Pandemia de COVID-19 no Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pandemia de COVID-19 no
Reino Unido
Casos confirmados por país e região do Serviço Nacional de Saúde da Inglaterra, em 3 de julho de 2020[1][2]
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem
Local Reino Unido
Período 31 de janeiro de 2020
Primeiro caso
Estatísticas globais
Casos confirmados 1 430 341[3]
Mortes 53 274[4][nota 1]
Casos que recuperaram Desconhecido
Atualizado em 18 de novembro de 2020[5]

A pandemia de COVID-19 no Reino Unido se espalhou em 31 de janeiro de 2020, quando os dois primeiros casos com a doença respiratória COVID-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, foram confirmados na cidade de Newcastle, em uma família de cidadãos chineses que estavam hospedados em um hotel em York.[6][7]

O Reino Unido desenvolveu posteriormente, um teste laboratorial específico para o vírus.[8] Em resposta ao surto, o aeroporto de Heathrow recebeu apoio clínico adicional e vigilância reforçada dos voos diretos de Wuhan.[9] Em 30 de janeiro, o grupo de risco do Reino Unido subiu de "baixo" para "moderado", após a OMS anunciar que o COVID-19 da doença como Emergência de Saúde Pública de Âmbito Internacional (PHEIC).[8]

Assim que os casos apareceram no Reino Unido em 31 de janeiro, foi lançada uma campanha informativa sobre saúde pública em aconselhar a população, diminuir o risco de propagação do vírus.[8] No início de fevereiro, outros casos levaram o Secretário de Saúde e Assistência Social, Matt Hancock, introduzir o instrumento estatutário de 2020 ao Regulamento de Proteção à Saúde.[6] Orientações sobre prevenção e controle de infecções, como detectar e diagnosticar o COVID-19 e, atualizações diárias — incluindo conselhos aos viajantes, foram publicadas pelo Departamento de Saúde e Assistência Social (DHSC) e Saúde Pública da Inglaterra (PHE).[6] Além disso, o Serviço Nacional de Saúde (NHS) criou centros de triagem drive-through em vários hospitais.[10][11] O consultor-médico e chefe do governo britânico, Chris Whitty, explicou uma estratégia para combater o surto com base em quatro objetivos: contenção, retardamento, pesquisas e apaziguamento.[12]

O primeiro caso documentado no Reino Unido ocorreu em 28 de fevereiro de 2020. Todos os casos detectados anteriormente foram infectados no exterior.[13] No dia 1º de março, os casos haviam sido detectados na Inglaterra, País de Gales, Irlanda do Norte e Escócia.[6][14] Posteriormente, o primeiro-ministro Boris Johnson apresentou o Plano de Ação para o Coronavírus, com o governo classificando o surto como "estado de calamidade nível 4".[6][15] Em 11 de março, a OMS classificou o surto com uma pandemia.[16] Outras decisões incluíram a cancelamento das aulas na Inglaterra, optando pelo seu fechamento.[17] As companhias aéreas anunciaram uma série de cancelamentos de voos, e alguns varejistas online relataram que os consumidores fizeram pedidos extraordinariamente grandes.[18][19] Em 12 de março, o grupo de risco no Reino Unido subiu de "moderado" para "alto".[20] Quatro dias depois, após a pandemia de COVID-19 na Itália,[21][nota 2] o governo advertiu medidas a respeito do distanciamento social, aconselhando a população evitar viagens consideradas "não essenciais", contato com outras pessoas, ambientes fechados, e se possível, passar a trabalharem em casa. Mulheres grávidas, idosos com mais de 70 anos e àqueles com algum grau de saúde comprometido, foram orientados a ficarem em seus domicílios de forma isolada.[21] Em 18 de março, o governo tornou obrigatório o fechamento de escolas e universidades.[24] Em 20 de março, foi divulgado que todos os restaurantes, bares, clubes e instalações esportivas e de lazer também seriam obrigados a fecharem, embora os serviços delivery pudessem permanecer abertas.[25] Em 23 de março, o governo anunciou que essas medidas seriam mais rigorosas, com amplas restrições à liberdade de circulação, aplicáveis por lei.[26]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em 12 de janeiro de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) confirmou que um novo coronavírus era a causa de uma doença respiratória em um grupo de pessoas na cidade de Wuhan, província de Hubei, na China, sendo relatada à OMS em 31 de dezembro de 2019.[27][28]

A taxa de letalidade para os casos de COVID-19 foi muito menor se comparado a SARS-CoV de 2003,[29][30] no entanto, sua transmissão foi significativamente maior, com um número total significativo de mortes.[31][29] A partir de 19 de março, a Saúde Pública da Inglaterra não classificou mais o COVID-19 como uma "alto" na categoria de grupo de risco.[30]

Histórico[editar | editar código-fonte]

Janeiro de 2020[editar | editar código-fonte]

Em 22 de janeiro, após os Estados Unidos confirmar seu primeiro caso, um homem que havia retornado de Wuhan a Washington, onde havia 440 casos confirmados na época, o nível de risco de "muito baixo" a "baixo". Como resultado, o Aeroporto de Heathrow recebeu apoio clínico adicional e vigilância reforçada aos três vôos diretos que recebia de Wuhan toda semana; cada um deveria ser atendido por uma equipe da Port Health com suporte ao idioma mandarim e cantonês. Além disso, todos os aeroportos do Reino Unido deveriam disponibilizar orientações por escrito para viajantes doentes.[32] Simultaneamente, foram feitos esforços para rastrear 2.000 pessoas que voaram para o Reino Unido a partir de Wuhan nos últimos 14 dias.[33]

Em 31 de janeiro, dois membros de uma família de cidadãos chineses hospedados em um hotel em York, um dos quais estudou na Universidade de York, se tornaram os primeiros casos confirmados de COVID-19 no Reino Unido. Após a confirmação, eles foram transferidos do Hospital Universitário Hull University para um centro de isolamento especializado, uma Unidade de Doenças Infecciosas de Alta Consequência designada em Newcastle upon Tyne.[7][34] O caso se tratava de uma mulher de 50 anos que veio da província de Hubei e entrou no Reino Unido em 23 de janeiro. Desenvolveu febre e fadiga em 26 de janeiro, com a confirmação do caso se dando em 31 de janeiro.[7][35]

No mesmo dia, um voo de evacuação de Wuhan pousou na RAF Brize Norton e os passageiros, nenhum dos quais com sintomas, foram submetidos a uma quarentena, em um quarteirão residencial do Arrowe Park Hospital, em Wirral.[36] Anteriormente, havia uma disputa sobre se o governo deveria ajudar o repatriamento de portadores de passaporte do Reino Unido das áreas mais afetadas na China ou restringir completamente as viagens das regiões afetadas.[37][38] Alguns cidadãos britânicos em Wuhan foram informados de que poderiam ser evacuados, mas cônjuges ou filhos com passaporte chinês continental não.[39] Isso foi derrubado mais tarde, mas o atraso significou que algumas pessoas perderam o voo.[36]

