Ludwig Tieck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ludwig Tieck

Ludwig Tieck (Berlim, 31 de maio, 1773 — ibid., 28 de abril, 1853) foi um poeta, romancista, crítico, tradutor e editor alemão, fez parte do movimento do romantismo do final do século XVIII e inicio do XIX.

Típicos do romantismo alemão inicial são Die Geschichte des Herrn William Lovell (1795-96; A História do Sr. William Lovell), uma novela em forma de carta que descreve a autodestruição moral de um jovem intelectual sensível; Karl von Berneck (1797), uma tragédia em cinco atos protagonizada na Idade Média; e Franz Sternbalds Wanderungen (1798; Viagens de Franz Sternbald), uma novela da vida artística no final da Idade Média. Sob o pseudônimo Peter Leberecht, Tieck publicou uma coletânea de contos de fadas intitulados Volksmärchen. Essa coletânea incluiu uma série de peças baseadas em contos de fadas – inclusive Ritter Blaubart (Cavaleiro Barba Azul) e Der gestiefelte Kater (O Gato de Botas) – que parodiavam o racionalismo do Iluminismo do século XVIII, bem como uma das melhores novelas curtas de Tieck, Der blonde Eckert (O louro Eckert), a história fantástica de um medo obsessivo.

Em 1799 Tieck publicou uma tradução de A Tempestade de William Shakespeare. Sua obra inicial culminou nas peças líricas, grotescas Leben und Tod der heiligen Genoveva (1800; Vida e Morte de Santa Genoveva) e Kaiser Octavianus (1804; Imperador Otaviano). Phantasus (1812-16), uma coletânea heterogênea de obras numa moldura narrativa, indicou um movimento rumo ao Realismo. Após 1802 Tieck produziu poucas obras originais.

Em 1825 Tieck foi nomeado conselheiro e crítico do teatro em Dresden, um cargo que manteve até 1842. Durante aqueles anos tornou-se uma das maiores autoridades literárias vivas na Alemanha. Suas energias criativas foram renovadas. Ele se afastou da fantasia de suas obras anteriores e achou o seu material na sociedade contemporânea de classe média ou na história. Suas quarenta novelas curtas, entre elas Des Lebens Überfluss (A Abundância da Vida, a história de um jovem casal que passa fome, isolado no andar superior de um casarão, durante um inverno rigoroso), escritas durante esse período contêm polêmicas tanto contra os românticos mais jovens como contra o movimento Jovem Alemanha contemporâneo que vinha tentando criar um teatro nacional alemão baseado em ideais democráticos.[1]

Referências

  1. Merrian Webster's Encyclopedia of Literature, 1995, verbete Tieck, Ludwig.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]