Luís Gonzaga da Silva Leme

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Silva Leme)
Ir para: navegação, pesquisa
Luiz Gonzaga da Silva Leme
Nascimento 3 de agosto de 1852
Bragança Paulista
Morte 13 de janeiro de 1919 (66 anos)
São Paulo
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Advogado, engenheiro civil, historiador, genealogista

Luiz Gonzaga da Silva Leme (Bragança Paulista, 3 de agosto de 1852São Paulo, 13 de janeiro de 1919) foi um advogado, engenheiro civil, historiador e genealogista brasileiro. Tornou-se especialmente conhecido por ter organizado a obra Genealogia Paulistana, que narra a linhagem da elite de São Paulo.

Panorama da Época[editar | editar código-fonte]

Filiação[editar | editar código-fonte]

Silva Leme é filho do coronel da Guarda Nacional e fazendeiro Luís Manuel da Silva Leme e de Carolina Eufrásia de Morais. Durante a infância, ele morou na cidade de Bragança Paulista, no interior do estado de São Paulo.[1] O pai dele, coronel Luís Manuel começou a trabalhar muito cedo na lavoura de café, como forma de assegurar recursos para criar os filhos. Ele também participou da política, sendo chefe do Partido Conservador em Bragança e vereador da Câmara Municipal.[1]

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Silva Leme sempre se destacou pela capacidade intelectual. Isso fez com que fosse muito bem-sucedido em todas as áreas que ele escolheu atuar no futuro.[1]

A casa da família Silva Leme era, muitas vezes, local de encontros políticos que definiriam o futuro da cidade de Bragança. É por isso que os filhos, incluindo Luiz Gonzaga da Silva Leme, cresceram em um ambiente de engajamento político.[1]

Vida Profissional[editar | editar código-fonte]

Início dos Estudos Acadêmicos[editar | editar código-fonte]

Foi no Seminário de São Paulo que Silva Leme fez seus estudos preparatórios. Em 1872, matriculou-se na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, da Universidade de São Paulo, onde bacharelou-se em 31 de outubro de 1876. Mas resolveu mudar os planos e guinar a carreira para a área de exatas, desistindo da área jurídica.[2]

Logo depois, seguiu para os Estados Unidos da América, onde começou o curso de engenharia civil no Instituto Politécnico de Rensselaer, na cidade de Troy, estado de Nova Iorque. Formou-se em junho de 1880.[3]

Experiências profissionais[editar | editar código-fonte]

Quando ainda era estudante do quarto ano de engenharia, trabalhou com uma equipe de engenheiros do governo estadunidense com o objetivo de melhorar o rio Missouri, na cidade de Omaha, estado de Nebraska.[2] Como ajudante, integrou a turma encarregada da triangulação e sondagens para o levantamento da carta hidrográfica do rio.

Em 1880, ocupou o lugar de chefe de seção na construção da estrada de ferro de Jacksonville a Waycross, na Flórida. Retornou ao Brasil em 1881 e foi ajudante do engenheiro Antônio Francisco de Paula Sousa. Mais tarde, tornou-se chefe de seção, na construção da estrada de ferro que ia de Rio Claro a São Carlos. Quando concluída, no ano de 1883, esta mesma estrada de ferro foi prolongada até a cidade de Araraquara.

Silva Leme foi nominado engenheiro-chefe para acabar a construção da estrada de ferro bragantina, inaugurada em 6 de agosto de 1884. Nomeado inspetor geral desta estrada, permaneceu neste posto até 1898, ano que começou a dedicar-se as pesquisas da sua obra genealógica.[3] Depois de começar as pesquisas, abandonaria a profissão de engenheiro.

Ele também construiu a capela de Pirapora, dirigiu a construção do Colégio de São Norberto e inaugurou o abastecimento de água. (PESQUISAR FONTES)

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Casou com Maria Fausta da Silva Macedo em São Paulo, em 1883, na capela do seminário episcopal. Ela era filha do capitão do exército Francisco de Assis de Araújo Macedo e Maria Antônia da Silva Macedo. O casal morou em São Paulo e teve nove filhos, sendo eles Maria Ester, Maria Nazaré, Maria Adelaide, José Antônio, Raul, Maria de Lourdes, José Hildebrando, José Sizenando e Maria Bernadete.[2]

Obra[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Genealogia Paulistana
Primeiro volume de Genealogia Paulistana, de Silva Leme.