Fevereiro de 2020[editar | editar código-fonte]

Em 6 de fevereiro, um terceiro caso confirmado, um homem que havia viajado recentemente para Singapura e depois para a França, foi relatado em Brighton. Ele havia transmitido o vírus para seis de seus parentes na França, antes de retornar ao Reino Unido em 28 de janeiro.[40][41][42] Após a confirmação, o governo do Reino Unido ampliou o número de países onde um histórico de viagens anteriores estava associado a sintomas semelhantes aos da COVID-19. Esses países incluíam a China, Hong Kong, Japão, Macau, Malásia, Coréia do Sul, Singapura, Taiwan e Tailândia.[43]

Em 10 de fevereiro, quatro novos casos foram confirmados em Brighton, todos tendo tido algum tipo de contato com o portador do terceiro caso confirmado.[44][45] Globalmente, o vírus havia se espalhado para 28 países.[46] Naquele dia, o Secretário de Estado da Saúde e Assistência Social, Matt Hancock, anunciou o Regulamento de Proteção à Saúde (Coronavírus) 2020, para dar aos profissionais de saúde pública "poderes fortalecidos" para manter as pessoas afetadas e aquelas que se acredita estarem expostas isoladas.[44] Um nono caso foi confirmado em Londres em 11 de fevereiro.[47]

Em 23 de fevereiro, o número total de casos no Reino Unido chegou a 13, quando quatro novos casos de passageiros no navio de cruzeiro Diamond Princess foram confirmados. Eles foram transferidos para hospitais no Reino Unido.[48] Em 27 de fevereiro, o número total de casos confirmados no Reino Unido subiu para 16, incluindo o primeiro caso na Irlanda do Norte, de uma mulher que havia viajado para Milão.[49][50]

Em 28 de fevereiro, o primeiro caso no País de Gales foi confirmado em uma pessoa que retornara do norte da Itália.[51][52][53] No mesmo dia, dois outros casos foram confirmados na Inglaterra, um dos quais era um homem que não havia contraído a doença do exterior. Ele era um residente em Surrey e o caso foi registrado no Centro de Saúde Haslemere.[13] Um estudo levantou a possibilidade de que a primeira pessoa a contrair a doença no Reino Unido possa ter sido um dos dois cidadãos chineses com casos confirmados em 31 de janeiro.[7] A primeira morte foi registrada em 28 de fevereiro.[54]

Em 29 de fevereiro, mais três casos do vírus foram confirmados, elevando o número total para 23. 10.483 pessoas haviam sido testadas.[6] Duas das três pessoas afetadas haviam retornado recentemente da Itália, enquanto a terceira havia retornado da Ásia.[55] No mesmo dia, o governo escocês anunciou que começaria a realizar uma vigilância em alguns hospitais.[56] Cerca de 442.675 ligações foram feitas para a linha não emergencial 111 na última semana de fevereiro.[57]

Março de 2020[editar | editar código-fonte]

Prateleiras de mercado de Londres vazias.

Em 1º de março, outros 13 casos foram relatados, acrescentando a Grande Manchester e a Escócia à lista de áreas afetadas e elevando o total para 36, três dos quais se acredita serem contatos do caso em Surrey.[58][59] Em 2 de março, mais quatro pessoas na Inglaterra testaram positivo; os quatro haviam viajado recentemente da Itália.[6] O número total de casos no Reino Unido subiu para 39.[16] No dia seguinte, quando o número total de casos confirmados no Reino Unido chegou a 51, o governo do Reino Unido apresentou seu Plano de Ação para Coronavírus, que descrevia o que o Reino Unido tinha feito e o que planejava fazer a seguir.[6] Paul Cosford, diretor médico da Public Health England, disse que a transmissão generalizada de COVID-19 no Reino Unido é "altamente provável".[60]

Em 4 de março, o número total de casos confirmados subiu para 85.[6] Em 5 de março, foram anunciados mais três casos na Escócia,[14] e o total de casos confirmados no Reino Unido chegou a 115.[6] No mesmo dia, uma mulher de 70 anos com uma condição médica grave, registrou a primeira morte por COVID-19 no Reino Unido.[61] Outros 48 casos foram confirmados em 6 de março,[62] com o total passando dos 200 no dia seguinte.[63] Em 8 de março houve a confirmação de 64 casos, o maior aumento de casos até então.[64] Em 9 de março, foram confirmados casos em Dorset.[65]

A partir de 12 de março alguns estabelecimentos passaram a limitar o número de itens vendidos por cliente.

Em 10 de março, foi anunciado que o Ministro da Saúde, Nadine Dorries havia testado positivo para o vírus e estava auto-isolando.[66][67] Em 11 de março mais 83 casos foram confirmados, elevando o total para 456.[68] No mesmo dia, a OMS declarou a eclosão de uma pandemia,[69] e foi-se discutido o orçamento anual.[70] Em 12 de março, o total de casos no Reino Unido subiu para 590.[6] O governo aconselhou que qualquer pessoa com uma nova tosse contínua ou febre deve se auto-isolar por sete dias. As escolas foram solicitadas a cancelar viagens ao exterior, e pessoas acima de 70 anos e pessoas com condições médicas pré-existentes foram aconselhadas a evitar cruzeiros.[71][72]

Em 13 de março, o número total de casos confirmados subiu para 798,[73] com a primeira morte sendo confirmada na Escócia.[74] O governo do Reino Unido restringiu a exportação de três drogas que estavam sendo usadas em pacientes da COVID-19 em ensaios clínicos na China: Kaletra, fosfato de cloroquina e hidroxicloroquina.[75] Em 14 de março, o número de casos confirmados aumentou para 1.140 e o número total de mortes subiu para 21.[76] Em 15 de março, o secretário de Estado da Saúde e Assistência Social, Matt Hancock, anunciou que todos na Grã-Bretanha com mais de 70 anos seriam instruídos a se auto-isolarem nas próximas semanas.[77] Naquele dia, o número de casos subiu para 1.372 e o número de mortes aumentou para 35.[78]

Uso de máscara e luvas em supermercado de Londres.

