Sefarditas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sefardim)
Sefarditas
יהדות ספרד
Família sefardita na Bósnia no século XIX
População total

3,5 milhões (est.)[1]

Regiões com população significativa
 Israel 1,5 milhão
 França 361 000
 Estados Unidos 300 000
 Brasil 140 000
 Argentina 50 000
 Portugal 30 000
 Espanha 60 000
 Itália 30 000
 Turquia 26 000
 Canadá 21 400
 Reino Unido 10 500
 Marrocos 10 000
Línguas

Tradicionalmente Judeu-espanhol e outras judaico-românicas

Atualmente hebraico, francês, inglês, castelhano, português, italiano, Turco, árabe e outras línguas locais
Religiões
Etnia
Semita
Grupos étnicos relacionados
Mizrahim, Asquenazes, Samaritanos e outras etnias judaicas

Sefarditas ou sefaraditas[2][3] (em hebraico ספרדים, sefaradim; plural de sefaradi ספרדי) é o termo usado para referir os descendentes de judeus originários de Portugal e Espanha. A palavra tem origem na denominação hebraica para designar a Península Ibérica (Sefarad, ספרד). Utilizam a língua sefardi, também chamada judeu-espanhol e "ladino", como língua litúrgica.[4]

Estes judeus de Sefarade possuíam algumas tradições, línguas, hábitos e ritos diferenciados dos seus irmãos asquenazes da Europa Central e do Leste Europeu[5], apesar de ainda possuírem alguma proximidade genética.[6]

História[editar | editar código-fonte]

Acredita-se que a presença judaica na Península Ibérica remonta aos tempos do rei Salomão, mas poucas informações sobre esta podem ser encontradas até o século I.[7]

Os judeus se revoltaram contra o domínio romano sobre a Judeia na Grande Revolta Judaica (66-73) e, com isso, os romanos destruíram Jerusalém em 70 e forçaram a população judaica a deixar os atuais territórios de Israel e Palestina, se dispersando por diversos locais, assim chegando à Hispânia (nome romano para a Península Ibérica).[8]

Em 587, o Reino Visigótico declarou o Catolicismo como religião oficial e aqueles que não a seguiam foram perdendo cada vez mais direitos.[7]

Durante a Ibéria Islâmica, entre os séculos VIII e XI, os judeus tinham sua religião tolerada mediante pagamento de impostos. Esse foi um período áureo para esse povo na Península Ibérica, havendo um florescimento intelectual e religioso.[7]

No entanto, a situação começou a piorar nos séculos XI e XII, com as dinastias islâmicas dos almorávidas e almóadas, mais intolerantes em relação à religião, e a intensificação da Reconquista, a retomada das terras islâmicas pelos reinos cristãos ibéricos. Os cristãos não eram tolerantes aos judeus e muitos deles foram forçados a se converter ao Cristianismo, ficando conhecidos como cristãos-novos ou marranos.[7]

Os sefarditas foram responsáveis por boa parte do desenvolvimento da Cabala medieval e muitos rabinos sefarditas escreveram importantes tratados judaicos que são usados até hoje em tratados e em estudos importantes.

Na década de 1490, Espanha e Portugal decretaram a conversão forçada dos judeus que viviam em seus territórios e a expulsão daqueles que recusassem. Grande parte da comunidade judaica ibérica escolheu por emigrar, tendo como destinos o Norte de África, o Império Otomano, outras partes da Europa Ocidental e Meridional e as colônias espanholas e portuguesas na América.[7]

Na Europa Central e Meridional, os sefarditas mantinham sua cultura e língua e muitos se adaptaram bem à cultura dos locais em que se fixaram. Grandes empresas foram fundadas por eles, ficando famosas em todo o mundo. Além disso, muitos adquiriram grandes fortunas.[7]

Os sefarditas que se fixaram no Norte da África e Império Otomano durante séculos viveram em relativa paz com os governantes e população. Eram tratados como cidadãos de segunda classe, mas tinham sua religião tolerada e podiam participar do comércio. Além disso, eram mais receptivos à modernidade do que as comunidades asquenazes.[7]

Na América Latina, os sefarditas evitavam serem reconhecidos pela Inquisição e, para isso, convertiam-se ao Cristianismo. Dessa forma, milhões de latino-americanos possuem, sem saber, alguma ancestralidade judaica.[9]

Na Península Ibérica, pouquíssimas comunidades judaicas sobreviveram ao longo do tempo e precisaram permanecer escondidas, como o caso dos judeus de Belmonte, na região portuguesa da Beira Baixa, que só foram descobertos no século XX.[10]

