Panamby

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Panamby
Bairro de São Paulo Bandeira da cidade de São Paulo.svg
Panamby ¹.jpg
Panamby, um dos bairros mais nobres da zona sul de São Paulo
Área 715 000 m²
Fundação 1996
Distrito Vila Andrade
Subprefeitura Campo Limpo
Região Administrativa Sul
Edifícios de alto padrão do bairro

Panamby é um bairro nobre localizado na região do Morumbi no distrito de Vila Andrade, na Zona Sul do município de São Paulo, no Brasil.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Panamby" é um termo tupi que significa "rio das borboletas", através da junção dos termos panama (borboleta) e 'y (rio).[1].

História[editar | editar código-fonte]

O bairro foi construído no terreno de uma propriedade rural, a Chácara Tangará, pertencente a Baby Pignatari. A área foi comprada em 1986 pela Lubeca S/A Empreendimentos, atual Panamby Empreendimentos Imobiliários. A empresa visava à construção de um hotel e edifícios comerciais no local.[2]

Houve diversos conflitos entre os empresários da Lubeca e ambientalistas, por se tratar de uma zona de proteção ambiental e um dos únicos locais paulistanos onde havia mata atlântica remanescente.[3]

Ambientalistas e entidades de preservação propunham a construção do Parque Tangará, porém houve uma concessão à construtora por parte da prefeitura na gestão Jânio Quadros.[3] Na administração de Luiza Erundina, final dos anos 1980, iniciou-se o arruamento do futuro bairro.[3] Em 1989, houve um inquérito devido a denúncias de que integrantes da então prefeitura de São Paulo, membros ligados ao Partido dos Trabalhadores, haviam recebido propina para a legalização do projeto. Por falta de provas, as investigações do "caso Lubeca" foram arquivadas pouco tempo depois.[3]

No entanto, 29 por cento dos territórios da antiga chácara seriam doados à prefeitura para a construção de um parque, o Parque Burle Marx, edificado em 1995.[2]

Em 1996, houve a inauguração da primeira etapa do megaempreendimento Panamby, que, na língua guarani, significa borboleta ou mariposa.[4] Resultado de um consórcio das empresas construtoras: Adolpho Lindenberg, Company, Construarc, Romeu Chap Chap e R. Yazbek, tornou-se um grande sucesso imobiliário, além de se tornar um dos bairros mais abastados da cidade.[4]

No ano de 2001, foi criada a Associação Cultural e de Cidadania Panamby, instituição que objetiva a melhoria da qualidade de vida no bairro, além de promover iniciativas de auxílio em favelas vizinhas ao mesmo.[5]

Atualidade[editar | editar código-fonte]

É um dos bairros mais arborizados e um dos mais nobres da cidade, situado no em torno do Parque Burle Marx, na margem leste da Via Professor Simão Faiguenboim. Majoritariamente residencial, possui luxuosos condomínios privativos, verticais e horizontais.

Não possui postes ou fios elétricos, uma vez que toda a infraestrutura do bairro é feita por cabeamento subterrâneo para energia, telefonia, gás dentre outros serviços.[4] É alvo do mercado imobiliário, uma vez que possui um preço de metro quadrado menor do que as tradicionais regiões nobres paulistanas, como: Morumbi e Jardins.[6]

Em seu entorno estão: o Shopping Jardim Sul, supermercados, o Cemitério do Morumbi, a unidade três do Colégio Porto Seguro e a favela de Paraisópolis.

Receberá uma estação da futura Linha 17 do Metrô de São Paulo, que ligará a Estação São Judas, da Linha 1-Azul, ao Estádio Cícero Pompeu de Toledo. Alguns moradores do bairro manifestaram-se contra o projeto, que, por ser um monotrilho, mudaria drasticamente a paisagem do Panamby.[7]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Panamby

Referências

  1. NAVARRO, E. A. Método Moderno de Tupi Antigo. Terceira edição. São Paulo: Global, 2005. p.42
  2. a b Dissertação de Mestrado de Daniella Almeida Barroso - Projeto urbanístico Panamby: uma 'nova cidade' dentro de São Paulo? - análise do parcelamento e loteamento da Chácara Tangará
  3. a b c d Um bosque para chamar de seu
  4. a b c Panamby
  5. Associação Cultural e de Cidadania do Panamby
  6. O metro quadrado no bairro com lançamentos de alto padrão ainda é menor que preços do Jardins, Santana ou Morumbi
  7. Moradores do Morumbi querem mudar linha do Metrô-SP