Cosme Delgado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Esta página contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde junho de 2013)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde junho de 2013).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.

Cosme Delgado,ou Pe Cosme Delgado, (Cartaxo ca. 1530 - Évora 17-09-1596), compositor português.

Vida[editar | editar código-fonte]

Cosme Delgado (Cartaxo c. 1530 - Évora 17-09-1596) foi um compositor português do Renascimento.

Nasceu no Cartaxo tendo na sua menoridade ingressado provavelmente no convento franciscano local, denominado do Espírito Santo.

Posteriormente deslocou-se para Évora. Aí, como bacharel da Sé Catedral, foi um exímio cantor, conhecendo-se um sumptuso elogio do cabido da Sé, do então D. Teotónio de Bragança: "e tem elle neste officio de musica tantas partes de que Nosso Senhor o dotou que por boa voz e habilidade parece que ainda que delle fora merecido e escusaren de tal por sua Rara habilidade e voz boase podia bem exceptuar de todos, /.../".

Foi Mestre de capela da mesma Sé por mais de 30 anos, onde foi um renomado compositor e professor.

Instruiu as primeiras gerações de música polifónica da chamada Escola de Évora, da qual, o mais importante de seus alunos foi Manuel Mendes, que é significativamente o primeiro nome desta plêiede de renomados compositores de Polifonia portuguesa, nos quais se seguirão Fr. Manuel Cardoso, Duarte Lobo, e Filipe de Magalhães.

Composições[editar | editar código-fonte]

As suas obras incluem missas, motetes, e lamentações a 4, 8 e 12 vozes; e um ensaio teórico ou Manual de Música em três partes. Na sua morte, as suas composições foram legados por si, em testamento, ao Convento do Espinheiro dos Religiosos de São Jerónimo em Évora. Destas obras constavam Missas, Motetes, Lamentações segundo nos diz o Licenciado Francisco Galvão Maldonado nas suas Memórias que reuniu para a 'Biblioteca Portuguesa'. Entre estas obras estava também um 'Manual de Música' em três partes. Devido à Extinção das Ordens Religiosas em Portugal (ou Secularização), em 1834, desconhece-se hoje o paradeiro das suas obras musicais e teóricas.[1]

Referências

  1. Nery, Rui Vieira, A música no ciclo da “Bibliotheca Lusitana”, Lisboa, 1984, pp. 87-88.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Borba, Tomás e Fernando Lopes-Graça, Dicionário de música, Lisboa, Cosmos, 1955.
  • Mazza, José, Dicionário Biográfico de Músicos Portugueses, ed. e notas de José Augusto Alegria, Ocidente, Lisboa, Tipografia da Editorial Império, 1944-1945.
  • Nery, Rui Vieira, A música no ciclo da “Bibliotheca Lusitana”, Lisboa, 1984.
  • Vasconcelos, Joaquim de, Os Músicos Portuguezes: Biografia, Bibliografia, 2 Vols., Porto, Imprensa Portugueza, 1870.
  • Vieira, Ernesto, Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes, Lisboa, Lambertini, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros, 2007.
Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) compositor(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.