António Carreira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

António Carreira, nasceu em Lisboa entre 1520 e 1530 e faleceu entre 1587 e 1597 (provavelmente por volta de 1592 e 1594). Foi um compositor português do Renascimento e Mestre da Capela Real.

Vida[editar | editar código-fonte]

António Carreira foi menino do coro, cantor da Capela Real, professor de canto, compositor e mestre da Capela Real portuguesa, em Lisboa. As suas composições (fantasia, tentos, canções) testemunham o seu domínio perfeito da linguagem contrapontísitca. A totalidade de suas composições para órgão encontram-se num manuscrito musical depositado na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra, o MM 242.

As poucas obras vocais do Mestre da Capela Real encontram-se em manuscritos em três bibliotecas: Na Biblioteca Nacional de Lisboa, na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra (BGUC), e na Biblioteca Pública Municipal do Porto (BPMP). São elas: Dicebat Jesus, 4vv; Ecce positus est, 5vv; Jesu redemptor, 4vv; Stabat mater, 4vv; Surrexit Dominus, 5vv, Te Deum, [incompleto], 4vv.

Uma das mais interessantes e originais composições de Carreira é a Canção "Con qué la lavaré", em que o acompanhamento pelo órgão desta canção popular é escrito na forma de "Tento". Esta composição conta-se entre os primeiros exemplares portugueses de uma canção com acompanhamento instrumental escrito.

Acerca de António Carreira, a páginas 70, do seu tratado, diz-nos Pedro Talésio (1618), Arte de Canto Chão com huma breve instrucção, pera os sacerdotes, diaconos, subdiaconos, & moços de coro, conforme ao uso romano, Coimbra, Na Impressão de Diogo Gomez de Loureyro, p. 70: “[...] segundo observou (entre outras cousas que excellentemente acentuou & reformou) Antonio Carreira, Mestre dignissimo que foy da Capella Real de Sua Magestade em Lisboa, cuja opinião, como milhor & mais segura, vou d'ordinario seguindo na Instrucção do Presbytero, Diacono, Subdiacono, Moços de Coro, & na mayor parte dos Cantos chãos que aqui se acharão appontados, que sam os que me parecerão mais necessarios pera o ornato, e perfeição desta Arte presente, & pera o exercicio, & comodidade de todo Sacerdote & ministro Ecclesiastico. E tudo conforme se usa gêralmente no Officio Romano”.[1]

Compositores homónimos[editar | editar código-fonte]

Existem, porém, três músicos de nome António Carreira: António Carreira, o velho; Frei António Carreira (filho de António Carreira, o velho) e António Carreira Mourão (sobrinho ou neto de António Carreira, o velho).

António Carreira (ca. 1530 - ca. 1594), mestre da Capela Real, teve um filho, com o seu nome, Frei António Carreira (ca. 1550/5 - 1599) que era Eremita de S. Agostinho e igualmente compositor. Ignora-se a sua data de nascimento, mas sabe-se que morreu no Convento da Graça, em Janeiro de 1599, vítima da peste, e que guardava o desejo de publicar as obras musicais de seu pai.

O terceiro "António Carreira", também conhecido como António Carreira «o moço» ou António Carreira Mourão (? - 1637) era sobrinho ou neto do mestre da Capela Real e foi, por sua vez, mestre de capela na Sé de Braga (desde 1606) e posteriormente na Sé Catedral de Santiago de Compostela (dando entrada ao serviço a 2 de Julho de 1613). Terá ocupado esta função até a data da sua morte, a 19 de Março de 1637. Teve cinco filhos, um dos quais também chamado António Carreira, e foram todos religiosos com excepção do primogénito.

Discografia Mínima[editar | editar código-fonte]

Hora, Joaquim Simões da (1994), Lusitana Musica: Órgãos Históricos Portugueses: Évora e Porto, Volume I, EMI Classics, AAD Digital remastering of LP 7497301 and LP 6540391, 777 7 547 55 2 4. [Contém a gravação de 5 Peças de Carreira].