Em 16 de março, o número de mortos no Reino Unido subiu para 55, com o número de casos passando de 1.500.[21] A primeira morte no País de Gales estava nesses números.[79] O primeiro-ministro Boris Johnson aconselhou todos os britânicos a não fazerem viagens e não tomarem contatos "não essenciais" com outras pessoas, além de sugerir o dever de evitar bares, clubes, teatros e trabalhar em casa, se possível. Mulheres grávidas e pessoas com certa situação clínica se juntaram ao grupo dos que deveriam se auto-isolar.[21] No mesmo dia, uma segunda deputada, Kate Osborne, deu positivo após um período de auto-isolamento.[80][81][82][83]

Em 17 de março, o NHS England anunciou que todas as operações não urgentes na Inglaterra seriam adiadas de 15 de abril para liberar 30.000 camas.[84] Também em 17 de março, o chanceler Rishi Sunak anunciou que 330 bilhões de libras seriam disponibilizados em garantias de empréstimos para empresas afetadas pela pandemia.[85][86] Nesse dia, o número de mortos no Reino Unido subiu para 71, enquanto o número de casos confirmados chegou em 1.950.[87][88] Em 17 de março, o governo forneceu um pacote de apoio emergencial de 3,2 milhões de libras para criação de acomodações.[89] Com necessidades complexas de saúde física e mental, em geral, os sem-teto correm um risco significativo de contrair o vírus.[89]

Em 18 de março, o deputado Lloyd Russell-Moyle anunciou que havia testado positivo para o vírus.[90] Boris Johnson fez uma declaração, anunciando que todas as escolas no Reino Unido deveriam fechar na sexta-feira, só poderiam continuar frequentando alunos que têm pais com empregos que não podem ser feitos em casa. Em 19 de março, a primeira morte foi confirmada na Irlanda do Norte.[91] O Ministério da Defesa também anunciou a formação da Força de Apoio COVID, permitindo que os militares apoiem serviços públicos e autoridades civis no combate ao surto.[92] Também foram anunciadas duas operações militares: Operation Rescript, que se concentra no surto no Reino Unido; e Operação Broadshare, que se concentra nas atividades militares britânicas no exterior.[93]

Aviso de prioridade às compras, em relação a pessoas na faixa de risco.

Em 20 de março, o primeiro-ministro Boris Johnson solicitou o fechamento de bares, restaurantes, academias, locais de entretenimento, museus e galerias.[94][95] A Agência de Normas para Condutores e Veículos anunciou que todos os testes de teoria práticos e de condução pendentes deveriam ser adiados, por pelo menos três meses no caso de testes práticos, e até 20 de abril para os testes teóricos. Todos os candidatos deveriam receber uma notificação de quando seus testes foram remarcados.[96][97]

Em 22 de março, o número de mortos no Reino Unido chegou a 281, incluindo a mais jovem vítima britânica, uma adolescente de 18 anos com problemas de saúde adjacentes.[98] Em 23 de março, a Next foi a primeira varejista a anunciar que estava fechando temporariamente suas 700 lojas devido à pandemia. Ele previa uma perda de £1 bilhão em receita.[99][100] No mesmo dia, Downing Street confirmou que o secretário de Relações Exteriores Dominic Raab atuaria no lugar do primeiro-ministro Boris Johnson se ele se tornasse como "incapacitado".[101]

Em 23 de março, Boris Johnson anunciou em um canal de televisão que as medidas para preventivas seriam mais rigorosas, com restrições feitas à liberdade de circulação.[102] Johnson não mencionou a palavra "bloqueio", mas o termo foi amplamente adotado na mídia.[103] O governo instruiu as pessoas a ficar em casa durante todo esse período, podendo sair apenas para fazer compras essenciais, por necessidade médicas, ou para praticar exercício físico.[104] Muitas outras atividades não essenciais, incluindo todas as reuniões públicas e eventos sociais, exceto funerais, foram proibidas, com muitas categorias de empresas de varejo ordenadas a serem fechadas.[102][105]

A rede de lojas Next anunciou o fechamento de 700 lojas, a fim de diminuir o contágio.

O Parlamento Escocês encerrou suas atividades em 24 de março, com planos de se reunir novamente em 1º de abril para discutir a legislação de emergência.[106] A Assembléia Nacional do País de Gales fechou ao público em 17 de março e realizou em 1° de abril uma reunião virtual.[107] A Assembléia da Irlanda do Norte reduziu sua carga de trabalho ao suspender todos os negócios não essenciais em 18 de março, e fechou ao público em 19 de março.[108] O Parlamento do Reino Unido foi encerrado em 25 de março, com o Presidente da Câmara propondo um "parlamento virtual" até 21 de abril.[109][110]

Em 24 de março, foi anunciado que o NHS England estabeleceria um hospital de cuidados intensivos temporário, o NHS Nightingale Hospital London, no centro de conferências ExCeL London.[111] Também em 24 de março, foi relatado que o NHS Wales estava estudando a possibilidade de usar o Estádio do Principado em Cardiff para um propósito semelhante.[112] Em 25 de março, foi confirmado que o NHS Scotland havia identificado as instalações para exposições e conferências SEC Centre de Glasgow como um local potencial para um hospital semelhante na Escócia.[113] Em 26 de março, foi relatado que o serviço de saúde da Irlanda do Norte também estava procurando por locais em potencial para uso em hospitais temporários.[114] Em 27 de março, o NHS England anunciou que estabeleceria mais hospitais do NHS Nightingale nos principais centros de conferência para ajudar a lidar com o grande número de casos esperados.[115] De acordo com dados oficiais divulgados em 24 de março, houve 87 novas mortes por coronavírus nas 24 horas anteriores, elevando o número total de mortes para 422.[116]

Parque infantil isolado devido a pandemia.

Em 25 de março, o diplomata britânico Steven Dick, vice-embaixador na Hungria, morreu em Budapeste após contrair o vírus.[117] No mesmo dia, foi anunciado que a polícia teria o poder de usar uma "força razoável" para garantir a execução dos regulamentos.[118] Os dois primeiros médicos que trabalham no NHS morreram do COVID-19 no mesmo dia, um clínico geral e o outro cirurgião.[119] Em 26 de março, foram confirmadas mais de 100 em um dia pela primeira vez, subindo para 578, enquanto o número total de casos subiu para 11.568 foi positivo para o vírus.[120] Às 20 horas daquele dia, pessoas de todo o Reino Unido participaram de aplausos nacionais em reconhecimento aos trabalhadores da saúde.[121] Este aplauso foi repetido na semana seguinte.[122]

Em 27 de março, Boris Johnson e Matt Hancock anunciaram que haviam testado positivo para o vírus.[123][124] No mesmo dia, a deputada trabalhista Angela Rayner, Secretária de Estado da Educação, confirmou que estava sofrendo sintomas e em auto-isolamento.[125] O consultor médico chefe Chris Whitty também relatou sofrer de sintomas estando também em auto-isolamento.[126] Nesse dia também houve o maior aumento no número de mortes, com o número subindo 181 em relação ao dia anterior, elevando o total para 759, enquanto 14.579 casos foram confirmados.[127] No mesmo dia, a Casa da Moeda Real anunciou que estava fabricando viseiras médicas para a equipe médica que trabalhava durante a pandemia.[128][129] O Conselho Nacional de Chefes de Polícia disse que a polícia havia emitido suas primeiras multas por pessoas que infringiam as regras de bloqueio. Os avisos de penalidade fixa são de £60, mas que seriam reduzidos para £30 se pagos dentro de 14 dias.[130]

Bancos de parque cobertos com redes para impedir seu uso.

