Estêvão da Ordem de Cristo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Frei Estêvão da Ordem de Cristo (por vezes denominado simplesmente Estêvão de Cristo) (Torres Novas, séc. XVI – Carnide (Lisboa), 1609) foi um religioso português compositor de cantochão no período do Renascimento.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Liber Passionum
Liber Passionum
Liber Passionum, frontispício e "Paixão segundo S. João"

Frei Estêvão nasceu em data desconhecida em Torres Novas. Tornou-se frade da Ordem de Cristo, baseado precisamente no Convento de Cristo em Tomar. Sobre a atividade musical deste autor, Diogo Barbosa Machado diz que foi "célebre professor na arte de contraponto" e que foi chamado a Madrid por D. Jorge de Almeida para que "ordenasse e acentuasse pela cantoria da Capela do Papa as Paixões que a Igreja canta na Semana Santa o que executou com tanta satisfação daquele prelado que o persuadiu a que as imprimisse".[1]

No seu "Liber Passionum" usou como base o "Passionarium" de Manuel Cardoso, adaptando esta publicação segundo a sua própria sensibilidade.[2] Do conjunto dos seus trabalhos o mais produtivo na atualidade é a "Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São João" com adaptações várias em língua portuguesa.[3]

As suas publicações foram louvadas pelos seus contemporâneos e algumas deram entrada na Biblioteca Real de Música. Morreu em 1609 no Convento de Nossa Senhora da Luz da Ordem de Cristo atualmente na freguesia de Carnide.[1][4]

Publicações[editar | editar código-fonte]

As três obras[Nota 1] publicadas por Estêvão de Cristo citadas por Barbosa Machado sobrevivem ainda na atualidade, com exemplares na Biblioteca Nacional de Portugal e Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos.

  • 1593 – Processionale ex ritu missalis ac breviarij, quae Sacrosancti Concilij Tridentini Decreto sunt edita (Coimbra: Oficina de António de Mariz)[1]
  • 1595 – Liber Passionum et eorum quae Dominica in Palmis… (Lisboa: Oficina de Simão Lopes)[1]
  • 1623 – Manuale pro communicandis, et ungendis, et sepeliendis Fratribus (Lisboa: Pedro Craesbeeck)[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. No conjunto da sua obra Barbosa Machado inclui erradamente Introduçaõ facilissima, e novissima do canto fermo, e figurado simples, e em concerto com regras gerais para diferentes figuras sobre o canto fermo a 2. 3. 4. e composiçoens, e proporçoens em o genero Diatonico, e Enarmonico. Certamente tratar-se-á de um lapso visto que a obra está identificada como sendo de Vicente Lusitano no Index da Biblioteca Real de Música. Não obstante, o nome de Frei Estêvão surge casualmente no mesmo índice de obras, associado a "Teixto da Paixão da quarta feira, a 4. do terceiro tom".

Referências

  1. a b c d e Machado, Diogo Barbosa (1741). Bibliotheca Lusitana. Lisboa: Oficina de António Isidoro da Fonseca 
  2. Estêvão, da Ordem de Cristo (1595). Liber Passionum et eorum quae Dominica in Palmis. Lisboa: Oficina de Simão Lopes 
  3. Cardoso, Simão; Miranda, Pedro (2011). «Paixão NSJC segundo S. João». O Canto na Liturgia 
  4. Primeira Parte do Index da Livraria de Música do Muito Alto, e Poderoso Rei Dom João o IV, Nosso Senhor. Porto: Imprensa Portuguesa. 1649 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]