Diogo Dias Melgás

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Diogo Dias Melgás (ou Melgaz), (n. Cuba, Portugal, 11 de Abril de 1638 - m. Évora, 10 de Março de 1700) foi um compositor português de polifonia.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Diogo Dias Melgás (ou Melgáz) (n. Cuba, Alentejo, 11 de Abril de 1638; m. Évora, 10 de Março de 1700).

Foi cantor do coro no Colégio do Claústro em Évora em 1646. Trabalhou na Sé Catedral de Évora, onde permaneceu o resto de sua vida, sendo aluno de Manuel Rebelo (compositor), e mantêm-se como mestre de capela por 30 anos. Morreu cego e extremamente pobre a 3 fevereiro 1700. Foi o último dos grandes mestres da polifonia Portuguesa que floresceu em Évora, na segunda metade do século XVI.

Uma grande parte do trabalho da Melgás está perdido. Os sobreviventes obras - missas, motets, graduals - são mantidos nos arquivos das catedrais de Évora e de Lisboa, e foram publicados em notação moderna pelo cónego José Augusto Alegria[1].

Obras Musicais[editar | editar código-fonte]

  • 2 missas feriais,
  • 16 motets,
  • 3 conjuntos de Passionários, (P-EVc; 3 motetos ed. J. E. dos Santos, A polifonia clássica portuguesa, Lisboa, 1937)[2]
  • Salve regina, 4vv, (Lf),
  • 4 villancicos, (Biblioteca Pública de Évora CL1/1–2);
  • Villancicos de Natal,
  • Festas de N.ª Senhora e Festas de Santos, segundo a Biblioteca Lusitana.[3].

Edições Musicais (Partituras)[editar | editar código-fonte]

  • Alegria, José Augusto (1969), Seis Motetos e uma Missa Ferial, Lisboa, Sassetti.
  • Alegria, José Augusto (1978), Opera Omnia, Portugaliae Musica, vol. XXXII, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Ribeiro, Mário de Sampaio (1955), 9 Motetos da Quaresma, Lisboa, Sassetti.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Alegria, José Augusto (1973), Arquivo das Músicas da Sé de Évora: Catálogo, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Alegria, José Augusto (1973), História da Escola de Música da Sé de Évora, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Freitas, Mariana Isabel Portas de (2000), A obra sacra de Diogo Dias Melgás (ca.1638-1700): Da tradição polifónica à inovação barroca, Tese de Mestrado em Ciências Musicais, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, Policopiado.
  • Mazza, José (1944-1945), Dicionário Biográfico de Músicos Portugueses, ed. e notas de José Augusto Alegria, Lisboa, Ocidente, Tipografia da Editorial Império.
  • Nery, Rui Vieira (1984), A Música no Ciclo da Bibliotheca Lusitana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Vasconcelos, Joaquim de (1870), Os Músicos Portuguezes: Biografia, Bibliografia, 2 Vols., Porto, Imprensa Portugueza.
  • Vieira, Ernesto (2007/1900), Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes, Lisboa, Lambertini, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros.

Gravações[editar | editar código-fonte]

  • 1994, Música do Renascimento Português, Pro Cantione Antiqua, Hyperion CDA66715
    • inclui 14 obras por Melgás
  • 2004, A Idade de Ouro da Música Português, The Sixteen, CORO COR16020
    • inclui 3 obras por Melgás
  • 2008, The Golden Age, The King's Singers, Signum Classics
    • inclui 2 obras por Melgás

Referências

  1. Alegria, José Augusto (1978), Opera Omnia, Portugaliae Musica, vol. XXXII, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  2. Santos, Júlio Eduardo dos (1937), A Polifonia Clássica Portuguesa (Transcrições, em notação moderna, de trechos dos mestres mais notáveis dos séculos XVI e XVII e estudo crítico), Palavras Preliminares de Afonso Lopes Vieira, Lisboa, Oficinas Gráficas.
  3. Nery, Rui Vieira (1984), A Música no Ciclo da Bibliotheca Lusitana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Enciclopédia Verbo Luso-Brasileira de Cultura, vol. 19, "Melgaz (Diogo Dias)", ed. Verbo, Lisboa/São Paulo, 1998

Retirado em "Dias Melgás"