Os judeus sefarditas que viviam na Europa sofreram o mesmo destino dos demais, e a maioria morreu no Holocausto.[7]

Após a criação do Estado de Israel, nas décadas de 1950 e 1960 muitos judeus dos países árabes se estabeleceram em Israel, onde formam hoje um importante segmento da população.[7]

O termo sefardita é frequentemente utilizado em Israel hoje para referir os judeus oriundos do Norte de África. No entanto, é um erro chamar todos eles de tal forma, pois os judeus mais antigos destes países são chamados de mizrahim (do hebraico Mizrach, "Oriente").

Genética[editar | editar código-fonte]

Estudos genéticos apontam que a ancestralidade e genética dos sefarditas é uma mistura entre um componente levantino e um componente sul-europeu.[11]

Reconhecimento dos descendentes[editar | editar código-fonte]

Num projeto de lei aprovado em 2014, o governo da Espanha possibilitou o reconhecimento dos judeus sefarditas como cidadãos espanhóis, determinando 1 de outubro de 2019 como prazo final para os requerimentos.[12][13][14] As regras de concessão envolviam a demonstração clara e inconteste de ancestralidade sefardita através de laudo genealógico. Uma falsa lista chegou a circular na Internet com supostos sobrenomes que poderiam requerer a cidadania.[15]

Portugal também aprovou lei semelhante, mas sem prazo estabelecido para a requisição de nacionalidade. O número 7 do artigo 6.º da Lei da Nacionalidade, prevê a possibilidade de aquisição de nacionalidade por descendentes de judeus sefarditas portugueses.[16][17] No Brasil, muitos dos primeiros a serem reconhecidos como descendentes de sefarditas provêm da Região Nordeste do Brasil e são descendentes de Branca Dias.[18] Estudos genealógicos demonstram que a maioria dos brasileiros tem pelo menos um ancestral sefardita que migrou para o Brasil no período colonial, a exemplo dos descendentes do rabino-mor da Espanha, Abraham Senior.[19]

Sefarditas em Portugal e o "marranismo" no Brasil[editar | editar código-fonte]

A comunidade sefardita de Belmonte detém um importante facto da história dos judeus sefarditas, relacionado com a resistência à intolerância religiosa em Portugal e na Península Ibérica, tendo sido instaurada uma lei que obrigava os judeus portugueses a converterem-se ou a deixarem o país. Muitos abandonaram Portugal por medo da Inquisição e outros converteram-se oficialmente ao cristianismo, mas mantiveram no seio da família o seu culto e tradições. Um terceiro grupo de judeus decidiu isolar-se do mundo exterior, cortando o contacto com o resto do país e seguindo rigorosamente as suas tradições. Esses judeus foram chamados de marranos, uma alusão à proibição de comer carne de porco. Durante séculos, os Marranos de Belmonte mantiveram as suas tradições judaicas quase intactas, tornando-se um caso excecional e raro de uma comunidade criptojudaica. Somente na década de 1970 que a comunidade estabeleceu contacto com os judeus de Israel e oficializou o judaísmo como sua religião. Em 2005, foi inaugurado na cidade o Museu Judaico de Belmonte, o primeiro do género em Portugal, que mostra as tradições e o dia-a-dia dessa comunidade.[20]

No que diz respeito ao Brasil, temos evidências mais precisas. O país recebeu durante o povoamento da era colonial o maior número de cristãos-novos imigrantes de Portugal e da Holanda (que primeiro chegavam à Portugal e depois ao Brasil) que qualquer outro país do mundo. Os arquivos portugueses retêm uma fantástica quantidade de documentos que testemunham essa massiva imigração. Uma interessante fonte principal em arquivos da inquisição, conhecido como o Livro dos Culpados, no qual ficaram preservados registrados 1.819 nomes de marranos de presos ou suspeitos de judaísmo que viveram no Brasil somente no século XVII, totalizam 1.098 homens e 721 mulheres, destes 1.076 brasileiros foram presos durante o período colonial brasileiro e a maior parte deles foi acusada do crime de judaísmo, ou praticas sincréticas com a fé católica monopolizante da época. Somente os presos judaizantes receberam a pena capital, a morte na fogueira, que era feita nas praças. Outras práticas como a guarda do Sábado, ou jejum do "Dia Grande" (como alguns chamavam o Iom Quipur), acender velas na tarde de sexta-feira, etc eram submetidos a punições menores como interrogatórios violentos, muitas vezes com ferramentas de tortura, interrogatórios vexatórios na presença de toda família, inspeção domiciliar de vestimentas intimas, cordões, pulseiras ou de livros com escrita hebraica e ladina. Liberdade vijada ou açoitamento eram penas menores infligidas nesse caso a cristãos-novos se fossem pegos em tais práticas. O uso de espiões da igreja católica para a delação e testemunho desses judeus-secretos, ou praticantes do Criptojudaísmo era constante e equiparado aos mesmos crimes de bruxaria, lesbianismo, sodomia, assassinato e heresia.[2] Somente a descendência Judaica era suficiente para que qualquer cristão-novo fosse investigado.

Conhecidos no brasil como marranos durante a inquisição católica, ou atualmente no termo judeu como Benei-anussim (filhos-dos-forçados), estes judeus cristianizados à força, foram ao poucos se assimilando ao cristianismo católico e se convertendo de fato a ele, outros se tornaram adeptos do protestantismo holandês que lhes tinha melhor tratamento e eram amigáveis como os judeus, mas muitos permaneceram praticando o judaísmo em segredo, paralelamente às suas vidas de cristãos católicos, adotando uma máscara e representaram um duplo papel por quinhentos anos. Para todos os portugueses iniciou-se a “era dos cristãos-novos”. Pesquisas realizadas por uma equipe de historiadores da Universidade de São Paulo ampliaram consideravelmente os estudos sobre o marranismo, que se revelou um fenômeno totalmente diferente do europeu, um marranismo sui generis, que adquiriu características específicamente brasileiras. O novo habitat moldou um novo homem. O vasto continente, a selva, o clima, as diferentes culturas, o medo dos nativos, das moléstias, a luta pela sobrevivência, criaram uma psicologia que condicionou os cristãos-novos a realizarem empreendimentos inconcebíveis em outro contexto. Criou-se também um novo marranismo, influenciado pelas novas condições de vida. Atravessando o Atlântico, os conversos carregaram consigo para o Brasil uma bagagem cultural e heranças que nunca se apagaram de todo, mas se misturaram com representações católicas e ambientais. No Brasil, os cristãos-novos tiveram mais facilidade para se assimilarem, porém, mesmo integrados no sistema, assumiram sempre uma postura crítica no que tange a condições e religião obrigatórias. O pensamento aguçou-se frente à religião supersticiosa, e o ambiente brasileiro contribuiu muito para a sua religiosidade. [3]Tornaram-se cada vez mais descrentes e céticos, e pela sua crítica