Torrent, Montserrat (1971), Portugaliae Musica: Orgelwerke Des 16. Jahrhunderts: António Carreira, Manuel Rodrigues Coelho, Heliodoro de Paiva, Alemanha, Archiv, [LP, vinil], [Contém a gravação de 7 Peças de Carreira], Notas de Programa do disco: Macario Santiago Kastner, Gravado em Évora (Portugal), Catedral, 26. 6. 1970, 
Órgão construído em 1562, Este disco foi feito em colaboração com a Fundação Gulbenkian, Estúdio Musikhistorisches da Deutschen Grammophon Gesellschaft, Manufacturado pela Deutsche Grammophon, Hamburg, 
Imprimido na Alemanha, Contracapa inclui notas em Alemão, Inglês e Francês e registações do órgão, Número de Matriz (Lado A Run-out): ℗ 1971 A71 ◇V 00 2533 069 S1; Número de Matriz (Lado B Run-out): ℗ 1971 A71 ◇V 00 2533 069 S2.

Vaz, João (2002), António Carreira: Tentos e Fantasias, Portugaler, Audiopro Lda, Lisboa, Portugal, DDD 2004-2 SPA. [Contém a gravação de 15 Peças de Carreira].

Lista das Obras para Tecla de António Carreira[editar | editar código-fonte]

1- Tento a Quatro em Fá

2- Primeiro Tento a Quatro em Sol

3- Segundo Tento a Quatro em Sol

4- Tento a Quatro sobre o Vilancico “Con qué la lavaré”

5- Primeira Fantasia a Quatro de 8º Tom

6- Tento a Quatro em Ré

7- Terceiro Tento a Quatro em Sol

8- Tento a Quatro de 2º Tom

9- Canção a Quatro Glosada [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

10- Tento a Quatro sobre um Tema de Canção

11- Segunda Fantasia a Quatro de 8º Tom [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

12- Fantasia a Quatro em Lá-Ré

13- Quarto Tento a Quatro em Sol

14- Outro Tento a Quatro de 8º Tom sobre um Tema de Canção

15- Fantasia a Quatro em Ré

16- Terceira Fantasia a Quatro de 8º Tom

17- Fantasia a Quatro de 1º Tom

18- Fantasia a Quatro de 4º Tom [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

19- Tento com Cantus Firmus a Cinco

20- Ave Maria, a Quatro [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

21- Sexti Toni, Fantasia a Quatro

22- Tento a Quatro de 7º Tom [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

23- Quartus Tonus, Fantasia a Quatro

24- Obra a Quatro sobre Cantus Firmus [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

25- Fabordões (8 Fabordões) [Esta Peça está Anónima no Manuscrito]

26- Tento a Quatro em Lá-Ré.

Referências

  1. Talésio, Pedro (1618), Arte de Canto Chão com huma breve instrucção, pera os sacerdotes, diaconos, subdiaconos, & moços de coro, conforme ao uso romano, Coimbra, Na Impressão de Diogo Gomez de Loureyro, p. 70.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Alvarenga, João Pedro de (2005), Polifonia Portuguesa Sacra Tardo-Quinhentista: Estudo de Fontes e Edição Crítica do Livro de São Vicente, Manuscrito P-LF FSVL 1P-H-6, 2 volumes, Tese de Doutoramento, Universidade de Évora, Policopiado.

Apel, Willi (1972), The History of Keybord Music To 1700, Bloomington/London, Indiana University Press. [pp. 195-196]

Bernardes, J. M. R. e Bernardes, I. R. S. (2003), Uma Discografia de Cds da Composição Musical em Portugal: Do Século XIII aos Nossos Dias, INCM. [100-104]

Dalton, James (1998), “Iberian organ music before 1700”, in Thistlethwaite, Nicholas e Webber, Geoffrey (ed.), The Cambridge Companion to the Organ, pp. 164-175, Cambridge, Cambridge University Press.

Kastner, Macario Santiago (1950), “Los manuscritos musicales n.º 48 y 242 de la Biblioteca General de la Universidad de Coimbra”, Anuário Musical, Barcelona, CSIC, vol. V, pp. 78-96.

Kastner, Macario Santiago (1966), “Vestigios de la Arte de Cabezón en Portugal”, Anuário Musical, Barcelona, CSIC, vol. XXI, pp. 105-121.

Kastner, Macario Santiago e Fernandes, Cremilde Rosado (1969), Antologia de Organistas do Séc. XVI, Portugaliae Musica, vol. XIX, Fundação Calouste Gulbenkian.