Em 28 de março, o secretário escocês Alister Jack anunciou que estava em auto-isolamento depois de apresentar os sintomas da doença.[131] Foram confirmadas mais 260 mortes com o total passando de 1.000.[132] O número total de casos chegou a 17.089. Novos regulamentos entraram em vigor na Irlanda do Norte, dando às autoridades o poder de forçar as empresas a fecharem e aplicar-lhes multas se recusarem, assim como as pessoas que saem de casa sem uma "desculpa razoável". As medidas, introduzidas pelo Executivo da Irlanda do Norte, a alinharam com o restante do Reino Unido.[133][134]

Em 29 de março, foi relatado que o governo enviaria uma carta a 30 milhões de famílias, alertando que as coisas "piorariam antes que melhorassem" e que restrições mais rígidas poderiam ser implementadas, se necessário. A carta também seria acompanhada de um folheto estabelecendo as regras de bloqueio do governo, juntamente com informações de saúde.[135] A Dra. Jenny Harries, vice-diretora médica da Inglaterra, sugeriu que seriam necessários seis meses antes que a vida voltasse ao "normal", porque as medidas de distanciamento social teriam que ser reduzidas "gradualmente".[136] Nesse dia também o primeiro profissional da saúde morreu no país.[119]

Em 30 de março, Dominic Cummings, conselheiro-chefe do primeiro-ministro, apresentou sintomas da doença.[137] Como o número de mortes relatadas aumentou para 1.408, Patrick Vallance, o principal consultor científico do Reino Unido, disse que havia sinais precoces de que as medidas de distanciamento social estavam "fazendo a diferença". Pensa-se que a transmissão do vírus na comunidade estava diminuindo e os dados de internações sugeriam que os casos não estavam aumentando tão rápido quanto o previsto.[138] Dominic Raab anunciou um acordo entre o governo e as principais companhias aéreas do Reino Unido para buscar dezenas de milhares de cidadãos britânicos que estavam presos no exterior pelo surto de coronavírus.[139] Em 31 de março, foi registrado o maior número de mortes no Reino Unido até o momento, com 381 mortes totalizando 1.789.[140]

Abril de 2020[editar | editar código-fonte]

Carta do Primeiro-ministro enviada à população em 3 de abril

Em 1.º de abril, o governo anunciou que 200 funcionários do NHS haviam testado positivo para o vírus. O Ministro do Gabinete Michael Gove disse que a falta de reagentes químicos para a fabricação de testes não permitiria a testagem de todos os membros.[141] A declaração de Gove foi contestada pela Chemical Industries Association, que disse que não havia falta dos produtos químicos importantes e que, em uma reunião com um ministro de negócios, na semana anterior, o ministro não havia tentado descobrir possíveis problemas com os suprimentos.[142] Em 1 de abril, confirmou-se que o número de mortes aumentou para 2.362, e o de casos para 29.474 casos, tendo sido confirmados 4.324 novos casos.[141]

Em 2 de abril, o Secretário de Saúde Matt Hancock, após seu período de sete dias de isolamento, anunciou um plano de "cinco pilares" para testar pessoas para o vírus, com o objetivo de realizar 100.000 exames por dia até o final de abril.[143] Às 20:00 do dia 2 de abril, o Reino Unido deu outra salva de palmas nacional para os funcionários do NHS e outros trabalhadores importantes.[144]

Com a previsão do tempo quente para algumas áreas durante o próximo fim de semana, em 3 de abril, Hancock alertou as pessoas para ficarem em casa, dizendo que essa era uma instrução e "não uma solicitação".[145] Em 4 de abril, foi anunciado que uma criança de cinco anos havia morrido pelo vírus, a vítima mais jovem até então.[146] O total de óbitos chegou a 4.313, tendo aumentado 708 em relação ao dia anterior. Naquele dia, Boris Johnson foi internado no hospital como uma "medida de precaução" depois de sofrer de sintomas por mais de uma semana sem melhora.[147] Catherine Calderwood, chefe médica da Escócia, renunciou ao seu cargo após a denúncia de visitar sua segunda casa durante o bloqueio.[148]

Letreiro eletrônico usado para alertar sobre o distanciamento.

Em 6 de abril, Boris Johnson foi transferido para a unidade de terapia intensiva no Hospital St Thomas em Londres, quando seus sintomas pioraram.[149] Dominic Raab assumiu os deveres de Johnson. Em 7 de abril, o número de mortes registradas aumentou 786, totalizando 6.159. O número comparado com 439 mortes no dia anterior. Patrick Vallance, principal consultor científico do governo, disse que os números não estavam acelerando como havia sido previsto, mas era muito cedo para saber se o surto estava chegando ao pico.[150][151]

Em 8 de abril, Mark Drakeford, o primeiro ministro do País de Gales, confirmou que o governo galês estenderia o bloqueio além do período inicial de três semanas.[152] Nesse dia, outras 938 mortes foram relatadas no Reino Unido, elevando o total para 7.097.[153] Em 9 de abril, o número de mortes registradas aumentou 881, totalizando 7.978. Dominic Raab disse que o Reino Unido está "começando a ver o impacto" das restrições, mas que é "muito cedo" para levantá-las, e pediu às pessoas que fiquem em casa no fim de semana da Páscoa.[154][155] Boris Johnson foi retirado dos cuidados intensivos, mas permaneceu no hospital.[156] Às 20:00 do dia 9 de  abril, o país organizou uma terceira salva de palmas para os funcionários do NHS e outros trabalhadores importantes.[157]

Medidas de distanciamento social sendo respeitadas em supermercado.

Em 10 de abril, o Reino Unido registrou outras 980 mortes, totalizando 8.958. Jonathan Van-Tam, vice-diretor médico da Inglaterra, disse em um jornal que o bloqueio estava "começando a valer a pena", mas o Reino Unido ainda estava em uma "situação perigosa" e, embora os casos em Londres tenham começado a cair, eles ainda estão subindo em Yorkshire e no nordeste.[158] Matt Hancock disse ao Briefing que estava sendo feito um "esforço hercúleo" para garantir entregas diárias de equipamento de proteção individual (EPI) aos trabalhadores da linha de frente, incluindo o estabelecimento de uma indústria de fabricação doméstica para produzir o equipamento. 15 centros drive-through também foram abertos em todo o Reino Unido para testar os funcionários da linha de frente.[159]

Em 11 de abril, o número de mortes registradas aumentou 917, totalizando 9.875. Depois que alguns funcionários do NHS disseram que ainda não dispunham do equipamento de proteção individual correto para tratar os pacientes, a secretária do Interior, Priti Patel, disse que estava "arrependida se as pessoas acham que houve falhas" no fornecimento do kit.[160]

Boris Johnson deixou o hospital no domingo, 12 de abril.[161] Nesse dia, foram relatadas novas 737 mortes, ultrapassando o total de 10 000. Matt Hancock descreveu como um "dia sombrio".[162] Em 13 de abril, foram relatadas 717 mortes, com o total chegando a 11.329. Dominic Raab disse ao Briefing que o governo não esperava fazer mudanças imediatas nas restrições de bloqueio e que o plano do Reino Unido; "está funcionando, mas ainda não estamos superando o pico deste vírus".[163]

Em 14 de abril, foram registradas 778 mortes, elevando o total para 12.107.[164] Nesse dia, dados divulgados pelo Escritório de Estatísticas Nacionais indicavam que o coronavírus havia sido associado a uma em cada cinco mortes durante a semana que terminou em 3 de  abril. Mais de 16.000 mortes no Reino Unido foram registradas até aquela semana.[165] Várias instituições de caridade do Reino Unido, incluindo a Age UK e a Alzheimer's Society, expressaram sua preocupação com o fato de as pessoas mais velhas serem mantidas em casa, enquanto os números oficiais se concentram nas mortes de hospitais, embora não incluam aquelas em casas de repouso ou na casa de uma pessoa. Respondendo a essas preocupações, Therese Coffey, o secretário de Estado do Trabalho e Pensões, disse que os números dos hospitais estão sendo usados porque "é preciso e rápido".[166]

Matt Hancock anunciou novas diretrizes que permitem membros próximos da família visitarem parentes doentes.[167] Naquele dia, o NHS England e a Care Quality Commission começaram a implementar testes para funcionários e residentes de casas de saúde, pois foi relatado que o número de mortes em casas de saúde estava aumentando, mas os números oficiais, que dependem de atestados de óbito, não estavam refletindo toda a extensão do problema. Helen Whately, a Ministra da Assistência Social, disse que o governo estava ciente de que os números estavam sendo subestimados.[168] Também em 15 de abril, Arlene Foster, a Primeira Ministra da Irlanda do Norte, estendeu o período de bloqueio no país até 9 de maio.[169]

Em 16 de abril, Dominic Raab revelou que as restrições de bloqueio continuariam por ao menos mais três semanas, e relaxá-las muito cedo "arriscaria desperdiçar todos os sacrifícios e todo o progresso que foi feito". Ele estabeleceu cinco condições para qualquer flexibilização do bloqueio.[170] Naquele dia, o número de mortes registradas foi de 861, elevando o total para 13.729, enquanto o número de casos do vírus passou de 100 000.[171] Também em 16 de abril, o NHS Nightingale Hospital Birmingham foi oficialmente inaugurado pelo Príncipe William,[172] e a população encenou uma quarta rodada de aplausos para a equipe do NHS e trabalhadores-chave às 20h.[173] Em 17 de abril, foram registradas 847 mortes, elevando o total para 14.576. Matt Hancock confirmou que os testes de coronavírus seriam lançados para cobrir mais funcionários do serviço público, como policiais, bombeiros e funcionários de penitenciárias.[174]

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

Gráfico 1 – Comparativo entre novos casos e mortes
Observações
  • A metodologia para relatar casos positivos foi alterada em 2 de julho de 2020 para remover duplicatas dentro e entre os pilares 1 e 2, garantindo que uma pessoa testado positivo seja contado apenas uma vez. Devido a essa alteração, cerca de 30 302 casos relatados anteriormente foram removidos do total do Reino Unido.[5]
Gráfico 2 – Número de novos casos por dia

SUK>«Coronavirus (COVID-19) in the UK: UK Summary». Public Health England </ref>

Gráfico 3 – Média de novos casos nos últimos sete dias
Gráfico 4 – Número de novos casos por semana
Gráfico 5 – Número de novas mortes

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Nesses dados, não está incluído a morte do cidadão britânico que estava a bordo do navio cruzeiro, Diamond Princess, em 28 de fevereiro. Assim como também, não está incluído a morte de um cidadão britânico nas Ilhas Cayman.[5]
  2. Com base no sistema de saúde da Itália, compartilhando dados semelhantes aos do NHS;[22] e com base nas evidências coletadas, incluindo previsões dos epidemiologistas do Imperial College London.[23]

