2003). Intraorganismal homology, character construction, and the phylogeny of aetosaurian archosaurs (Reptilia, Diapsida). Systematic Biology 52(2):239-252.
  5. Martz, J. W. and Small, B. J. (2006). Tecovasuchus chatterjeei, a new aetosaur (Archosauria: Stagonolepididae) from the Tecovas Formation (Carnian, Upper Triassic) of Texas. Journal of Vertebrate Paleontology 26(2):308–320.
  6. Huene, F. V. (1942). Lieferungen 3/4. Pseudosuchia, Saurischia, Rhynchosauridae und Schlussabschnitt. Die Fossilen Reptilien des Südamerikanischen Gondwanalandes. Ergebnisse der Sauriergrabungen in Südbrasilien 1928/29. C. H. Beck'sche Verlagsbuchhandlung, München 161-332.
  7. Heckert, A. B. and Lucas, S. G. (2000). Taxonomy, phylogeny, biostratigraphy, biochronology, paleobiogeography, and evolution of the Late Triassic Aetosauria (Archosauria: Crurotarsi). Zentralblatt für Geologie und Paläontologie Teil I 1998:1539–1587.
  8. Sereno, P. C. (2005). Desmatosuchinae. Stem Archosauria TaxonSearch [version 1.0, 2005 November 7]. Retrieved on 2009-07-18.
  9. Parker, W.G.; and Martz, J.W.. (2010). "Using positional homology in aetosaur (Archosauria: Pseudosuchia) osteoderms to evaluate the taxonomic status of Lucasuchus hunti". Journal of Vertebrate Paleontology 30 (4): 1100–1108. DOI:10.1080/02724634.2010.483536.