religiosa podemos considerá-los pioneiros do pensamento ilustrado brasileiro. O maior número de marranos que deixou Portugal procurou ir para o Novo Mundo. Havia enormes dificuldades para sair do país, leis eram frequentemente promulgadas, proibindo-os de locomover-se. Fugir para o Brasil era muito mais fácil, pois as naus que saíam dos portos portugueses eram muitas vezes pilotadas por cristãos-novos, que ajudavam secretamente seus correligionários de fé. Segundo um viajante francês, 3/4 do povoamento inicial do Brasil, no século XVI, era constituídaode famílias luso-judaicas e exilados fugindo da fogueira da Santa inquisição. Como os documentos de imigração são raríssimos e os documentos da inquisição terem sido extraviados em sua grande maioria, estima-se que no brasil existam mais de 3.000.000 (3 milhões) de descendentes de judeus-portuguêses, algo que supera até mesmo a atual população dos cidadãos judeus de Israel, pois a quantidade das evidências e dos relatos de imigração no brasil colonial é tão absurda que se estes ainda falassem o hebraico, provavelmente até o idioma português do brasil teria tido até seu léxico alterado estimam vários etnólogos.[4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Diez, Maria Sanchez. «Mapped: Where Sephardic Jews live after they were kicked out of Spain 500 years ago». Quartz (em inglês). Consultado em 20 de abril de 2021. Cópia arquivada em 15 de abril de 2021 
  2. S.A, Priberam Informática. «sefaradita». Dicionário Priberam. Consultado em 14 de maio de 2022 
  3. «Sefaradita». CONIB - Confederação Israelita do Brasil. Consultado em 14 de maio de 2022 
  4. «1492: El Otro Caminho - Sofia - Bulgária» (em espanhol). Consultado em 26 de março de 2014 
  5. As Relações Económicas e Sociais das Comunidades Sefarditas Portuguesas, por Florbela Veiga Frade, Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2006
  6. Lazaridis, Iosif; Patterson, Nick; Mittnik, Alissa; Renaud, Gabriel; Mallick, Swapan; Kirsanow, Karola; Sudmant, Peter H.; Schraiber, Joshua G.; Castellano, Sergi (18 de setembro de 2014). «Ancient human genomes suggest three ancestral populations for present-day Europeans». Nature (7518): 409–413. ISSN 1476-4687. PMC 4170574Acessível livremente. PMID 25230663. doi:10.1038/nature13673. Consultado em 28 de outubro de 2023 
  7. a b c d e f g h i «Sephardim». Jewish Virtual Library (em inglês). Consultado em 26 de julho de 2023 
  8. «The Diaspora». Jewish Virtual Library. Consultado em 26 de julho de 2023 
  9. Martins, Alejandra (20 de janeiro de 2019). «A marca que a inquisição deixou na genética de populações da América Latina – inclusive do Brasil». BBC News Brasil. Consultado em 26 de julho de 2023 
  10. «O Vale dos Hereges: Belmonte, a vila de Portugal onde os judeus passaram cinco séculos sem contato com o mundo». UOL TAB. 24 de novembro de 2022. Consultado em 26 de julho de 2023 
  11. Ostrer, Harry; Skorecki, Karl (10 de outubro de 2012). «The population genetics of the Jewish people». Human Genetics (em inglês) (2): 119–127. ISSN 1432-1203. PMC 3543766Acessível livremente. PMID 23052947. doi:10.1007/s00439-012-1235-6. Consultado em 26 de julho de 2023 
  12. «Governo espanhol quer conceder cidadania a judeus sefardis». 25 de março de 2014. Consultado em 26 de março de 2014 
  13. «Aprobado el proyecto de ley de concesión de la nacionalidad española a sefardíes.». 11 de junho de 2014. Consultado em 12 de Fevereiro de 2015 
  14. «Ley de concesión de nacionalidad a sefardíes originarios de España» (em espanhol). Consultado em 14 de maio de 2020 
  15. «Falsa lista de apellidos sefardíes provoca un efecto llamada para solicitar la ciudadanía española» (em espanhol). 2 de abril de 2014. Consultado em 12 de Fevereiro de 2015 
  16. «::: Lei n.º 37/81, de 03 de Outubro». www.pgdlisboa.pt. Consultado em 31 de dezembro de 2016 
  17. «Brasileiros comprovam descendência com judeus sefarditas e conseguem cidadania portuguesa». 10 de janeiro de 2019. Consultado em 14 de maio de 2020 
  18. André Teixeira (17 de maio de 2017). «Família brasileira descobre vínculo com judeus expulsos da Europa há 5 séculos para obter cidadania portuguesa». Consultado em 14 de maio de 2020 
  19. Marcos Sampaio (17 de setembro de 2014). «Estudo genealógico traça origens do povo nordestino». Jornal O Povo. Consultado em 14 de maio de 2020 
  20. [1]

Literatura[editar | editar código-fonte]

  • Richard Zimler O Último Cabalista de Lisboa, Meia-Noite ou o Princípio do Mundo, Goa ou o Guardião da Aurora, À Procura de Sana, A Sétima Porta

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bensoussan, David L’Espagne des trois religions, L’Harmattan, Paris, 2007 ISBN 978-2-296-04134-9
  • Malka, Victor Les Juifs Sépharades, Presses universitaires de France, coll. Que sais-je ?, Paris, 1986, ISBN 3 13 039328 4 Erro de parâmetro em {{ISBN}}: soma de verificação 124
  • Mazower, Mark. Salonica, city of Ghosts. 2005
  • Molho, Michael. Les Juifs de Salonique. 1956.
  • Molho, Rena, La destrucción de la judería de Salónica.
  • Patrik von zur Mühlen, Huída a través de España y Portugal (J.H.W. Dieta Nachf. Bonn)
  • Pulido Fernández, Ángel, Los isrealitas españoles y el idioma castellano. Riopiedras. 1993.
  • Santa Puche, Salvador, Judezmo en los campos de exterminio.
  • Santa Puche, Salvador, Testimonio XXXI: Drita Tutunovic. 2002. Sefardí de Belgrado.
  • Saporta y Beja, Refranes de los judíos sefardíes: y otras locuciones típicas de los sefardíes de Salónica y otros sitios de Oriente. Ameller/Riopiedras. 1978
  • Touboul-Tardieu, Eva Séphardisme et hispanité, Paris, 2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre judaísmo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.