Brasílio Itiberê da Cunha Luz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Brasílio Itiberê da Cunha Luz
Retrato de Brasílio Itiberê da Cunha Luz.
Informação geral
Nome completo Brasílio Itiberê da Cunha Ferreira Luz
Também conhecido(a) como Brasílio Itiberê II
Nascimento 17 de maio de 1896
Origem Curitiba, Paraná
País Flag of Brazil (1889-1960).svg Brasil
Data de morte 10 de dezembro de 1967 (71 anos)
Local de morte Rio de Janeiro, Rio de Janeiro
Gênero(s) música erudita
Ocupação(ões) compositor, escritor

Brasílio Itiberê da Cunha Ferreira Luz, também conhecido como Brasílio Itiberê II (Curitiba, 17 de maio de 1896 - Rio de Janeiro, 10 de dezembro de 1967) foi um folclorista, músico e escritor brasileiro. Era sobrinho de Brasílio Itiberê da Cunha, João Itiberê da Cunha e do Monsenhor Celso Itiberê da Cunha.[1].

Morando no Rio de Janeiro, onde transferiu residência para cursar Engenharia Civil, participou de movimentos literários na então capital brasileira e ajudou a fundar a Revista Festa (revista modernista) e com os conselhos de Villa-Lobos e Pixinguinha, abandonou a engenharia para dedicar-se a música[2].

Foi professor de folclore no Instituto de Artes da antiga Universidade do Distrito Federal e do Conservatório Nacional de Canto Orfeônico. Na Revista Festa, escreveu alguns dos mais significativos contos do modernismo brasileiro[3].

Entre suas mais conhecidas composições, podemos citar: Suíte Litúrgica Negra, Trio nº1, Oração da Noite, O Canto Absoluto, Estâncias, Epigrama.

Como prosador e poeta, escreveu: Ora Vejam Só, Seu Jujuba...(1963); Mangueira, Montmartre e Outras Favelas - Viagens e Várias Histórias (1970).

Obras de Brasílio Itiberê da Cunha Luz[editar | editar código-fonte]

  • Invenção nº 1, 1934
  • Poema para Klavier, 1936
  • Seis Estudos, 1936
  • Ponteio para São João, 1938
  • Cordão de Prata, 1939
  • Suíte Litúrgica Negra para Klavier, 1939
  • A Infinita Vigília para Coro, 1941
  • O Cravo Tropical para Klavier, 1944
  • Introdução e allegro, 1945
  • Duplo Quinteto, 1946
  • O Canto Absoluto para Coro, 1947
  • A Dor, meu Senhor para Coro
  • Contemplação para Coro
  • Rito do Irmão Pequeno para Coro
  • Oração da Noite para Coro
  • Invocação para Klavier
  • Canto e Dança Suite para Klavier
  • Toccata para Klavier
  • Quarteto de Cordas número 1
  • Trio número 1
  • Introdução e Allegro para Flöte, Klavier e Streichquartettsexteto
  • Epigrama para Coro
  • Prelúdio Vivaz para Orquestra
  • Salmo 150 para Coro e Orquestra

Referências

  1. Brasílio Itiberê da Cunha Luz, o Brasílio Itiberê II Universidade Federal de Campina Grande (site consultado em 9 de setembro de 2011)
  2. Itiberê, Brasílio Ferreira da Cunha Luz CP Musical (site consultado em 9 de setembro de 2011)
  3. Itiberê, Cartola e outros tempos Site Am@r Sombras (site consultado em 9 de setembro de 2011)

Referências bibliograficas[editar | editar código-fonte]

  • MURICY, José Candido de A. Panorama do Conto Paranaense. Curitiba: Fundação Cultural de Curitiba, 1979.
  • Revista Festa, 1° fase, n° 5: 1928.
Portal A Wikipédia possui o
Portal da Música Erudita