Leopoldo Miguez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Leopoldo Miguez
Nascimento 9 de setembro de 1852
Niterói
Morte 6 de julho de 1902 (49 anos)
Rio de Janeiro
Cidadania Brasil
Ocupação compositor, violinista, maestro

Leopoldo Américo Miguez (Niterói, 9 de setembro de 1850Rio de Janeiro, 6 de junho de 1902) foi um compositor, violinista e maestro brasileiro.[1] Era tio do letrista e poeta Luís Peixoto.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de pai espanhol e mãe brasileira, aos oito anos tocou no Porto - onde se educava - em concerto público, um solo de violino composto sobre motivos de La Traviata por seu maestro Nicolau Medina Ribas. Aos dezessete anos foi obrigado pelo pai a abraçar a carreira comercial. Em 1871 voltou ao Rio, onde trabalhou como guarda-livros. Seis anos depois casou-se com Alice Dantas, senhorita da elite brasileira, que pertencia a uma das famílias mais nobres de São Paulo. Em 1878 associou-se a Alfredo Napoleão, dirigindo um estabelecimento de músicas, do qual se retirou em 1881 para se consagrar exclusivamente à sua arte. Em 1882, foi para Paris onde passou dois anos. Ao regressar, foi, no Rio e em São Paulo, regente da ópera organizada pela Sociedade Claudio Rossi (abril a junho de 1886).

Em dezembro de 1889 teve sua composição escolhida no concurso para o Hino da República. Foi então então diretor do Instituto Nacional de Música, a 18 de janeiro de 1890.

O prêmio de Cr$ 25.000,00 que então recebeu, consagrou-o à aquisição de um grande órgão para o Instituto. Ocupou a cadeira de composição durante seis anos(1896), abandonando-a par dirigir o curso de violino. Em 1896, foi, comissionado pelo Governo, a estudar o ensino da música em Portugal, Espanha, França, Bélgica, Alemanha e Itália. Presidiu desde 1897 ao Centro Artístico, sociedade que exerceu grande influência no meio musical.

Além de compositor inspirado e regente de belas qualidades, foi um administrador de primeira ordem, imprimindo ao Instituto Nacional de Música, que organizara, um espírito e disciplina admiráveis.

Sua obra numerosa compreende: Op. I Presentiment; Op. 20 Souvenirs, Noturno, Mazurka, Scherzetto e Lamento; Op. 31 & 32 Bluetts Album de Jeunesse e Op. 33 Srenda e 34 Morceaux Lyrïqus, todas estas para piano. Para orquestra: Marcha Nupcial, Marcha elegíaca e Camões, Ode fúnebre a Benjamin Constant, Syvia-Elegía, Suite a l'antique, Madrigal, Scena, Liberates, Prometeu, Sinfônicos. Para o tearo: Pelo amor, 2 atos, e Saldunes, 3 atos, ambos poemas de Coelho Netto.

Obras principais[editar | editar código-fonte]

  • Música dramática: Pelo amor!; I Salduni (Os Saldunes).
  • Música orquestral: Sinfonia em si bemol (1882); Parisina (1888); Ave libertas (1890); Prometheus (1891); Marcha elegíaca a Camões (1880). Marcha nupcial (1876); Hino à Proclamação da República (1890).
  • Música de câmara: Silvia; Suite à l’antique (1893); Trio; Sonata para violino e piano
  • Música Instrumental: Allegro appassionato; Noturno; Reina a paz em Varsóvia; Noturno para contrabaixo e piano.
  • Música vocal: Branca aurora; Le Palmier du Brésil; A Instrução.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um músico é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.