Meloidae

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaMeloidae
Lytta aenea.[1].

Lytta aenea.[1].
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Coleoptera
Subordem: Polyphaga
Infraordem: Cucujiformia
Superfamília: Tenebrionoidea
Família: Meloidae
Gyllenhal, 1810
Subfamílias
Estádios larvares de Meloidae.
Cysteodemus armatus nas proximidades de Amboy Crater, Deserto do Mojave, Califórnia (a coloração amarelada deve-se ao pólen da flor).
Lytta vesicatoria (Meloinae: Lyttini). Espécimes desta espécie podem der manuseados com segurança desde que o animal não seja apertado. Caso contrário pode provocar queimaduras dolorosas.
Meloe violaceus (Meloinae: Meloini). Note-se a gota de fluido defensivo (alaranjado) no tórax.
Espécie do género Mylabris (África do Sul).

Meloidae é uma família de escaravelhos (Coleoptera) que inclui cerca de 7 500 espécies, entre as quais as conhecidos pelo nome comum de burrinhos. A família caracteriza-se por conter numerosas espécies que segregam cantaridina, um composto corrosivo e vesicante,[2] como mecanismo de defesa contra predadores. Muitas das espécies exibem coloração apossemática conspícua como forma de anunciar a sua toxicidade aos possíveis predadores.

Descrição[editar | editar código-fonte]

Os membros da família Meloidae são escaravelhos hipermetamórficos, atravessando ao longo do seu ciclo de vida diversos estádios larvais, o primeiro dos quais é tipicamente uma larva móvel do tipo triungulino. As larvas são insectívoras, atacando maioritariamente insectos do grupo das abelhas, mas algumas alimentam-se de ovos de gafanhotos. Apesar das larvas de Meloidae serem por vezes consideradas como parasitoides, e portanto pertencente ao tipo das planídeas, estas larvas aparentemente consomem o hospedeiro imaturo em conjunto com as suas provisões alimentares, e pode com frequência sobreviver apenas consumindo as provisões. Nessas condições, aquelas larvas não podem ser consideradas parasitoides obrigatórios, sendo antes parasitoides facultativos ou simplesmente predadores.

As formas adultas por vezes alimentam-se de flores de diversas plantas, com destaque para as espécies pertencentes às famílias Amaranthaceae, Asteraceae, Fabaceae e Solanaceae.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Cantaridina é um composto venenoso que provoca a formação de bolhas cutâneas quando em contacto com a pele da maioria dos animais, incluindo os humanos. O composto é utilizado para fins terapêuticos, em especial para a remoção de verrugas,[3] sendo recolhido para esse fim a partir de espécies dos géneros Mylabris e Lytta, especialmente da espécie Lytta vesicatoria. Um preparado rico em cantaridina, conhecido pela designação tradicional de cantárida (em inglês "Spanish fly"), era um preparado feito com escaravelhos destas espécies, mas especialmente de L. vesicatoria, secos e pulverizados, era usado em medicina tradicional. Neste preparado, também vendido como afrodisíaco, a cantaridina é o principal composto activo, sendo o produto quase integralmente constituído por escaravelhos da família Meloidae secos e moídos.

O género mais corpulento, Epicauta, contém várias espécies que são tóxicas para os cavalos. Alguns escaravelhos daquelas espécies consumidos misturados com alfalfa ou outro feno, particularmente quando este tenha sido tratado por esmagamento em fresco, podem ser letais para o animal.[4][5]

Sistemática[editar | editar código-fonte]

A família Meloidae inclui as seguintes subfamílias, tribos e géneros:

Notas

  1. Cirrus Digital Blister Beetle Lytta aenea
  2. Bhattacharjee, Pradip; Brodell, Robert T. (2003). «Cantharidin». In: Robert T. Brodell and Sandra Marchese Johnson, eds. Warts: Diagnosis and Management—an Evidence-Based Approach (London: Martin Dunitz). pp. 151–160. ISBN 1-84184-240-0. 
  3. Bhattacharjee, Pradip; Brodell, Robert T. (2003). «Cantharidin». In: Robert T. Brodell and Sandra Marchese Johnson, eds. Warts: Diagnosis and Management—an Evidence-Based Approach (London: Martin Dunitz). pp. 151–160. ISBN 1-84184-240-0. 
  4. University of Arizona VDL Blister Beetle Poisoning in Horses
  5. University of Colorado Extension Blister Beetles in Forage Crops

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Meloidae
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Meloidae