Pelo Telefone

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Pelo telefone)
Ir para: navegação, pesquisa
"Pelo Telefone"
Single de Baiano
Lado A Pelo Telefone
Lançamento 20 de janeiro de 1917 (100 anos)[1][2]
Formato(s) 78 RPM
Gravação 1917
Gênero(s) Samba
Duração 4:03
Gravadora(s) Casa Edison através do selo Odeon Records[1]
Composição Donga e Mauro de Almeida

Pelo Telefone[nota 1] é considerado o primeiro samba a ser gravado no Brasil segundo a maioria dos autores, a partir dos registros existentes na Biblioteca Nacional.[3][4]

Composição de Ernesto dos Santos, mais conhecido como Donga, e do jornalista Mauro de Almeida. Foi registrada em 27 de novembro de 1916 [5] [6] como sendo de autoria apenas de Donga, que mais tarde incluiu Mauro como parceiro [7]. Foi concebida em um famoso terreiro de candomblé daqueles tempos, a casa da Tia Ciata, frequentada por grandes músicos da época.[1] Por ter sido um grande sucesso e devido ao fato de ter nascido em uma roda de samba, de improvisações e criações conjuntas, vários foram os músicos que reivindicaram a autoria da composição. [8]

História[editar | editar código-fonte]

"Pelo Telefone", composição de Donga (Ernesto Joaquim Maria dos Santos), é considerado o primeiro samba a ser gravado no Brasil. Disponível no Acervo de Música e Arquivo Sonoro da Biblioteca Nacional.

Problemas para escutar este arquivo? Veja a ajuda.

A canção foi composta em 1916, no quintal da casa da Tia Ciata, na Praça Onze. A melodia, originalmente, intitulava-se Roceiro e foi uma criação coletiva, com participação de João da Baiana, Pixinguinha, Caninha, Hilário Jovino Ferreira e Sinhô, entre outros. [8]

A letra original da canção, que era “O chefe da folia/ Pelo telefone / Mandou me avisar / Que com alegria / Não se questione / Para se brincar”, foi alterada para a versão mais conhecida hoje em dia, "O Chefe da Polícia / Pelo telefone/ Manda me avisar/ Que na Carioca / Tem uma roleta/ Para se jogar". [9] Segundo depoimento de Donga para o Museu da Imagem e do som (MIS), “O Chefe da Polícia… foi uma paródia feita pelos jornalistas de A Noite”. Repórteres do jornal tinham, em 1913, posto uma roleta no Largo da Carioca, para demonstrar a tolerância da polícia com o jogo. [10] Em abril de 1913, o chefe de polícia do Rio de Janeiro havia declarado que o jogo permaneceria liberado “até que o governo resolvesse o contrário". Henrique Foréis Domingues, o Almirante, em matéria no jornal O Dia, em 13 de fevereiro de 1972, também confirma essa versão: “alguém lá na redação de “A Noite”, inspirando-se nos episódios em questão, criou a famosa paródia”. [10]

Existem controvérsias quanto à autoria e quanto à data da composição Segundo alguns, a canção teria sido composta em 1916, no quintal da casa da Tia Ciata, na Praça Onze. A melodia, originalmente, intitulava-se Roceiro e foi uma criação coletiva, com participação de João da Baiana, Pixinguinha, Caninha, Hilário Jovino Ferreira e Sinhô, entre outros. [8]. O Jornal do Brasil, em 4 de fevereiro de 1917, publicou uma nota do Grêmio Fala Gente comunicando que “o verdadeiro tango Pelo Telefone”, dos autores: João da Mata, Germano, Tia Ciata e Hilário, seria cantado na Avenida Rio Branco, dedicado “ao bom e lembrado amigo Mauro”. [11] O próprio Almirante acusou Donga de se ter apropriado de uma criação coletiva. Donga respondeu que as músicas eram diferentes. Mas concordou que não foi o autor da letra de Pelo Telefone, que é de Mauro de Almeida. Culpou a gravadora por ter omitido o nome do parceiro. “A omissão do nome de Mauro na gravação da Casa Edison não pode ser atribuída a mim”, disse. [12]


Alt Telefon.jpg

Notas

  1. Na grafia da época, Pelo telephone.

Referências

  1. a b c AMARAL, Euclides. Alguns Aspectos da MPB. Rio de Janeiro: Editora Esteio, 2010. ISBN : 0000177121.
  2. SILVA, Flávio. Pelo Telefone, e a história do samba. Brasília: Revista Cultura, ano 8, n. 20, jan./jun., 1978.
  3. PICCINO, Evaldo. Um breve histórico dos suportes sonoros analógicos. Sonora. São Paulo:Universidade Estadual de Campinas / Instituto de Artes, vol. 1, n. 2, 2003.
  4. NAPOLITANO, Marcos. História & Música: História cultural da música popular. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2002.
  5. Renê Fraga (27 de novembro de 2016). «Google celebra 100º aniversário do primeiro samba, "Pelo Telefone"». Google Discovery. Consultado em 27 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2016 
  6. Igor Ricardo (27 de novembro de 2016). «Considerado o primeiro samba de sucesso, 'Pelo telefone' completa cem anos». Extra. Consultado em 27 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 27 de novembro de 2016 
  7. «Polêmica marca o surgimento do primeiro samba». Almanaque Brasil [ligação inativa] 
  8. a b c «Pelo telefone». Brasileirinho [ligação inativa] 
  9. «"Pelo Telefone": um centenário de controvérsias do primeiro samba gravado no País». Brasileiros / Terra. 27 de novembro de 2016. Consultado em 28 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2016 
  10. a b Jairo Severiano (2015). «Lá na Carioca tem uma roleta para se jogar». Musica Brasilis. Consultado em 28 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2016 
  11. Renato Vivacqua (24 de julho de 2015). «Um telefone que deu o que falar». História da MPB. Consultado em 28 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2016 
  12. «Pelo Telefone : um centenário de controvérsias do primeiro samba gravado no País». Jornal Floripa + Renato Vivacqua. Consultado em 28 de novembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre uma canção é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.