Fernando de Almeida (compositor)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Fernando de Almeida (Lisboa, 1603/04Tomar, 26 de abril de 1660) foi um compositor português do Barroco.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Capela-mor da Igreja de Nossa Senhora da Luz

Fernando de Almeida nasceu em Lisboa por volta de 1603/04. Era filho de António Jorge, um alfaiate brigantino e Maria Lopes, uma lisboeta. Ambos eram cristãos-velhos. Foi batizado na Igreja de Santa Justa na mesma cidade. Estudou latim e música. Como mestre teve o famoso compositor Duarte Lobo quando este ensinou na Sé de Lisboa. Tornou-se religioso da Ordem de Cristo entre 1618/19 e baseou-se inicialmente no Convento de Nossa Senhora da Luz, na atual freguesia de Carnide mas anos mais tarde foi para o Convento de Cristo de Tomar. Conseguiu subir na ordem, onde teve, entre outros cargos, o de visitador.[1]

Em 1649 foi ordenado por D. João IV a regressar à sua terra natal, voltando então a Carnide. Era conhecida a predileção do rei pela sua música,[2] facto que não impediu, contudo, que tivesse um triste fim. A 12 de março de 1659 foi preso, acusado de injuriar contra o Prior do Convento de Cristo. Foi submetido a um interrogatório onde forneceu alguns dados sobre a sua biografia que chegaram à atualidade num processo preservado no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. O Tribunal da Inquisição considerou-o culpado e foi condenado a 10 anos de pena de prisão, jejum a pão e água, perda de estatuto e pagamento das custas judiciais. Teve ainda que fazer parte da procissão do auto de fé em 26 de outubro do mesmo ano como arrependido (carregando uma vela acesa na mão).[1]

Mal chegou a cumprir a pena a que foi condenado uma vez que, encarcerado e desumanamente tratado, morreu pouco tempo depois, em 26 de abril de 1660 no Convento de Cristo de Tomar. Foi enterrado em vala comum sem qualquer rito funerário.[1]

Obra[editar | editar código-fonte]

Algumas obras da sua autoria eram preservadas na Biblioteca Real de Música e foram perdidas com o sismo de Lisboa de 1755. Sobreviveram códices manuscritos copiados entre 1735 e 1736 na Biblioteca do Paço Ducal de Vila Viçosa.[2] Estes contêm:

  • “Missa ferial” a 4vv
  • “Missa para Domingo de Ramos” a 4 e 6vv
  • “Gloria laus” a 6vv
  • “Benedictus Dominus” a 4vv
  • “Benedictus Dominus” a 4 e 8vv
  • “Miserere mei” a 4vv (2 versões)
  • “Miserere mei” a 4 e 8vv (2 versões)
  • “Lamentação I para a Quinta-feira Santa” a 4vv
  • “Lamentação I para a Quinta-feira Santa” a 8vv
  • “Lamentação I para a Sexta-feira Santa” a 8vv
  • “Lamentação I para o Sábado de Aleluia” a 8vv
  • “Responsórios para a Quinta-feira Santa” a 4 e 8vv
  • “Responsórios para a Sexta-feira Santa” a 4 e 8vv
  • “Responsórios para o Sábado de Aleluia” a 4 e 8vv[1]

Gravações[editar | editar código-fonte]

  • 2011Fernando de Almeida - Responsórios de Quinta-Feira Santa, Missa Ferial. Grupo Capella Patriarchal e direção de João Vaz. Editora althum.com.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d Vaz, João; João Pedro d'Alvarenga (2015). «Fernando de Almeida (d.1660): Tradition and Innovation in Mid-Seventeenth-Century Portuguese Sacred Music». Anuario Musical (70): 63-80 
  2. a b c Fernandes, Cristina (2012). «Fernando de Almeida: Responsórios de Quinta-feira Santa, Missa Ferial». Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura