Pirambu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Pirambu (desambiguação).
Município de Pirambu
Bandeira de Pirambu
Brasão de Pirambu
Bandeira Brasão
Hino
Fundação 26 de novembro de 1963
Gentílico pirambuense
Padroeiro(a) Nossa Senhora de Lourdes
Prefeito(a) Elinho[1] (PSC)
(2013–2016)
Localização
Localização de Pirambu
Localização de Pirambu em Sergipe
Pirambu está localizado em: Brasil
Pirambu
Localização de Pirambu no Brasil
10° 44' 16" S 36° 51' 21" O10° 44' 16" S 36° 51' 21" O
Unidade federativa  Sergipe
Mesorregião Leste Sergipano IBGE/2008 [2]
Microrregião Japaratuba IBGE/2008 [2]
Municípios limítrofes Barra dos Coqueiros, Santo Amaro das Brotas, General Maynard, Carmópolis, Japaratuba, Japoatã e Pacatuba
Distância até a capital 30 km
Características geográficas
Área 218,084 km² [3]
População 8 369 hab. IBGE/2010[4]
Densidade 38,38 hab./km²
Altitude 2[5] m
Clima tropical úmido e sub-úmido[5]  As´
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,603 médio PNUD/2010[6]
PIB R$ 51 242,352 mil IBGE/2008[7]
PIB per capita R$ 6 037,03 IBGE/2008[7]
Página oficial

Pirambu é um município brasileiro localizado na faixa litorânea, no extremo leste do estado de Sergipe.

História[editar | editar código-fonte]

Para algumas fontes, a nomenclatura do município vem de um peixe comum na região (o pirambu), para outras vem do nome de um chefe indígena que habitou a antiga povoação.

A povoação chamada inicialmente de “Ilha” passou a ser habitada por pescadores no início do século XX, que praticavam a pesca de subsistência nos rios Pomonga, Japaratuba e no Oceano Atlântico, além da caça e agricultura. O comércio era baseado no escambo e as moradias feitas de palha. Em 1911 foi instalada uma casa comercial e fundada a colônia de pescadores. Em 1912 a povoação passou a condição de vila, onde foi construída a igreja em homenagem a Nossa Senhora de Lourdes. Em 1934 com a emancipação de Japaratuba de Capela, Pirambu subiu à condição de povoado.

Na década de 60 do século XX, um grupo de lideranças locais iniciou um movimento de emancipação política de Pirambu. João Dória do Nascimento, vereador de Japaratuba; Manuel Amaral Lemos, produtor rural; Abelardo do Nascimento e José Lauro Ferreira, pescadores; e Xavier dos Santos encabeçavam o movimento.

Em 26 de novembro de 1963 foi sancionada o projeto de lei apresentado pelo deputado estadual Nivaldo Santos, que elevava o povoado à categoria de município com a denominação de Pirambu, desmembrado de Japaratuba. Com a popularidade, o vereador japaratubense João Dória do Nascimento foi eleito o primeiro prefeito de Pirambu, tomando posse em agosto de 1965.[8] [9]

Povoados[editar | editar código-fonte]

  • Lagoa Redonda
  • Maribondo
  • Alagamar
  • Aguilhadas
  • Aningas
  • Baixa Grande
  • Água Boa
  • Bebedouro
  • Lagoa Grande

Geografia[editar | editar código-fonte]

O município apresenta temperatura média anual de 26ºC com precipitação média de chuvas de 1650 mm/ano, com maior período chuvoso entre março e agosto (outono-inverno).

O relevo é representado por planícies litorâneas (dunas, várzeas e baixios pantanosos); tabuleiros costeiros e colinas. Sua vegetação varia da higrófila e manguezal, restinga, capoeira, caatinga, cerrado, campos limpos e sujos. O município está inserido na bacia hidrográfica do rio Japaratuba.[10]

O acesso ao município a partir de Aracaju, é feito pela Ponte Construtor João Alves (Aracaju/Barra dos Coqueiros) seguindo pela rodovia SE-100, em um percurso de cerca de 31 quilômetros de dunas, praias e manguezais.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O Japaratuba é o principal rio do município, tendo ainda os rios Sapucaia, Brito, Poxim e Papagaio em seu território (o rio Pomonga deságua no rio Japaratuba nos limites com Santo Amaro das Brotas, mas não percorre solo pirambuense).

