Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols
Álbum de estúdio de Sex Pistols
Lançamento Reino Unido 27 de Outubro de 1977
Estados Unidos 10 de Novembro de 1977
Gravação Outubro de 1976,
Março até Junho de 1977,
Agosto de 1977 nos Wessex Studios em Londres
Gênero(s) Punk rock
Duração 38:47
Gravadora(s) Reino Unido Virgin
Estados Unidos Warner Bros. Records
Produção Chris Thomas, Bill Price
Cronologia de Sex Pistols
The Great Rock 'n' Roll Swindle
(1979)
Críticas profissionais
Avaliações da crítica
Fonte Avaliação
All Music Guide 5 de 5 estrelas. link
Robert Christgau (A) link

Never Mind The Bollocks, Here's The Sex Pistols é o primeiro álbum de estúdio da banda britânica de punk rock, Sex Pistols[1][2].

Todas as músicas foram escritas por Johnny Rotten, Steve Jones, Glen Matlock e Paul Cook. Exceto as que contém * sendo escritas por Johnny Rotten, Steve Jones, Sid Vicious e Paul Cook.

O álbum está na lista dos 200 álbuns definitivos do Rock and Roll Hall of Fame.[3]

Gravação[editar | editar código-fonte]

Perto de fechar um contrato com a A&M Records, em março de 1977 o Sex Pistols entrou no Wessex Sound Studios para gravar com o produtor Chris Thomas e o engenheiro Bill Price. O novo baixista Sid Vicious tocou na faixa "Bodies",[4] mas suas habilidades não foram consideradas adequadas para gravar o álbum completo, então a banda pediu ao empresário Malcolm McLaren para convencer o baixista anterior, Glen Matlock, a tocar o instrumento para as sessões.[5] Matlock concordou, com a condição de que ele fosse pago antecipadamente. Enquanto o pagamento não foi recebido, ele se recusou a comparecer. Como resultado, Thomas pediu ao guitarrista Steve Jones para tocar baixo para que o trabalho pudesse começar nas faixas básicas. Jones tocando foi tão bem que Thomas o fez tocar as faixas de baixo para todas as músicas restantes gravadas durante as sessões.[6]

Quatro faixas - o escritor Clinton Heylin suspeita que elas eram "God Save the Queen" (Thomas afirmou que ele e Price "desistiram" de tentar usar o baixo de Vicious),[4] "Pretty Vacant", "E.M.I." e possivelmente "Did You No Wrong" - foram gravados durante os dois dias em Wessex, com "God Save the Queen" e "Pretty Vacant" recebendo acompanhamento vocal de Johnny Rotten e mixagem final durante o período.[carece de fontes?] Como resultado dessas sessões, Thomas e Price começaram a trabalhar seriamente no que se tornaria o álbum do Sex Pistols.[7] Quatro dias após a conclusão da gravação, os Sex Pistols assinaram com a A&M, mas em 16 de março o selo rescindiu o contrato, e vários milhares de cópias do próximo single, "God Save the Queen", foram destruídas.[8]

Apesar de ter sido descartado pela A&M, McLaren instruiu os Sex Pistols a continuarem trabalhando no álbum. Enquanto a McLaren ponderou se assinaria ou não a oferta apresentada pela Virgin Records, ele assinou um acordo para o grupo com a Barclay Records no início de maio de 1977. Ao mesmo tempo, o grupo voltou a trabalhar com Thomas e Price.[9] Thomas deixou temporariamente a sessão em meio a um intervalo de tempo estimado por Heylin entre o final de abril e o início de maio, deixando Price para produzir o que Thomas estimava como cinco músicas. Heylin reduziu as potenciais faixas de Bollocks que Price pode ter produzido para "Liar", "New York", "No Feelings", "Problems", "Seventeen" e "Submission", além da faixa "Satellite", que não esteve no álbum.[10]

Enquanto isso, os Sex Pistols foram rejeitados por gravadoras como CBS, Decca, Pye e Polydor, restando apenas a oferta da Virgin. McLaren ainda esperava assinar com uma grande gravadora, e propôs a emissão de um single único com a Virgin para aumentar o apelo da banda para as maiores gravadoras. O proprietário da Virgin, Richard Branson, recusou, então em 18 de maio os Sex Pistols finalmente assinaram com a Virgin. Duas semanas depois, o selo lançou "God Save the Queen" como single.[11] Durante a promoção do single, Rotten afirmou que o trabalho no álbum estava em andamento, e, obscurecendo a suposição de baixo de Jones, insistiu que as performances de baixo no álbum em andamento fossem divididas entre Matlock "nas faixas de Chris Thomas" e Vicious.[12]