Silva Leme é considerado um importante autor sobre genealogia no Brasil. Intitulada Genealogia Paulistana, a obra aborda a história e linhagens das famílias paulistas tradicionais e ficou muito conhecida. Ela foi publicada em oito volumes de 550 páginas cada um. As publicações começaram a partir do ano de 1901 e foram até o ano de 1905. O nono volume é o índice, que inclui os desenhos de árvores genealógicas.[3] Ele também dividiu a obra com 56 títulos e com uma introdução de 7 capítulos.[4]

A obra foi impressa pela casa "Duprat & Comp", na Rua Direita, em São Paulo. Para escrevê-la, o autor passou 12 anos da sua vida pesquisando arquivos em bibliotecas públicas, coleções particulares e sebos no estado de São Paulo e também em outros estados, inventários, testamentos e registros paroquiais. Como estava focado nesta obra, abandonou as outras atividades profissionais.[5]

Na época em que publicou os seus trabalhos, as genealogias eram usadas como forma de reconstruir o passado de famílias brasileiras e desvendavam quais familiares tinham realizado feitos nobres ou heroicos, ou então, analisavam o passado como forma de justificar as ações do presente. Para construir as genealogias, era comum buscar informações nos registros paroquiais, que também eram feitos para registrar atos e rituais da comunidade cristã. Até hoje, eles são usados para investigar o passado das populações.[6]

Silva Leme levou em conta aspectos do contexto histórico, como o bandeirantismo, a exploração de populações indígenas, a mistura de culturas, como a alemã e a italiana, a economia cafeeira. Ele fez questão de enumerar cada membro da família, registrando características genealógicas essenciais, como a data e o lugar de nascimento, de casamento e de falecimento, assim como trabalhos e atividades que a pessoa fez.[7]

A partir da Genealogia Paulistana é possível acompanhar as mudanças migratórias das famílias. Com isso, acompanha-se o povoamento e a ocupação de parte do território brasileiro. A região analisada correspondia ao atual estado de São Paulo, incluindo o litoral, o planalto do Estado do Paraná e o litoral de Santa Catarina, e foi uma área que começou a ser povoada a partir do ano de 1532. Tinha 21 vilas e alguns distritos até a primeira metade do século XVIII.[7]

A obra de Silva Leme é uma atualização e ampliação do predecessor Pedro Taques de Almeida Pais Leme, chamada Nobiliarquia Paulistana, escrita no século XVIII.[5] Pedro Taques, curiosamente, era parente de Silva Leme.

Críticas[editar | editar código-fonte]

Muitos criticam a obra como um estudo das elites por levar em conta apenas 52 famílias, tidas como fundadoras. Outros acreditam que ela aborda questões históricas, sociais, de espaço e relações de poder.[7]

Como parecer sobre a sua obra, em 1903, Silva Leme escreveu: "Não foi ela inspirada na vaidade de ostentar os brasões de armas que provam a nobreza de nossos antepassados, e sim na necessidade que temos de guardar as tradições de família e satisfazer a curiosidade justificada, que nos leva a perguntar de onde viemos, a que nacionalidades embora remotamente nos filiamos pelos laços de sangue, e quais os feitos que enobreceram aos nossos antepassados, gravando seus nomes na história de nossa pátria".

Falecimento e homenagens[editar | editar código-fonte]

Faleceu no dia 13 de janeiro de 1919. A morte aconteceu no mesmo Estado em que ele nasceu, no Estado de São Paulo. Silva Leme era membro da Sociedade de Engenheiros de Rensselaer e do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo.[2] Também foi sócio correspondente do Centro de Ciências e Artes de Campinas, em São Paulo. Foi agraciado pela Santa Sé com o grau de cavaleiro da Ordem de São Gregório Magno, e, em 1900, foi condecorado com a cruz "pro ecclesia et pontifice".[8]

Em 1957, foi inaugurada uma praça, antigo Parque das Pedras, em Bragança Paulista com o nome de "Dr. Luiz Gonzaga da Silva Leme". No mesmo local, encontra-se o busto de bronze de Silva Leme. A ideia de se fazer a estátua foi do Instituto Genealógico Brasileiro, mas a família de Silva Leme, representada pelo filho do genealogista Macedo Leme, resolveu custear a homenagem, oferecendo-a ao Instituto.[4]

Legado[editar | editar código-fonte]

O Instituto Genealógico Brasileiro faz ampla pesquisa de 18 anos para atualizar e continuar a obra de Silva Leme. Reuniram um grupo de estudiosos e entusiastas do trabalho de Silva Leme e começaram uma pesquisa para corrigir erros e publicar o dobro de volumes que o autor da Genealogia Paulistana havia publicado. Para que houvesse verbas para as publicações foi criada uma Fundação Genealógica Brasileira. O objetivo era que 30 volumes fossem publicados, abrangendo a história de todas as famílias brasileiras.[4]

Referências

  1. a b c d «Bragança-Jornal Diário». 21 de abril de 2013 
  2. a b c d «Portal do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Itapetininga» 
  3. a b c Silva Leme, Luiz Gonzaga (1905). Genealogia Paulistana. [S.l.]: Duprat Comp 
  4. a b c «Revista Genealógica Latina». Volumes 8-11 
  5. a b «Clássico da genealogia é reeditado em CD-ROM» 
  6. Hameister, Martha. «O uso dos registros batismais para o estudo de hierarquias sociais no período de vigência da escravidão» (PDF) 
  7. a b c Trindade, Jaelson. «DEMOGRAFIA DE POVOAMENTO: SÃO PAULO, 1532-1900, UM TERRITÓRIO EM CONSTRUÇÃO» 
  8. CBG, biografia: http://www.cbg.org.br/patronos_06.html

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  • Colégio Brasileiro de Genealogia - Patronos - Luiz Gonzaga da Silva Leme.