Pandemia de COVID-19 em navios da Marinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A Pandemia de COVID-19 em navios da Marinha espalhou para muitos navios militares, com a natureza de tais navios, incluindo o trabalho em pequenas áreas fechadas e a falta de alojamentos privados para a grande maioria da tripulação, contribuindo para a rápida disseminação da doença, até mais do que em navios de cruzeiro.

Devido à natureza da segurança das operações, os militares podem ter políticas em vigor que impedem ou restringem a notificação de infecções por SARS-CoV-2 e mortes por COVID-19.

Dentre os países que tiveram casos da doença nos navios militares estão Estados Unidos, Bélgica, França, Holanda, entre outros.

Bélgica[editar | editar código-fonte]

Leopold I

Em 25 de março, a Forças Armadas da Bélgica informou que um membro da tripulação da fragata belga Leopold I havia testado positivo. O marinheiro havia sido evacuado por via aérea para Den Helder em 20 de março, depois que ele começou a demonstrar sintomas, e ficou em quarentena em casa quando o teste retornou positivo em 24 de março.[1] Como precaução, o navio interrompeu sua operação com o grupo de batalha de navios franceses liderado por Charles de Gaulle e retornou a Zeebrugge , seu porto de origem, em 27 de março, cerca de um mês antes do planejado.[2]

França[editar | editar código-fonte]

Carhles de Gaulle[editar | editar código-fonte]

Porta-aviões Charles de Gaulle.

Como cerca de 40 tripulantes estavam começando a mostrar sintomas, o porta-aviões francês Charles de Gaulle retornou ao seu porto de origem em Toulon mais cedo do que o planejado, conforme relatado em 8 de abril de 2020 pelo Ministério das Forças Armadas da França.[3][4]

Chevalier Paul[editar | editar código-fonte]

Porta-aviões Chevalier Paul.

Em 15 de abril de 2020, o Ministério das Forças Armadas informou que, dos testes de 1767 realizados nos membros do grupo de batalha de transportadores liderado por Charles de Gaulle, 668 retornaram positivos. A grande maioria desses casos estava a bordo de Charles de Gaulle, e o restante dos casos estava a bordo da fragata francesa Chevalier Paul.[5][6]

Os 200 marinheiros do Chevalier Paul ficaram em quarentena por duas semanas.[6]

Holanda[editar | editar código-fonte]

Submarino Dolfijn.

Em 30 de março, o Ministério da Defesa da Holanda informou que oito tripulantes do submarino holandês HNLMS Dolfijn haviam testado positivo.[7] Dos 58 membros da tripulação, quinze marinheiros com sintomas leves foram testados. O submarino mudou de rumo perto da Escócia para retornar à Holanda duas semanas antes, chegando a Den Helder em 3 de abril.

Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

USS Boxer, em águas australianas.

USS Boxer[editar | editar código-fonte]

Foi relatado que a pandemia do novo coronavírus se espalhou para o navio de assalto anfíbio americano USS Boxer quando seu primeiro caso positivo foi relatado em 15 de março de 2020. Esse foi relatado como o primeiro caso de um marinheiro a bordo de um navio da Marinha dos Estados Unidos. O marinheiro posteriormente ficou em quarentena em casa. Um segundo marinheiro deu positivo em 17 de março de 2020 e também ficou em quarentena em casa.[8]

USS Essex[editar | editar código-fonte]

USS Essex, em águas tailandesas.

Foi relatado que a pandemia do novo coronavírus se espalhou para a tripulação do navio de desembarque americano USS Essex quando seu primeiro caso foi relatado em 17 de março. O marinheiro estava participando de um curso na Base Naval de San Diego desde fevereiro de 2020, quando o teste retornou positivo em 14 de março. O marinheiro posteriormente isolou-se em casa.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. News, Flanders (25 de março de 2020). «Corona infection on board Belgian frigate Leopold I». vrtnws.be 
  2. «French Carrier Strike Group Begins 'Foch' Deployment». 22 de janeiro de 2020 
  3. «Coronavirus : plusieurs cas suspects à bord du porte-avions français Charles-de-Gaulle» [Coronavirus: several suspected cases on board the French aircraft carrier Charles de Gaulle] (em French). France 24. 8 de abril de 2020. Consultado em 16 de abril de 2020 
  4. «French aircraft carrier heads home early due to possible COVID-19 cases». Reuters. 8 de abril de 2020. Consultado em 16 de abril de 2020 
  5. «Coronavirus : près de 700 marins positifs au Covid-19, la majorité sur le porte-avions Charles de Gaulle». France bleu. 15 de abril de 2020. Consultado em 16 de abril de 2020 
  6. a b «Twenty sailors hospitalised after Covid-19 hits French aircraft carrier». RFI. 16 de abril de 2020. Consultado em 16 de abril de 2020 
  7. Defensie, Ministerie van (30 de março de 2020). «Zr.Ms. Dolfijn breekt reis af vanwege corona – Nieuwsbericht – Defensie.nl». defensie.nl 
  8. «Second Sailor assigned to USS Boxer (LHD 4) Tests Positive for COVID-19» (Nota de imprensa). United States Navy. 18 de março de 2020. Consultado em 16 de abril de 2020 
  9. Affairs, This story was written by Navy Education and Training Command Public. «Navy School Closed After Third COVID-19 Case». United States Navy