Moïse Kisling

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Moïse Kisling
Nome nativo Moïse Kisling
Nascimento 22 de janeiro de 1891
Cracóvia
Morte 29 de abril de 1953 (62 anos)
Sanary-sur-Mer
Cidadania Polônia, França
Ocupação pintor
Movimento estético Escola de Paris

Moïse Kisling (em polaco Mojżesz Kisling; Cracóvia, 22 de janeiro de 1891Sanary-sur-Mer, 29 de abril de 1953) foi um pintor francês de origem polonesa e ascendência judaica.

De estilo expressionista, pertenceu à chamada Escola de Paris.

Estudou na Escola de Belas-Artes de Cracóvia. Em 1910 mudou-se para Paris, residindo primeiro em Montmartre e posteriormente em Montparnasse. Ao estourar a Primeira Guerra Mundial ofereceu-se como voluntário para servir na Legião Estrangeira francesa, e em 1915 foi gravemente ferido na Batalha do Somme, pelo qual lhe foi concedida a cidadania francesa.

Kisling viveu e trabalhou em Montparnasse, onde fez parte da comunidade de artistas de renome ali reunida. Entre 1911 e 1912 viveu em Céret, povoação dos Pirenéus onde havia uma florescente comunidade de artistas liderada por Pinchus Krémègne. Em 1913 tomou um estudo em Montparnasse, onde viveu durante os próximos 27 anos, coincidindo no mesmo edifício com Jules Pascin e Amedeo Modigliani.

O seu estilo na pintura de paisagens era similar ao de Marc Chagall, ainda que, sendo um mestre em representar o corpo feminino, os seus nus e retratos surrealistas valeram-lhe a fama.

Em 1940 presentou-se novamente voluntário para o serviço militar. Quando o exército francês foi dado de alta no momento da entrega aos alemães, Kisling, que era de origem judaica, mudou-se primeiro para Portugal (1941), e depois para os Estados Unidos e, após expor em Nova Iorque e Washington, viveu na Califórnia até 1946. Na sua estadia de cerca de um ano em Portugal, onde vivia seu cunhado, o pintor português Adriano de Sousa Lopes, pintou o Rapaz da Nazaré, que hoje se conserva no Museu do Chiado de Lisboa [1].

A maior coleção de obras suas pode ser vista no Musée du Petit Palais, em Genebra, Suíça.

Referências

  1. M. Felisa Perez: Adriano de Sousa Lopes, Director do Museu Nacional de Arte Contemporânea, tese de mestrado apresentada na Universidade Nova de Lisboa http://run.unl.pt/bitstream/10362/7982/1/Tese_FelisaPerez_SousaLopes.pdf

Ligações externas[editar | editar código-fonte]