Pandemia de COVID-19 no Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pandemia de COVID-19 no
Reino Unido
Casos confirmados por país e região do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra, em 24 de março de 2020[1][2]
Número de casos:
  Menos que 268 casos
  Maior ou igual a 268 casos
  Maior ou igual a 461 casos
  Maior ou igual a 784 casos
  Maior ou igual a 1236 casos
  Maior ou igual a 1817 casos
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Wuhan, Hubei, China
Local Reino Unido
Período 31 de janeiro de 2020
Início Iorque
Estatísticas globais
Casos confirmados 34 116[3]
Mortes 2 921[nota 1]
Casos que recuperaram 179[3]

A pandemia de COVID-19 no Reino Unido se espalhou para o Reino Unido em 31 de janeiro de 2020, quando os dois primeiros casos com a doença respiratória COVID-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, foram confirmados na cdade de Newcastle, em uma família de cidadãos chineses que estavam hospedaos em um hotel em Iorque.[4][5]

Em 12 de janeiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que o novo coronavírus foi a causa de uma doença respiratória em um grupo de pessoas em Wuhan, província de Hubei, China, chamando a atenção da OMS anteriormente, em 31 de dezembro de 2019.[4] O Reino Unido desenvolveu posteriormente, um teste laboratorial específico para o vírus.[6] Em resposta ao surto, o aeroporto de Heathrow recebeu apoio clínico adicional e vigilância reforçada dos voos diretos de Wuhan.[7] Em 30 de janeiro, o grupo de risco do Reino Unido subiu de "baixo" para "moderado", após a OMS anunciar que o COVID-19 da doença como Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional (PHEIC).[6]

Assim que os casos apareceram no Reino Unido em 31 de janeiro, foi lançada uma campanha informativa sobre saúde pública em aconselhar a população, diminuir o risco de propagação do vírus.[6] No início de fevereiro, outros casos levaram o Secretário de Saúde e Assistência Social, Matt Hancock, introduzir o instrumento estatutário de 2020 ao Regulamento de Proteção à Saúde.[4] Orientações sobre prevenção e controle de infecções, como detectar e diagnosticar o COVID-19 e, atualizações diárias — incluindo conselhos aos viajantes, foram publicadas pelo Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC) e Saúde Pública da Inglaterra (PHE).[4] Além disso, o Serviço Nacional de Saúde (NHS) criou centros de triagem drive-through em vários hospitais.[8][9] O consultor-médico e chefe do governo britânico, Chris Whitty, explicou uma estratégia para combater o surto com base em quatro objetivos: contenção, retardamento, pesquisas e apaziguamento.[10]

O primeiro caso documentado no Reino Unido ocorreu em 28 de fevereiro de 2020. Todos os casos detectados anteriormente foram infectados no exterior.[11] No dia 1º de março, os casos haviam sido detectados na Inglaterra, País de Gales, Irlanda do Norte e Escócia.[4][12] Posteriormente, o primeiro-ministro Boris Johnson apresentou o Plano de Ação para o Coronavírus, com o governo classificando o surto como "estado de calamidade nível 4".[4][13] Em 11 de março, a OMS classificou o surto com uma pandemia.[14] Outras decisões incluíram a cancelamento das aulas na Inglaterra, optando pelo seu fechamento.[15] As companhias aéreas anunciaram uma série de cancelamentos de voos, e alguns varejistas online relataram que os consumidores fizeram pedidos extraordinariamente grandes.[16][17] Em 12 de março, o grupo de risco no Reino Unido subiu de "moderado" para "alto".[18] Quatro dias depois, após a pandemia de COVID-19 na Itália,[19][nota 2] o governo advertiu medidas a respeito do distanciamento social, aconselhando a população evitar viagens consideradas "não essenciais", contato com outras pessoas, ambientes fechados, e se possível, passar a trabalharem em casa. Mulheres grávidas, idosos com mais de 70 anos e àqueles com algum grau de saúde comprometido, foram orientados a ficarem em seus domicílios de forma isolada.[19] Em 18 de março, o governo tornou obrigatório o fechamento de escolas e universidades.[22] Em 20 de março, foi divulgado que todos os restaurantes, bares, clubes e instalações esportivas e de lazer também seriam obrigados a fecharem, embora os serviços delivery pudessem permanecer abertas.[23] Em 23 de março, o governo anunciou que essas medidas seriam mais rigorosas, com amplas restrições à liberdade de circulação, aplicáveis ​​por lei.[24]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Nesses dados, não está incluído a morte do cidadão britânico que estava a bordo do navio cruzeiro, Diamond Princess, em 28 de fevereiro. Assim como também, não está incluído a morte de um cidadão britânico nas Ilhas Cayman.[3]
  2. Com base no sistema de saúde da Itália, compartilhando dados semelhantes aos do NHS;[20] e com base nas evidências coletadas, incluindo previsões dos epidemiologistas do Imperial College London.[21]