Destacam-se ainda as lagoas, como a de Pirambú, Catu, Camurupim, Titaras, Redonda, Grande, Seca, Santa Isabel e a do Sangradouro, a maior de Sergipe, desaguando no Oceano Atlântico, no povoado Lagoa Redonda.

Lagoa Redonda[editar | editar código-fonte]

Lagoa localizada a 19 km da sede do município; recebe este nome pelo seu formato. Circunda uma área local de mangue e é circundada por um paredão de areia. Do alto de suas dunas avista-se o oceano em um extremo e o manguezal em outro. Há um riacho que nela deságua e passa por uma região de dunas conhecido como “pequeno deserto”; também próxima existe a chamada “Cachoeira” do Roncador, na verdade uma pequena queda d´água. Os paredões de areia nas margens da lagoa servem para a prática do sandboard.[11]

Lagoa do Sangradouro[editar | editar código-fonte]

Grande lagoa, localizada a 22 km da sede municipal, também nas proximidades do povoado Lagoa Redonda. Na região existem várias aglomerações de dunas, dentre eles o Morro da Lucrécia (em cuja base está a Lagoa encantada) com altura entre 25 metros, onde se pratica o sandboard; bem como lagoas perenes como a Lagoa Azul.[11]

Economia[editar | editar código-fonte]

As receitas municipais provêem da agricultura (cultivo do coco, mandioca, manga e milho); da pecuária de bovinos, eqüinos e ovinos; da avicultura de galináceos; da atividade pesqueira de camarões e pescados diversos; e da mineração dos depósitos de sal-gema, potássio, magnésio, turfa, petróleo, além da extração de barro no povoado Aguilhadas. [5]

A atividade pesqueira é de grande importância para o município; destacando-se a pesca do camarão em redes de arrasto, varrendo todo o litoral sergipano. Pirambu é um dos maiores centros de pesca semi-industrial de Sergipe, sua produção é exportada a outros municípios sergipanos e a outros estados.

São modestos na região tanto o comércio (representado por lojas de materiais do construção, gêneros alimentícios e de vestuário), como a indústria (representada pelas duas fábricas de gelo, confecção de tecidos em associação do povoado Marimbondo e no projeto TAMAR, e pela fábrica de polpa de fruta na sede). [10]

Reserva Biológica Santa Isabel e Projeto TAMAR[editar | editar código-fonte]

A Reserva Biológica de Santa Isabel foi criada em 1988 com objetivo de preservar e recuperar os ecossistemas costeiros da região. Localiza-se nos municípios de Pirambu e Pacatuba, abrangendo cerca de 45 km² de praias. A reserva abriga o maior sítio reprodutivo brasileiro da tartaruga-oliva, sendo ainda importante área de desova de várias outras espécies de tartarugas (daí a parceria com o Programa Brasileiro de Conservação das Tartarugas Marinhas, o TAMAR), como a ameaçada tartaruga-de-pente, além de ser região de pouso e descanso de aves migratórias e apresentar uma fauna residente diversa.[10]

A primeira base do Tamar construído no Brasil foi instalada em 1982 em Pirambu, município de Sergipe, com monitoração de 56km de praias de reprodução e alimentação de tartarugas marinhas.

O Centro de Educação Ambiental do TAMAR recebe em média 120 mil visitantes ao ano e muitos estudantes. A Base possui quatro tanques com tartarugas marinhas em diversas fases de desenvolvimento; sala de palestras e projeção de filmes; antessala com um aquário marinho e seis aquários com peixes de água doce, representantes das espécies do entorno da Reserva; estacionamento e stand de divulgação das atividades culturais desenvolvidas com as comunidades do entorno; demais materiais educativos. [12]

Referências

  1. Prefeito eleitos no Sergipe. Página visitada em 22/01/2013.
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  3. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010. 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 
  5. a b c Projeto Cadastro da Infra-Estrutura Hídrica do Nordeste, Diagnóstico do Município de Pirambu-SE, 2002.
  6. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 26 de agosto de 2013. 
  7. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010. 
  8. Acervo Biblioteca IBGE, Acervo documentação territorial: Pirambu-SE.
  9. História de Pirambu, Tribuna da Praia, jornal Online, julho de 2011.
  10. a b c Retificação e Atualização dos Limites da Reserva Biológica de Santa Isabel, no Estado de Sergipe - Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade.
  11. a b Região de Pirambu-SE – TurismoPeloBrasil.net, site de informações turísticas
  12. Centro de Educação Ambiental de Pirambu – Projeto TAMAR.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]