Pixinguinha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Pixinguinha
Informação geral
Nome completo Alfredo da Rocha Viana Filho
Também conhecido(a) como Pizinguim, Bexiguinha, Pixinguinha
Nascimento 23 de abril de 1897
Origem Rio de Janeiro
País  Brasil
Data de morte 17 de fevereiro de 1973 (75 anos)
Gênero(s) Choro
Maxixe
Samba
Valsa
Instrumento(s) Saxofone
Flauta
Período em atividade 1911-1972
Gravadora(s) Odeon
RCA Victor
Sinter
Musidisc
Afiliação(ões) Choro Carioca
Grupo do Caxangá
Oito Batutas
Orquestra Típica Pixinguinha-Donga
Orquestra Victor Brasileira
Grupo da Guarda Velha
Orquestra Columbia de Pixinguinha
Diabos do Céu
Os Cinco Companheiros

Alfredo da Rocha Vianna Filho, conhecido como Pixinguinha (Rio de Janeiro, 23 de abril de 1897 — Rio de Janeiro, 17 de fevereiro de 1973), foi um flautista, saxofonista, compositor e arranjador brasileiro.

Pixinguinha é considerado um dos maiores compositores da música popular brasileira, contribuiu diretamente para que o choro encontrasse uma forma musical definitiva.

Era filho do músico Alfredo da Rocha Vianna, funcionário dos correios, flautista e que possuía uma grande coleção de partituras de choros antigos.[1] Pixinguinha aprendeu música em casa, fazendo parte de uma família com vários irmãos músicos, entre eles o China (Otávio Vianna). Foi ele quem obteve o primeiro emprego para o garoto, que começou a atuar em 1912 em cabarés da Lapa e depois substituiu o flautista titular na orquestra da sala de projeção do Cine Rio Branco. Nos anos seguintes continuou atuando em salas de cinema, ranchos carnavalescos, casas noturnas e no teatro de revista.

Pixinguinha integrou o famoso grupo Caxangá, com Donga e João Pernambuco. A partir deste grupo, foi formado o conjunto Oito batutas, muito ativo a partir de 1919. Na década de 1930 foi contratado como arranjador pela gravadora RCA Victor, criando arranjos celebrizados na voz de cantores como Francisco Alves ou Mário Reis. No fim da década foi substituído na função por Radamés Gnattali. Na década de 1940 passou a integrar o regional de Benedito Lacerda, passando a tocar o saxofone tenor. Algumas de suas principais obras foram registradas em parceria com o líder do conjunto, mas hoje se sabe que Benedito Lacerda não era o compositor, mas pagava pelas parcerias.

Quando compôs "Carinhoso", entre 1916 e 1917 e "Lamentos" em 1928, que são considerados alguns dos choros mais famosos, Pixinguinha foi criticado e essas composições foram consideradas como tendo uma inaceitável influência do jazz, enquanto hoje em dia podem ser vistas como avançadas demais para a época. Além disso, "Carinhoso" na época não foi considerado choro, e sim uma polca.[carece de fontes?] Outras composições, entre centenas, são "Rosa", "Vou vivendo", "Lamentos", "1 x 0", "Naquele tempo" e "Sofres porque Queres".

No dia 23 de abril comemora-se o Dia Nacional do Choro, trata-se de uma homenagem ao nascimento de Pixinguinha. A data foi criada oficialmente em 4 de setembro de 2000, quando foi sancionada lei originada por iniciativa do bandolinista Hamilton de Holanda e seus alunos da Escola de Choro Raphael Rabello.

Pixinguinha morreu na igreja de Nossa Senhora da Paz, em Ipanema, quando seria padrinho em uma cerimônia de batismo. Foi enterrado no Cemitério de Inhaúma.

Composições[editar | editar código-fonte]

O Urubu e o Gavião
Gravação de 1930 com Pixinguinha na flauta.

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.
Sofres porque queres
Gravação de 1919 com Pixinguinha na flauta (composição de Pixinguinha).

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.
Atraente
Choro "Atraente", de Chiquinha Gonzaga, gravação com Pixinguinha no saxofone e Benedito Lacerda na flauta

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.
Aguenta, Seu Fulgêncio
Choro "Aguenta, Seu Fulgêncio", de Lourenço Lamartine, gravação com Pixinguinha na flauta

