António Carreira Mourão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde janeiro de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

António Carreira Mourão (ou António Carreira, «o moço»; em espanhol: Antonio Carrera Morán ou Antonio Carrera, el Joven) (local desconhecido, séc. XVI – Santiago de Compostela, 12 de março de 1637) foi um compositor português do Renascimento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Braga
Santiago
Catedrais de Braga e Santiago de Compostela

António Carreira Mourão é também conhecido como António Carreira «o moço» para melhor ser distinguido do também compositor António Carreira, «o velho» que seria, provavelmente, seu tio ou, possivelmente, seu avô.[1][2] É sabido que Carreira Mourão (ou Morán, na castelhanização do apelido) era licenciado (talvez pela Universidade de Coimbra ou pela Universidade de Évora).[3]

Foi-lhe concedida a vigararia de São Vitorino.

Substituiu, desde 6 de maio de 1606, Lourenço Ribeiro como mestre de capela da Sé de Braga.[4] Anos depois, em 2 de julho de 1613 ocupou o cargo equivalente na Catedral de Santiago de Compostela, sucedendo a Pedro Periáñez.[3] Esteve nessa função até à data da sua morte a 12 de março de 1637, sendo substituído por Jerónimo Vicente.[3]

Teve cinco filhos, todos religiosos exceto o primogénito. Um deles também se chamaria António Carreira.

Obras[editar | editar código-fonte]

De Carreira Mourão chegaram-nos apenas dois motetes, conservados na Catedral de Santiago de Compostela. Uma delas é um dos primeiros exemplos do uso de acompanhamento de harpa como baixo contínuo.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Lessa, Elisa (1992), A Actividade Musical na Sé de Braga no Tempo do Arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus (1588-1609), Tese de Mestrado em Ciências Musicais, Coimbra, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Policopiado [pp. 69-73].
  • López-Calo, José (1972), Catálogo musical del Archivo de la Santa Iglesia Catedral de Santiago, Cuenca, Instituto de Música Religiosa. [pp. 43-44 e pp. 323-324].
  • Mazza, José (1944-1945), Dicionário Biográfico de Músicos Portugueses, ed. e notas de José Augusto Alegria, Ocidente, Lisboa, Tipografia da Editorial Império.
  • Nery, Rui Vieira (1984), A Música no Ciclo da Bibliotheca Lusitana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.
  • Vasconcelos, Joaquim de (1870), Os Músicos Portuguezes: Biografia, Bibliografia, 2 volumes, Porto, Imprensa Portugueza.
  • Vieira, Ernesto (2007/1900), Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes, Lisboa, Lambertini, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Oliveira, Filipe (2011). «As obras atribuídas a António Carreira, «O Velho», no MM 242». A Génese do tento no testemunho dos manuscritos P-Cug MM 48 e MM 242 (com uma edição crítica dos ricercari de Jacques Buus e das suas versões recompostas) (Tese). Universidade de Évora 
  2. Machado, Diogo Barbosa (1741). Bibliotheca Lusitana. Lisboa: Oficina de António Isidoro da Fonseca 
  3. a b c Saldoni, Baltasar (1860). Efemérides de Músicos Españoles. Madrid: Imprenta de la Esperanza. p. 149 
  4. Henriques, Luís (2013). «Música na Sé de Braga no século XVI». Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura 
  5. «Compositores galegos». Aula Virtual de Contrabajo