Referências

  1. «UK Countries». Consultado em 5 de julho de 2020 
  2. «NHS Regions». Consultado em 5 de julho de 2020 
  3. «Coronavirus (COVID-19) in the UK: Cases». Public Health England. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  4. «Coronavirus (COVID-19) in the UK: Deaths». Public Health England. Consultado em 18 de novembro de 2020 
  5. a b c «Coronavirus (COVID-19) in the UK: UK Summary». Public Health England 
  6. a b c d e f g h i j k «Coronavirus (COVID-19): latest information and advice». Gov UK. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 8 de março de 2020 
  7. a b c d Tom Ball, Charlotte Wace (31 de janeiro de 2020). «Hunt for contacts of coronavirus-stricken pair in York». The Times. ISSN 0140-0460. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 4 de fevereiro de 2020 
  8. a b c Peter Russell (3 de fevereiro de 2020). «New Coronavirus: UK Public Health Campaign Launched». Medscape. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 1º de março 2020 
  9. Elisabeth Mahase (22 de janeiro de 2020). «Coronavirus: UK screens direct flights from Wuhan after US case». British Medical Journal. 368. pp. m265. ISSN 1756-1833. doi:10.1136/bmj.m265. Consultado em 19 de março de 2020. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2020 
  10. «Central London Community Healthcare NHS Trust :: Parsons Green drive through swabbing hub for Covid-19». clch.nhs.uk. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  11. «Drive-through coronavirus tests begin in Scotland». BBC News. 28 de fevereiro de 2020. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  12. Nicole Kobie (15 de fevereiro de 2020). «This is how the UK is strengthening its coronavirus defences». Wired. Consultado em 20 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  13. a b «Coronavirus: Latest patient was first to be infected in UK». BBC News. 28 de fevereiro de 2020. ISSN 0307-1235. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 29 de fevereiro de 2020 
  14. a b «Coronavirusin Scotland - gov.scot». Gov Scot. Consultado em 6 de março de 2020. Cópia arquivada em 5 de março de 2020 
  15. Matt Discombe (3 de março de 2020). «National incident over coronavirus allows NHSE to command local resources». Health Service Journal. Consultado em 24 de março de 2020 
  16. a b «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19 – 11 March 2020». World Health Organization. 12 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 11 de março de 2020 
  17. Will Bedingfield (28 de fevereiro de 2020). «Will shutting down UK schools stop coronavirus? It's complicated». Wired. ISSN 1357-0978. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  18. «Coronavirus could spread 'significantly' – PM». BBC News. 2 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 2 de março de 2020 
  19. «UK supermarkets draw up plan to 'feed the nation' as coronavirus spreads». Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  20. «COVID-19: government announces moving out of contain phase and into delay». Gov UK. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 16 de março de 2020 
  21. a b c d «Coronavirus: PM says everyone should avoid office, pubs and travelling». BBC News. 16 de março de 2020. Consultado em 24 março de 2020. Cópia arquivada em 16 de março de 2020 
  22. Remuzzi, Andrea; Remuzzi, Giuseppe (13 de março de 2020). «COVID-19 and Italy: what next?». The Lancet. 0. ISSN 0140-6736. PMID 32178769. doi:10.1016/S0140-6736(20)30627-9. Consultado em 24 de março de 2020 
  23. Equipe do Imperial College responsável pelo COVID-19 (16 de março de 2020). «Impact of non-pharmaceutical interventions (NPIs) to reduce COVID19 mortality and healthcare demand» (PDF). Imperial College London. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 16 de março de 2020 
  24. «Coronavirus: UK schools to close from Friday». BBC News. 18 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada em 18 de março de 2020 
  25. «The Health Protection (Coronavirus, Business Closure) (England) Regulations 2020» (PDF). Consultado em 24 de março de 2020. Cópia arquivada (PDF) em 23 de março de 2020 
  26. «PM announces strict new curbs on life in UK». BBC News. 23 de março de 2020. Consultado em 24 de março de 2020 
  27. Elsevier. «Novel Coronavirus Information Center». Elsevier Connect. Consultado em 12 de abril de 2020. Cópia arquivada em 30 de janeiro de 2020 
  28. Matt Reynolds (4 de março de 2020). «What is coronavirus and how close is it to becoming a pandemic?». Wired. ISSN 1357-0978. Consultado em 12 de abril de 2020. Cópia arquivada em 5 de março de 2020 
  29. a b «Crunching the numbers for coronavirus». Imperial News. Consultado em 12 de abril de 2020. Cópia arquivada em 19 de março de 2020 
  30. a b «High consequence infectious diseases (HCID); Guidance and information about high consequence infectious diseases and their management in England». GOV.UK. Consultado em 12 de abril de 2020. Cópia arquivada em 3 de março de 2020 
  31. «World Federation Of Societies of Anaesthesiologists – Coronavirus». World Federation Of Societies of Anaesthesiologists. Consultado em 12 de abril de 2020. Cópia arquivada em 12 de março de 2020 
  32. Mahase, Elisabeth (22 de janeiro de 2020). «Coronavirus: UK screens direct flights from Wuhan after US case». BMJ (em inglês). 368. ISSN 1756-1833. PMID 31969317. doi:10.1136/bmj.m265 
  33. «Novel coronavirus and avian flu: advice for travel to China» (em inglês) 
  34. Moss, Peter; Barlow, Gavin; Easom, Nicholas et al. (14 de março de 2020). «Lessons for managing high-consequence infections from first COVID-19 cases in the UK». 395 (10227). The Lancet. PMC 7133597Acessível livremente. PMID 32113507. doi:10.1016/S0140-6736(20)30463-3. Consultado em 8 de maio de 2020 
  35. Lillie, Patrick; Samson, Anda; Li, Ang; et al. (28 de fevereiro de 2020). «Novel coronavirus disease (Covid-19): The first two patients in the UK with person to person transmission». Journal of Infection. 0 (5). pp. 600–601. ISSN 0163-4453. PMC 7127394Acessível livremente. PMID 32119884. doi:10.1016/j.jinf.2020.02.020 
  36. a b «Coronavirus: Britons on evacuation flight home from Wuhan - BBC News». 31 de janeiro de 2020 
  37. «Pressure on PM to evacuate Brits from China over killer coronavirus» (em inglês). 27 de janeiro de 2020 
  38. «Too Weak, Too Slow: The UK Government's Dithering Response to the Wuhan Coronavirus Increases the Risk of Major Loss of Life» (em inglês). 25 de janeiro de 2020 
  39. «British mum told to leave son behind in Wuhan». BBC News (em inglês). 30 de janeiro de 2020 
  40. Spiteri, Gianfranco; Fielding, James; Diercke, Michaela; et al. (5 de março de 2020). «First cases of coronavirus disease 2019 (COVID-19) in the WHO European Region, 24 January to 21 February 2020». Eurosurveillance. 25 (9). ISSN 1025-496X. PMC 7068164Acessível livremente. PMID 32156327. doi:10.2807/1560-7917.ES.2020.25.9.2000178. Consultado em 11 de junho de 2020 
  41. Boseley, Sarah; Campbell, Denis; Murphy, Simon (6 de fevereiro de 2020). «First British national to contract coronavirus had been in Singapore». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  42. Mohdin, Kim Willsher Aamna; Madrid, and Sam Jones in (8 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: British nine-year-old in hospital in France». The Observer (em inglês). ISSN 0029-7712 
  43. «COVID-19: guidance for staff in the transport sector» (em inglês) 