Referências

  1. «UK Countries». Consultado em 20 de março de 2020 
  2. «NHS Regions». Consultado em 20 de março de 2020 
  3. a b c «Total UK cases COVID-19 Cases Update». Public Health England. Consultado em 24 de março de 2020 
  4. a b c d e f «Coronavirus (COVID-19): latest information and advice». Gov UK. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de março de 2020 
  5. Tom Ball, Charlotte Wace (31 de janeiro de 2020). «Hunt for contacts of coronavirus-stricken pair in York». The Times. ISSN 0140-0460. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2020 
  6. a b c Peter Russell (3 de fevereiro de 2020). «New Coronavirus: UK Public Health Campaign Launched». Medscape. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 1º de março 2020 
  7. Elisabeth Mahase (22 de janeiro de 2020). «Coronavirus: UK screens direct flights from Wuhan after US case». British Medical Journal. 368. pp. m265. ISSN 1756-1833. doi:10.1136/bmj.m265. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2020 
  8. «Central London Community Healthcare NHS Trust :: Parsons Green drive through swabbing hub for Covid-19». clch.nhs.uk. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  9. «Drive-through coronavirus tests begin in Scotland». BBC News. 28 de fevereiro de 2020. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  10. Nicole Kobie (15 de fevereiro de 2020). «This is how the UK is strengthening its coronavirus defences». Wired. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  11. «Coronavirus: Latest patient was first to be infected in UK». BBC News. 28 de fevereiro de 2020. ISSN 0307-1235. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  12. «Coronavirusin Scotland - gov.scot». Gov Scot. Consultado em 6 de março de 2020. Cópia arquivada em 5 de março de 2020 
  13. Matt Discombe (3 de março de 2020). «National incident over coronavirus allows NHSE to command local resources». Health Service Journal. Consultado em 24 de março de 2020 
  14. «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19 – 11 March 2020». World Health Organization. 12 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 11 de março de 2020 
  15. Will Bedingfield (28 de fevereiro de 2020). «Will shutting down UK schools stop coronavirus? It's complicated». Wired. ISSN 1357-0978. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  16. «Coronavirus could spread 'significantly' – PM». BBC News. 2 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  17. «UK supermarkets draw up plan to 'feed the nation' as coronavirus spreads». Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  18. «COVID-19: government announces moving out of contain phase and into delay». Gov UK. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 16 de março de 2020 
  19. a b «Coronavirus: PM says everyone should avoid office, pubs and travelling». BBC News. 16 de março de 2020. Consultado em 24 março de 2020. Cópia arquivada em 16 de março de 2020 
  20. Remuzzi, Andrea; Remuzzi, Giuseppe (13 de março de 2020). «COVID-19 and Italy: what next?». The Lancet. 0. ISSN 0140-6736. PMID 32178769. doi:10.1016/S0140-6736(20)30627-9. Consultado em 24 de março de 2020 
  21. Equipe do Imperial College responsável pelo COVID-19 (16 de março de 2020). «Impact of non-pharmaceutical interventions (NPIs) to reduce COVID19 mortality and healthcare demand» (PDF). Imperial College London. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2020 
  22. «Coronavirus: UK schools to close from Friday». BBC News. 18 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 18 de março de 2020 
  23. «The Health Protection (Coronavirus, Business Closure) (England) Regulations 2020» (PDF). Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 23 de março de 2020 
  24. «PM announces strict new curbs on life in UK». BBC News. 23 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Pandemia de COVID-19 no Reino Unido