Pandemia de COVID-19 na Escócia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pandemia de COVID-19 em 2020 na Escócia
Doença COVID-19
Vírus SARS-CoV-2
Origem Itália
Local Escócia
Período 1 de março de 2020
(5 meses e 9 dias)
Estatísticas globais
Casos confirmados 18 373
Mortes 2 490

Este artigo documenta os impactos da pandemia de COVID-19 na Escócia e pode não incluir todas as principais respostas e medidas contemporâneas.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Março de 2020[editar | editar código-fonte]

O primeiro caso foi confirmado em 1º de março, um morador de Tayside que havia viajado recentemente para a Itália.[1] Mais dois casos foram confirmados em 4 de março.[2][3] Três outros casos foram confirmados em 5 de março.[4] Em 6 de março, o número de casos confirmados havia aumentado para 11.[5][6] Em 13 de março, foi confirmada a primeira morte por COVID-19 na Escócia, de um paciente idoso com condições de saúde subjacentes.[7] Até 16 de março, foram confirmados 171 casos.[8]

Em 24 de março, o número de mortes chegou a 16.[9] Em 25 de março, o Primeiro Ministro confirmou que o Governo Escocês estabeleceu um grupo consultivo COVID-19 para complementar os conselhos que estava recebendo do Grupo Consultivo Científico para Emergências do Reino Unido.[10] Em 26 de março, 25 mortes foram relatadas.[11]

Abril de 2020[editar | editar código-fonte]

Em 6 de abril de 2020, a Lei 2020 de Coronavírus (Escócia), que foi introduzida como projeto de lei de emergência no Parlamento escocês em 31 de março de 2020, ganhou Royal Assent, tornando-se lei.[12] Em 19 de abril, o país chegou aos 8 mil casos confirmados.[13]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre epidemias é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.