  44. a b «Coronavirus closes Brighton GP practice». BBC News (em inglês). 11 de fevereiro de 2020 
  45. «Chief Medical Officer for England announces 4 further coronavirus cases» (em inglês) 
  46. Mahase, Elisabeth (20 de fevereiro de 2020). «Coronavirus: NHS staff get power to keep patients in isolation as UK declares "serious threat"». BJM. 368. PMID 32041792. doi:10.1136/bmj.m550. Consultado em 8 de maio de 2020 
  47. «Ninth coronavirus case found in UK». BBC News (em inglês). 12 de fevereiro de 2020 
  48. «Four new UK coronavirus cases among ship evacuees». BBC News (em inglês). 23 de fevereiro de 2020 
  49. Ewan Somerville, Rebecca Speare-Cole (8 de maio de 2020). «UK Coronavirus LIVE: Britain 'not out of the woods' with outbreak as death toll passes 31,000». London Evening Standard. Consultado em 8 de maio de 2020 
  50. «Coronavirus Ireland: First case of coronavirus confirmed in Northern Ireland in patient who travelled through Dublin from Italy» (em inglês) 
  51. «Three more coronavirus cases confirmed in UK». BBC News (em inglês). 28 de fevereiro de 2020 
  52. «Public Health Wales statement on Novel Coronavirus outbreak - Public Health Wales» 
  53. «Latest information on Novel Coronavirus (COVID-19) - Public Health Wales» 
  54. «Coronavirus: First UK death was a week earlier than thought, NHS data reveals» (em inglês) 
  55. «Three more cases of coronavirus in England». BBC News (em inglês). 29 de fevereiro de 2020 
  56. «Surveillance testing system for Covid-19 begins». BBC News (em inglês). 1 de março de 2020 
  57. Discombe2020-03-05T12:21:00+00:00, Matt. «Medical students and new doctors could be drafted in to fight coronavirus» (em inglês) 
  58. «Scotland confirms first case of coronavirus bringing UK total to 36» (em inglês) 
  59. «Thirteen coronavirus cases take UK total to 36». BBC News (em inglês) 
  60. «Widespread coronavirus in UK 'highly likely'». BBC News (em inglês). 2 de março de 2020 
  61. «Woman in 70s becomes first virus fatality in UK». BBC News (em inglês). 5 de março de 2020 
  62. «Coronavirus: 48 new cases confirmed in UK's biggest daily jump - taking total to 164» (em inglês) 
  63. «Coronavirus cases in UK rise to 206 today» (em inglês). 7 de março de 2020 
  64. Bowman, Verity; Kelly-Linden, Jordan; Team, Global Health Security (8 de março de 2020). «Coronavirus latest news: Man in his sixties becomes third to die in UK». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  65. «Coronavirus updates: three cases confirmed in Dorset and surgery closes» (em inglês) 
  66. «Health minister tests positive for coronavirus». BBC News (em inglês). 11 de março de 2020 
  67. 2020-03-12T04:00:00+00:00. «Daily Insight: Budget day maths» (em inglês) 
  68. «Four new coronavirus cases confirmed in Wales bringing total to 19» (em inglês) 
  69. «WHO Director-General's opening remarks at the media briefing on COVID-19 - 11 March 2020» (em inglês) 
  70. 2020-03-12T04:00:00+00:00. «Daily Insight: Budget day maths» (em inglês) 
  71. «People with fever or cough told to self-isolate». BBC News (em inglês). 12 de março de 2020 
  72. Mahase, Elisabeth (13 de março de 2020). «Covid-19: UK holds off closing schools and restricts testing to people in hospital». BMJ (em inglês). 368. ISSN 1756-1833. PMID 32169967. doi:10.1136/bmj.m1060 
  73. Newey, Sarah; Roberts, Lizzie; Davies, Gareth; Gartner, Annelies; Team, Global Health Security (12 de março de 2020). «Coronavirus: Trump declares national emergency and says rising UK cases may trigger travel ban». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  74. «First Scottish coronavirus death confirmed». BBC News (em inglês). 14 de março de 2020 
  75. «UK bans parallel export and hoarding of three Covid-19 drugs» 
  76. «UK coronavirus deaths double in 24 hours». BBC News (em inglês). 14 de março de 2020 
  77. «Virus isolation for over-70s 'within weeks'». BBC News (em inglês). 15 de março de 2020 
  78. «UK coronavirus death toll rises to 35 and cases of Covid-19 hits 1,372 as elderly face four months of self-isolation» (em inglês) 
  79. «First coronavirus death in Wales confirmed». BBC News (em inglês). 16 de março de 2020 
  80. «Second MP diagnosed with coronavirus». BBC News (em inglês). 16 de março de 2020 
  81. «Labour MP is second to test positive for coronavirus» (em inglês). 16 de março de 2020 
  82. «Coronavirus: Labour MP Kate Osborne reveals she is infected with call to 'band together'» (em inglês) 
  83. «Labour's Kate Osborne becomes second MP to test positive for coronavirus» (em inglês). 17 de março de 2020 
  84. «£350bn to help UK firms, while operations delayed». BBC News (em inglês). 17 de março de 2020 
  85. Andrew Sparrow (17 de março de 2020). «Coronavirus UK: £330bn of business loans made available as PM says school closures 'under continuous review' – as it happened». The Guardian. Consultado em 5 de maio de 2020 
  86. «Chancellor unveils £350bn lifeline for economy». BBC News (em inglês). 17 de março de 2020 
  87. «UK coronavirus death toll rises to 71» (em inglês). 17 de março de 2020 
  88. «Coronavirus: London worst affected by outbreak - 621 cases, 25 deaths» (em inglês) 
  89. a b Faleiro, Sonia (21 de março de 2020). «How do you self-isolate when you live on the street?» 
  90. «MP with coronavirus calls for more tests». BBC News (em inglês). 18 de março de 2020 
  91. «First coronavirus death in Northern Ireland» (em inglês) 
  92. «Military stands up COVID Support Force» (em inglês) 
  93. «Coronavirus: Up to 20,000 troops on standby to help deal with COVID-19 outbreak» (em inglês) 
  94. Mendick, Robert (20 de março de 2020). «Boris Johnson announces 'extraordinary' closure of UK's pubs and restaurants in coronavirus shutdown». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  95. O’Toole, Fintan (11 de abril de 2020). «Coronavirus has exposed the myth of British exceptionalism | Fintan O'Toole». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  96. «Coronavirus: driving tests» (em inglês) 
  97. Braithwaite-Smith, Gavin (23 de março de 2020). «Driving tests CANCELLED due to coronavirus» (em inglês) 
  98. «Tougher measures warning if virus advice ignored». BBC News (em inglês). 22 de março de 2020 
  99. Reporters, Marketing Week (20 de março de 2020). «Morrisons, Next, coronavirus: 5 things that mattered this week and why» (em inglês) 
  100. Wood, Zoe; Butler, Sarah; Kollewe, Julia (19 de março de 2020). «Next warns of unprecedented high street crisis over coronavirus». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  101. «Dominic Raab to become acting PM if Boris Johnson incapacitated due to coronavirus» (em inglês). 23 de março de 2020 
  102. a b «Strict new curbs on life in UK announced by PM». BBC News (em inglês). 24 de março de 2020 
  103. «Police can issue 'unlimited fines' to those flouting coronavirus social distancing rules, says Health Secretary» (em inglês) 
  104. «Boris Johnson's address to the nation in full». The Guardian (em inglês). 23 de março de 2020. ISSN 0261-3077 
  105. «Closing certain businesses and venues» (em inglês) 
  106. «FMQs cancelled as Holyrood chamber shuts for a week». BBC News (em inglês). 24 de março de 2020 
  107. «Plenary meetings continue, but Senedd buildings will stay closed until June» (em inglês) 
  108. «Assembly Business and Covid-19» (em inglês) 
  109. «UK Parliament shuts down for a month». BBC News (em inglês). 26 de março de 2020 
