Robert T. Bakker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Robert T. Bakker
Nome completo Robert Thomas Bakker
Nascimento 24 de março de 1944 (73 anos)
Condado de Bergen, Nova Jersey,  Estados Unidos
Nacionalidade Estados Unidos norte-americano
Ocupação Paleontólogo

Robert Thomas Bakker (Nova Jersey, 24 de março de 1945) é um paleontólogo norte-americano que ajudou a criar e desenvolver diversas teorias modernas sobre dinossauros, principalmente a teoria de que muitas espécies seriam endergónicos (de sangue quente).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bakker nasceu no Condado de Bergen, em Nova Jersey. Ele atribui seu interesse por dinossauros a uma leitura de uma matéria da edição de 7 de setembro de 1953 da revista Life. Formou-se na Ridgewood High School em 1963.[2]

Bakker lecionando no Museu de Ciência Natural de Houston.

Na Universidade Yale, teve aulas com John Ostrom, um dos primeiros defensores da nova visão sobre os dinossauros, e em seguida obteve um doutorado em Harvard. Ele começou a lecionar anatomia na Universidade Johns Hopkins em Baltimore, Maryland, e Ciências Terrestres e Espaciais, onde o futuro artista Gregory S. Paul trabalhou e colaborou informalmente sob sua orientação. A maior parte de seu trabalho de campo foi feita em Wyoming, principalmente no Como Bluff, mas chegou até a Mongólia e a África do Sul na busca de habitats de dinossauro. Também ajudou como assistente na Universidade do Colorado.

Teorias[editar | editar código-fonte]

Em sua obra The Dinosaur Heresies lançada em 1968, Bakker apresenta a teoria de que os dinossauros eram de sangue quente. Sua evidência para isso inclui:

  • Quase todos os animais bípedes de hoje em dia são endergônicos, e os dinossauros eram bípedes.
  • Os corações de animais endergônicos podem bombear muito mais eficazmente do que os de animais de sangue frio. Portanto, o Braquiossauro deve ter tido o tipo de coração associado com o de animais de sangue quente, a fim de bombear sangue até a sua cabeça.
  • Dinossauros como o Deinonychus tinham um vida muito ativa, o que era muito mais compatível com um animal endergônico.
  • Alguns dinossauros viviam nas latitudes do norte, onde teria sido impossível para os dinossauros de sangue frio se manterem quentes.
  • A taxa rápida de especiação e evolução encontrada nos dinossauros é típica de animais de sangue quente e atípicos de animais de sangue frio.
  • As aves são de sangue quente. As aves evoluíram dos dinossauros, portanto uma mudança para um metabolismo de sangue quente deve ter ocorrido em algum momento; Há muito mais mudanças entre os dinossauros e seus ancestrais, os arcossauros, do que entre os dinossauros e os pássaros.
  • Os metabolismos endergônicos são vantagens evolutivas para top predadores e grandes herbívoros; Se os dinossauros não tivessem sido de sangue quente, deveriam haver evidências fósseis que mostrem os mamíferos que evoluem para preencher esses nichos ecológicos. Não existe tal evidência; Na verdade, os mamíferos até o fim do Cretáceo tornaram-se cada vez menores de seus antepassados sinápsidas.
  • Os dinossauros cresciam rapidamente, evidências que podem ser encontradas observando seções transversais de seus fósseis. Os animais de sangue quente crescem a uma taxa similar.

Bakker também é um defensor da ideia de que as plantas com flores evoluíram por causa de suas interações com os dinossauros.[3]

Obra literária[editar | editar código-fonte]

Seu romance Raptor Red conta um ano na vida de uma Utahraptor fêmea no Cretáceo Inferior. Na história, Bakker elabora seu conhecimento sobre o comportamento dos dromeossaurídeos e a vida no período de sua existência.

Crença religiosa[editar | editar código-fonte]

Como ministro pentecostal, Bakker disse que não existe conflito entre a religião e a ciência e que a evolução das espécies e história geológica são compatíveis com a crença religiosa. Bakker vê a Bíblia como um guia ético e moral em vez de um cronograma literal de eventos na história da vida. Aconselhou os infiéis e criacionistas a ler os pontos de vista apresentados por Santo Agostinho, que argumentou contra uma compreensão literal de Gênesis.[4]

Retrato na ficção[editar | editar código-fonte]

O paleontologista de barba Dr. Robert Burke, que é devotado por um Tiranossauro (T-Rex) no filme O Mundo Perdido: Jurassic Park de Steven Spielberg, é uma caricatura afetuosa de Bakker. Na vida real, Bakker argumentou que o T-Rex fosse predador enquanto que o paleontólogo rival de Bakker, Jack Horner, o visse como um carniceiro.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Hot-Blooded or Cold-Blooded??» 
  2. http://www.njea.org/pdfs/07ConventionProgram.pdf
  3. Bakker, Robert T (17 de agosto de 1978). «Dinosaur Feeding Behaviour and the Origin of Flowering Plants». Londres: Macmillan (em inglês). 274: 661-663. doi:10.1038/274661a0 
  4. «Australia: Evolution – The Festival, 2009». 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) paleontólogo(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.