Reduto da Boa Vista

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Reduto da Boa Vista
Palácio da Boa Vista (Frans Post, c. 1647)
Conservação Desaparecida
Aberto ao público Não

O Reduto da Boa Vista localizava-se na ilha de Antônio Vaz, a noroeste do bairro de Santo Antônio, em "Maurits Stadt" (a cidade Maurícia), atual Recife, no litoral do estado de Pernambuco, no Brasil.

História[editar | editar código-fonte]

Este reduto foi erguido no contexto da segunda das Invasões holandesas do Brasil (1630-1654), anteriormente a 1637, dominando o ponto de travessia sobre o rio Capibaribe que ligava a ilha de Antônio Vaz ao continente. A seu respeito, Maurício de Nassau, no seu "Breve Discurso" de 14 de Janeiro de 1638, sob o tópico "Fortificações", comenta:

"A um tiro de arcabuz do forte Frederik Hendrik, para o lado do noroeste, fica, junto ao [rio] Capibaribe, um reduto, que serve de guarda avançada para se descobrir se o inimigo tenta atravessar o rio."

Certamente um dos pequenos redutos que figuram no mapa da ilha de Antônio Vaz (Recife) de Frans Post (1612-1680) sem identificação pelo lado do rio Capibaribe (1637), o seu local figura no mapa "A Cidade Maurícia em 1644", de Cornelis Golijath (in: BARLÉU, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados no Brasil. Amsterdã, 1647), como "Schoonzigt" (Bela Vista), futuro bairro da Boa Vista. Não há informações posteriores sobre esta estrutura, absorvida pelo progresso urbano do Recife.

GARRIDO (1940) registra uma Torre da Boa Vista, estrutura remanescente do arrasado Palácio da Boa Vista (o "Schoonzigt" de Nassau), que estaria artilhada com duas peças, quando do cerco final por tropas portuguesas (1653-1654) ao Recife. De acordo com o autor, os seus vestígios podiam ser observados à época (1940), bem conservados, engastados no bloco do Convento dos Carmelitas, naquela cidade (op. cit., p. 69).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BARLÉU, Gaspar. História dos feitos recentemente praticados durante oito anos no Brasil. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1974. 418 p. il.
  • BARRETO, Aníbal (Cel.). Fortificações no Brasil (Resumo Histórico). Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora, 1958. 368 p.
  • GARRIDO, Carlos Miguez. Fortificações do Brasil. Separata do Vol. III dos Subsídios para a História Marítima do Brasil. Rio de Janeiro: Imprensa Naval, 1940.
  • MELLO, José Antônio Gonsalves de (ed.). Fontes para a História do Brasil Holandês (Vol. 1 - A Economia Açucareira). Recife: Parque Histórico Nacional dos Guararapes, 1981. 264p. tabelas.
  • SOUSA, Augusto Fausto de. Fortificações no Brazil. RIHGB. Rio de Janeiro: Tomo XLVIII, Parte II, 1885. p. 5-140.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma fortaleza é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.