Rio Piancó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Piancó
Comprimento Aprox. 450 km
Posição: sudoeste–nordeste
Nascente Tríplice divisa PBCEPE[1]
Foz Açude Coremas[2]
Área da bacia 5.683 km²
País(es)  Brasil

O rio Piancó é um curso d'água brasileiro que banha a região ocidental do estado da Paraíba, sendo o principal rio do Sertão paraibano e alimentando, junto com um dos seus afluentes, o rio Aguiar, o complexo hídrico Coremas/Mãe D'água, com capacidade para 1, 2 bilhões de m³ d'água. É a principal veia hídrica e contribuidor da bacia Piancó/Piranhas/Açu.

Sua bacia hidrográfica, com cerca de 8 mil km², acumula mais de 1,3 bilhões de m³ d'água, considerada a maior da Paraíba em termos de volume e drenagem.

História[editar | editar código-fonte]

Há várias teses para a origem do termo "Piancó". O pesquisador Orlando Bordoni, de A longa marcha dos índios tupís, acredita que a palavra provenha de piam e co e signifique "colher a roça",[3] em língua cariri.[4] Outra versão sobre a etimologia do termo afirma que se origine do nome do cacique da tribo dos Coremas e signifique "pavor".[5]

A região do Piancó foi o primeiro território a ser explorado no século XVII no oeste do estado por bandeirantes paulistas, entre os quais Domingos Jorge Velho, a serviço da Casa da Torre.[6] Em 1739 já havia um aldeamento de indígenas panatis, da grande nação tarairiú, na Missão São José (do Panati), que se tornaria a atual cidade de Piancó, fundada por Teodósio de Oliveira Ledo.[5]

Sub-bacia[editar | editar código-fonte]

O Piancó nasce nos contrafortes das serras que separam os territórios da Paraíba, de Pernambuco e do Ceará, numa região que serve de divisória de águas dos vales dos rios Pajeú e Jaguaribe. [1] Recebe o nome "Piancó" ao adentrar o município de Conceição, no sertão paraibano. Depois de sua confluência como rio Piranhas, em território do município de Pombal (PB), o rio Piancó segue até a divisa da Paraíba com o Rio Grande do Norte, onde recebe o nome de Açu.

Referências

  1. a b Boletim Técnico, edições 15-16. [S.l.]: Divisão de Pesquisa Pedológica / Sudene 
  2. Lourdes L. Agostinho; et al. (2010). [file:///C:/Users/F%C3%A1bio/Downloads/23817-86392-1-PB.pdf «Qualidade das águas subterrâneas da bacia do Piancó»] Verifique valor |URL= (ajuda) (PDF). Universidade Federal da Paraíba. Consultado em 22 de setembro de 2015 
  3. Orlando Bordoni. A longa marcha dos índios tupís. [S.l.]: Gráfica Muto. 344 páginas 
  4. Adm. do Instituto Brasileiro de Geografia (1949). Boletim geográfico, Volume 7,Edições 73-78. [S.l.]: Departamento de Documentação e Divulgação Geográfica e Cartográfica 
  5. a b Valdeci dos Santos Júnior (2008). Os índios tapuias do Rio Grande do Norte: antepassados esquecidos. [S.l.]: UERN. 200 páginas 
  6. Aécio Villar de Aquino (1987). Aspéctos históricos e sociais da pecuária na caatinga paraibana. [S.l.]: Escola Superior de Agricultura de Mossoró. 73 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.