Problemas para escutar este arquivo? Veja introdução à mídia.
  • A pombinha (com Donga)
  • A vida é um buraco
  • Aberlado
  • Abraçando Jacaré
  • Aguenta, seu Fulgêncio (com Lourenço Lamartine)
  • Ai, eu queria (com Vidraça)
  • Ainda existe
  • Ainda me Recordo
  • Amigo do povo
  • Assim é que é
  • Benguelê
  • Bianca (com Andreoni)
  • Buquê de flores (com W. Falcão)
  • Cafezal em flor (com Eugênio Fonseca)
  • Carinhos
  • Carinhoso (com João de Barro)
  • Carnavá tá aí (com Josué de Barros)
  • Casado na orgia (com João da Baiana)
  • Casamento do coronel Cristino
  • Céu do Brasil (com Gomes Filho)
  • Chorei
  • Chorinho no parque São Jorge (com Salgado Filho)
  • Cochichando (com João de Barro e Alberto Ribeiro)
  • Conversa de crioulo (com Donga e João de Baiana)
  • Dança dos ursos
  • Dando topada
  • Desprezado
  • Displicente
  • Dominante
  • Dominó
  • Encantadora
  • Estou voltando
  • Eu sou gozado assim
  • Fala baixinho (com Hermínio Bello de Carvalho)
  • Festa de branco (com Baiano)
  • Foi muamba (com Índio)
  • Fonte abandonada (com Índio)
  • Fraternidade
  • Gargalhada
  • Gavião calçudo (com Cícero de Almeida)
  • Glória
  • Guiomar (com Baiano)
  • Há! hu! lá! ho! (com Donga e João da Baiana)
  • Harmonia das flores (com Hermínio Bello de Carvalho)
  • Hino a Ramos
  • Infantil
  • Iolanda
  • Isso é que é viver (com Hermínio Bello de Carvalho)
  • Isto não se faz (com Hermínio Bello de Carvalho)
  • Já andei (com Donga e João da Baiana)
  • Já te digo (com China)
  • Jardim de Ilara (com C. M. Costal)
  • Knock-out
  • Lamento
  • Lamentos (com Vinícius de Moraes)
  • Lá-ré
  • Leonor
  • Levante, meu nego
  • Lusitânia (com F. G. D. )
  • Mais quinze dias
  • Mama, meu netinho (com Jararaca)
  • Mamãe Isabé (com João da Baiana)
  • Marreco quer água
  • Meu coração não te quer (com E. Almeida)
  • Mi tristezas solo iloro
  • Mulata baiana (com Gastão Vianna)
  • Mulher boêmia
  • Mundo melhor (com Vinícius de Moraes)
  • Não gostei dos teus olhos (com João da Baiana)
  • Não posso mais
  • Naquele tempo (com Benedito Lacerda e Reginaldo Bessa)
  • Nasci pra domador (com Valfrido Silva)
  • No elevador
  • Noite e dia (com W. Falcão)
  • Nostalgia ao luar
  • Número um
  • O meu conselho
  • Os batutas (com Duque)
  • Os cinco companheiros
  • Os home implica comigo (com Carmen Miranda)
  • Onde foi Isabé
  • Oscarina
  • Paciente
  • Página de dor (com Índio)
  • Papagaio sabido (com C. Araújo)
  • Patrão, prenda seu gado (com Donga e João da Baiana)
  • Pé de mulata
  • Poema de raça (com Z. Reis e Benedito Lacerda)
  • Poética
  • Por vôce fiz o que pude (com Beltrão)
  • Pretensiosa
  • Promessa
  • Que perigo
  • Que querê (com Donga e João da Baiana)
  • Quem foi que disse
  • Raiado (com Gastão Vianna)
  • Rancho abandonado (com Índio)
  • Recordando
  • Rosa (com Otávio de Sousa)
  • Rosa
  • Samba de fato (com Baiano)
  • Samba de nego
  • Samba do urubu
  • Samba fúnebre (com Vinícius de Moraes)
  • Samba na areia
  • Sapequinha
  • Saudade do cavaquinho (com Muraro)
  • Seresteiro
  • Sofres porque queres
  • Solidão
  • Sonho da Índia (com N. N. e Duque)
  • Stella (com de Castro e Sousa)
  • Teu aniversário
  • Teus ciúmes
  • Triangular
  • Tristezas não pagam dívidas
  • Um a zero (com Benedito Lacerda)
  • Um caso perdido
  • Uma festa de Nanã (com Gastão Vianna) * Urubu
  • Vamos brincar
  • Variações sobre o urubu e o gavião
  • Vem cá! não vou!
  • Vi o pombo gemê (com Donga e João da Baiana)
  • Você é bamba (com Baiano)
  • Você não deve beber (com Manuel Ribeiro)
  • Vou pra casa
  • Xou Kuringa (com Donga e João da Baiana)
  • Yaô africano (com Gastão Vianna)
  • Zé Barbino (com Jararaca)
  • Proezas de Solon
  • Vou Vivendo

Referências[editar | editar código-fonte]

  • "Pixinguinha" in ENCICLOPÉDIA da Música Brasileira: erudita, folclórica e popular. 2ª edição. São Paulo: Publifolha, 1998. p. 633-636.

Referências

  1. ENCICLOPÉDIA, p. 633

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]