Pandemia de COVID-19 na Dinamarca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ver artigo principal: Pandemia de COVID-19 na Europa
Pandemia de COVID-19 na Dinamarca
Mapa dos casos confirmados de COVID-19 por município (em 14 de abril de 2020):
  Sem casos confirmados
  1-19 casos confirmados
  20-39 casos confirmados
  40-59 casos confirmados
  60-99 casos confirmados
  100+ casos confirmados
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Wuhan, Hubei, China (mundial)
Lombardia, Itália (origem do primeiro caso dinamarquês)[1]
Tyrol, Áustria (origem dos casos mais importados)[2]
Local Dinamarca
Período 27 de fevereiro de 2020
(1 ano, 5 meses e 5 dias) – presente
Primeiro caso Roskilde
Estatísticas globais
Casos confirmados 119,779
Mortes 975
Casos que recuperaram 83 801

A expansão da pandemia de COVID-19 foi confirmado na Dinamarca a partir de 27 de fevereiro de 2020.

A Dinamarca foi um dos primeiros países europeus a introduzir medidas de lockdown (quarentena), coemçando em 13 de março. Após um período de aumento consistente nas hospitalizações, o número de pessoas hospitalizadas com COVID-19 vem caindo desde o final de março, com o número de casos que necessitam de cuidados intensivos e unidades de ventilação (que atingiram o pico em meados de março)[3] estando bem abaixo dos recursos disponíveis.[4] Começando em 15 de abril, uma reabertura muito lenta e gradual foi iniciada.[5]

Na tentativa de reduzir o impacto econômico da pandemia, o governo dinamarquês introduziu grandes pacotes econômicos com o apoio de todas as partes no Parlamento.[6] No entanto, estima-se que haverá uma diminuição no Produto Interno Bruto de 3–10% em 2020.[7]

Em 5 de janeiro de 2021, rainha Margarida da Dinamarca foi o primeiro membro da realeza europeia a receber a primeira dose da vacina contra no novo coronavírus.[8]

Referências

  1. Braagaard, Natali (27 de fevereiro de 2020). «Dansker smittet med coronavirus» [Dinamarquês infectado com coronavírus] (em dinamarquês). TV 2. Consultado em 27 de fevereiro de 2020 
  2. «Statens Serum Institut: 139 danskere på skiferie i Østrig bragte virus med hjem» (em dinamarquês). TV 2. 12 de março de 2020. Consultado em 1 de abril de 2020 
  3. «Følg smittespredningen globalt, regionalt og lokalt» (em dinamarquês). Danish Health Authority (Sundhedsstyrelsen). Consultado em 8 de agosto de 2020 
  4. «Håndtering af COVID-19: Prognose og kapacitet i Danmark for intensiv terapi». Sundhedsstyrelsen (Danish Health Authority) (em dinamarquês). 22 de fevereiro de 2020. Consultado em 6 de abril de 2020 
  5. Nielsen, Nicolas S.; Eller, Emil Christian (6 de abril de 2020). «Regeringen åbner vuggestuer, børnehaver og skolen for de mindste børn i næste uge». DR (em dinamarquês). Consultado em 6 de abril de 2020 
  6. Kauffmann, Julie (19 de março de 2020). «Hjælpepakke er klar, men flere kan være på vej: "Vi vil gøre, hvad der end skal til for at få Danmark igennem den her svære tid"». Politiken (em dinamarquês). Consultado em 6 de abril de 2020 
  7. Schou, Poul. «COVID-19-pandemiens økonomiske konsekvenser». Den Store Danske Encyklopædi (em dinamarquês). Consultado em 29 de maio de 2020 
  8. «Rainha Margarida da Dinamarca é a primeira 'royal' europeia a tomar a vacina contra a Covid-19» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Pandemia de COVID-19 na Dinamarca
Ícone de esboço Este artigo sobre a pandemia de COVID-19 é um esboço relacionado ao Projeto Saúde. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.