  110. Syal, Rajeev (1 de abril de 2020). «UK to set up virtual parliament during coronavirus shutdown». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  111. Schraer, Rachel (24 de março de 2020). «ExCeL Centre to be used as coronavirus hospital». BBC News (em inglês) 
  112. «Principality Stadium could be used by NHS Wales to tackle coronavirus outbreak» (em inglês) 
  113. «NHS field hospital plans for Scotland». BBC News (em inglês). 26 de março de 2020 
  114. «Plans for field hospitals for coronavirus patients in NI». belfasttelegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  115. «Two more UK facilities to be converted into 'NHS Nightingale' coronavirus hospitals» (em inglês) 
  116. «UK coronavirus death toll jumps to 422 after biggest daily increase» (em inglês) 
  117. Walker, Shaun (25 de março de 2020). «British diplomat dies of coronavirus in Hungary». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  118. Police, Vikram Dodd; correspondent, crime (25 de março de 2020). «England: police to get power to use force to impose coronavirus lockdown». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  119. a b Lyons, Izzy; Ward, Victoria; Johnson, Jamie; Horton, Helena (14 de abril de 2020). «These are the health workers who have died from coronavirus». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  120. «UK virus deaths rise by more than 100 in a day». BBC News (em inglês). 26 de março de 2020 
  121. Bowman, Verity (27 de março de 2020). «Clap For Our Carers: How Britons thanked NHS with nationwide round of applause». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235 
  122. «As it happened: New York City tells residents to wear facemasks» (em inglês) 
  123. «Boris Johnson tests positive for coronavirus». BBC News (em inglês). 27 de março de 2020 
  124. «Coronavirus strikes heart of Government as PM and health secretary test positive» (em inglês). 27 de março de 2020 
  125. «North West MP Angela Rayner says she is self-isolating» (em inglês) 
  126. «Coronavirus: Chief medical officer Chris Whitty self-isolates with symptoms» (em inglês) 
  127. «UK coronavirus death toll rises to 759» (em inglês). 27 de março de 2020 
  128. «UK's Royal Mint making coronavirus protective gear for health staff». Reuters (em inglês). 27 de março de 2020 
  129. «Royal Mint makes medical visors to help protect NHS staff from coronavirus» (em inglês) 
  130. «Police issue first fines for breach of coronavirus lockdown rules as visitors warned off tourist hotspots» (em inglês) 
  131. «Coronavirus: Scottish Secretary Alister Jack self-isolating after showing symptoms» (em inglês) 
  132. «Number of UK coronavirus deaths rises above 1,000». BBC News (em inglês). 28 de março de 2020 
  133. «New NI Covid-19 regulations come into force». BBC News (em inglês). 28 de março de 2020 
  134. «Northern Ireland imposes fines up to £5,000 for those breaching social distancing rules» (em inglês) 
  135. «Things to get worse before getting better, PM says». BBC News (em inglês). 29 de março de 2020 
  136. «Six months before UK life 'returns to normal'». BBC News (em inglês). 29 de março de 2020 
  137. Syal, Rajeev (30 de março de 2020). «Dominic Cummings self-isolates after experiencing coronavirus symptoms». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  138. Roberts, Michelle (30 de março de 2020). «UK coronavirus measures 'making a difference'». BBC News (em inglês) 
  139. «Rescue flights for stranded Britons». BBC News (em inglês). 30 de março de 2020 
  140. «13-year-old boy dies with coronavirus». BBC News (em inglês). 31 de março de 2020 
  141. a b «PM vows more virus tests as UK deaths exceed 2,000». BBC News (em inglês). 1 de abril de 2020 
  142. «Robert Peston: Is Michael Gove right that there is a shortage of coronavirus test kit ingredients?» (em inglês) 
  143. «Hancock aims for 100,000 tests a day by May». BBC News (em inglês). 2 de abril de 2020 
  144. «Clap for Carers: UK applauds key workers» (em inglês) 
  145. «Staying at home this weekend 'not a request'». BBC News (em inglês). 3 de abril de 2020 
  146. «Five-year-old child becomes youngest known coronavirus victim as people are urged to stay home» (em inglês) 
  147. «Boris Johnson in hospital over virus symptoms». BBC News (em inglês). 6 de abril de 2020 
  148. «Calderwood resigns over coronavirus lockdown trips». BBC News (em inglês). 6 de abril de 2020 
  149. «Prime Minister Boris Johnson given 'oxygen support' in intensive care» (em inglês) 
  150. «UK cases 'could be moving in the right direction'». BBC News (em inglês). 7 de abril de 2020 
  151. «UK coronavirus cases not accelerating but too early to call a peak - chief science adviser». Reuters (em inglês). 7 de abril de 2020 
  152. «Coronavirus lockdown in Wales to be extended». BBC News (em inglês). 8 de abril de 2020 
  153. «PM's condition 'improving' in intensive care». BBC News (em inglês). 8 de abril de 2020 
  154. «Raab urges UK public not to ruin lockdown progress». BBC News (em inglês). 9 de abril de 2020 
  155. «Easter warnings from police, parks and councils». BBC News (em inglês). 9 de abril de 2020 
  156. «PM out of intensive care but remains in hospital». BBC News (em inglês). 9 de abril de 2020 
  157. «Nation applauds NHS workers fighting coronavirus for third week running» (em inglês). 9 de abril de 2020 
  158. «Number of people in hospital beds in London drops» (em inglês). 10 de abril de 2020 
  159. «'Herculean effort' to provide NHS protective gear». BBC News (em inglês). 11 de abril de 2020 
  160. «917 new coronavirus deaths as UK told to stay home». BBC News (em inglês). 11 de abril de 2020 
  161. editor, Rowena Mason Deputy political (12 de abril de 2020). «Boris Johnson leaves hospital as he continues recovery from coronavirus». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  162. «'Sombre day' as UK coronavirus deaths top 10,000». BBC News (em inglês). 12 de abril de 2020 
  163. «'Don't expect changes to UK virus lockdown yet'». BBC News (em inglês). 13 de abril de 2020 
  164. «Coronavirus death toll in UK increases by 778 bringing total to 12,107». ITV News (em inglês). 14 de abril de 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  165. Triggle, Nick (14 de abril de 2020). «One in five deaths now linked to coronavirus». BBC News (em inglês) 
  166. «Elderly being 'airbrushed' out of virus figures». BBC News (em inglês). 14 de abril de 2020 
  167. «Close family to be allowed coronavirus goodbyes». BBC News (em inglês). 15 de abril de 2020 
  168. correspondent, Robert Booth Social affairs (15 de abril de 2020). «Care homes in England say coronavirus death toll has risen to 1,400». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077 
  169. McCormack, Jayne (15 de abril de 2020). «Three-week extension to NI coronavirus lockdown». BBC News (em inglês) 
  170. «UK lockdown extended for 'at least' three weeks». BBC News (em inglês). 16 de abril de 2020 
  171. «Coronavirus: UK death toll rises by 861 to 13,729». The National (em inglês). Consultado em 8 de agosto de 2020 
  172. «Nightingale hospital 'example of pulling together'». BBC News (em inglês). 16 de abril de 2020 
  173. «UK thanks key coronavirus workers in nationwide Clap For Our Carers». ITV News (em inglês). 16 de abril de 2020. Consultado em 8 de agosto de 2020 
  174. «Virus tests expanded to more public service staff». BBC News (em inglês). 17 de abril de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Pandemia de COVID-19 no Reino Unido