Kastner, Macario Santiago (1973), Kompositionen fur Tasteninstrumente: Antonio de Cabezón und Zeitgenossen, Antonio de Cabezón y Contemporáneos, Composiciones para Instrumentos de Tecla, Musikverlag Wilhelm Zimmermann.

Kastner, Macario Santiago (1973), “Orígenes y evolución del tiento para instrumentos de tecla”, Anuário Musical, Barcelona, vol. XXVIII, pp. 11-86. [ver em especial pp. 52-56]

Kastner, Macario Santiago (1979), Três Compositores Lusitanos: António Carreira, Rodrigues Coelho, Pedro de Araújo, Fundação Calouste Gulbenkian. [pp. 11-26]

Kastner, Macario Santiago (1980), “Carreira, António”, The New Grove Dictionary of Music and Musicians, London, MacMillan, volume 3, pp. 824-825.

Lessa, Elisa (1992), A Actividade Musical na Sé de Braga no Tempo do Arcebispo D. Frei Agostinho de Jesus (1588-1609), Tese de Mestrado em Ciências Musicais, Coimbra, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Policopiado [pp. 69-73].

López-Calo, José (1972), Catálogo musical del Archivo de la Santa Iglesia Catedral de Santiago, Cuenca, Instituto de Música Religiosa. [pp. 43-44 e pp. 323-324]

Mazza, José (1944-1945), Dicionário Biográfico de Músicos Portugueses, ed. e notas de José Augusto Alegria, Ocidente, Lisboa, Tipografia da Editorial Império.

Nery, Rui Vieira (1984), A Música no Ciclo da Bibliotheca Lusitana, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

Nery, Rui Vieira (1992), “António Carreira, o Velho, Fr. António Carreira e António Carreira, o Moço: Balanço de um Enigma por Resolver”, Livro de Homenagem a Macario Santiago Kastner, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 405-430.

Nery, Rui Vieira (2002), António Carreira: Tentos e Fantasias, Notas ao Disco de João Vaz, Lisboa, Portugaler, Audiopro Lda, Portugal, DDD 2004-2 SPA.

Oliveira, Filipe Santos Mesquita de (2011), A Génese do tento no testemunho dos manuscritos P-Cug MM 48 e MM 242: com uma edição crítica dos ricercari de Jacques Buus e das suas versões recompostas, Tese de Doutoramento, Évora, Universidade de Évora, Policopiado.

Pinho, Ernesto Gonçalves de (1981), Santa Cruz de Coimbra: Centro de Actividade Musical nos Sécs. XVI e XVII, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian.

Rees, Owen (1995), Polyphony in Portugal c. 1530-1620: Sources from the Monastery of Santa Cruz, Coimbra, New York and London, Garland Publishing, pp. 325-364.

Rees, Owen (2001), “Carreira, António”, The New Grove Dictionary of Music and Musicians, London, MacMillan, 2ª Edição, Volume 5, pp. 886-888.

Sousa, D. António Caetano de (1948), Provas da História Genealógica da Casa Real Portuguesa, ed. M. Lopes de Almeida e César Pegado, Tomo II, Parte II, Coimbra, Atlântida Livraria Editora. [p. 457 e p. 460]

Valença, Manuel (1990), A Arte Organística em Portugal: c. 1326-1750, volume I, Braga, Província Portuguesa da Ordem Franciscana.

Vasconcelos, Joaquim de (1870), Os Músicos Portuguezes: Biografia, Bibliografia, 2 volumes, Porto, Imprensa Portugueza.

Vieira, Ernesto (2007/1900), Diccionario Biographico de Musicos Portuguezes, Lisboa, Lambertini, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros.

Viterbo, Francisco Marques de Sousa (1907), Os Mestres da Capella Real nos Reinados de D. João III e D. Sebastião, Lisboa, Separata do Arquivo Histórico Portuguez, volume 4. [pp. 20-30]

Viterbo, Francisco Marques de Sousa (1907), Os Mestres da Capella Real desde o dominio filipino (inclusivé) até D. José I, Lisboa, Extracto do Arquivo Histórico Portuguez, volume 5. [pp. 5-7]

Viterbo, Francisco Marques de Sousa (2008/1932), Subsídios para a História da Música em Portugal, Coimbra, Imprensa da Universidade, Edição Facsimilada de Arquimedes Livros.


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.