A banda retornou ao estúdio com Thomas e Price em 18 de junho para gravar "Holidays in the Sun", a primeira música que eles escreveram sem Matlock. Naquela noite, depois de visitar um bar próximo, Rotten, Thomas e Price foram atacados por um grupo de homens, e o incidente resultou em manchetes nos jornais na terça-feira seguinte.[13] Naquele mês, uma prévia de onze faixas do álbum começou a circular, primeiro avaliada no fanzine 48 Thrills. Neste ponto, Rotten sustentou que o próximo álbum não incluiria covers, e nenhum dos singles lançados anteriormente do Sex Pistols lançaria "Anarchy in the U.K.", que estava fora de circulação. Com o lançamento de "Pretty Vacant" como single, ele deveria ser substituído na lista de faixas.[14] Os Sex Pistols voltaram a Wessex mais uma vez naquele agosto para gravar uma nova música, "Bodies".[15]</ref> Foi nessa faixa que Vicious gravou sua única contribuição no baixo para o álbum.[16] "Bodies" continha uma segunda gravação de baixo interpretada por Steve Jones, com a versão final da canção deixando a versão de Sid quase obsoleta.[17]

O tempo gasto no estúdio gravando o álbum foi, para Steve Jones, a "melhor parte de estar nos Pistols".[18] Jones passou muitas horas fazendo overdubs de guitarra com o produtor Chris Thomas e - repudiando o ocasional desleixo musical do punk - afirmou que tanto ele quanto o baterista Paul Cook "não estavam apenas rindo" e eram "realmente dedicados em estúdio".[19]

Faixas[editar | editar código-fonte]

  1. "Holidays In The Sun" - 3:22
  2. "Bodies" - 3:03
  3. "No Feelings" - 2:51
  4. "Liar" - 2:41
  5. "God Save the Queen" - 3:20
  6. "Problems" - 4:11
  7. "Seventeen" - 2:02
  8. "Anarchy in the U.K." - 3:32
  9. "Submission" - 4:12
  10. "Pretty Vacant" - 3:18
  11. "New York" - 3:07
  12. "E.M.I." - 3:10

Créditos[editar | editar código-fonte]

Covers[editar | editar código-fonte]

Famosas bandas que já fizeram regravações de músicas deste disco:

Referências

  1. «Nevermind the Bollocks Here's the Sex Pistols release». Discogs.com. Consultado em 1 de setembro de 2013 
  2. Chris Jones. «Never Mind The Bollocks Review». BBC News Music. Consultado em 1 de setembro de 2013 
  3. «2007 National Association of Recording Merchandisers». timepieces (em inglês). 2007. Consultado em 25 de maio de 2010 
  4. a b Classic Albums—Sex Pistols: Never Mind the Bollocks [DVD]. Isis Productions, 2002.
  5. Heylin 1998, p. 64.
  6. Heylin 1998, p. 66.
  7. Heylin 1998, p. 67.
  8. Heylin 1998, p. 70.
  9. Heylin 1998, p. 72.
  10. Heylin 1998, p. 75, 77.
  11. Heylin 1998, p. 78.
  12. Heylin 1998, p. 81.
  13. Heylin 1998, p. 81–82.
  14. Heylin 1998, p. 87–90.
  15. Heylin 1998, p. 92, 131.
  16. Heylin 1998, p. 92.
  17. Classic Albums (TV series): Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols (2002), Isis Productions, director: Matthew Longfellow
  18. Steve Jones (2016), Lonely Boy, Windmill Books, p.194 ISBN 9780099510536
  19. Ibid. p.193

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Classic Albums—Sex Pistols: Never Mind the Bollocks [DVD]. Isis Productions, 2002.
  • Heylin, Clinton (1998). Never Mind the Bollocks, Here's the Sex Pistols. [S.l.]: Schirmer Books. ISBN 0-02-864726-2 
  • Savage, Jon (2001). England's Dreaming: Sex Pistols and Punk Rock. [S.l.]: Faber and Faber Limited. ISBN 0-571-20744-8 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]