Sinhá Moça (filme)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sinhá Moça
Eliane Lage e Anselmo Duarte,
destaques no cartaz do filme.
 Brasil
1953 • P&B • 120 min 
Direção Tom Payne
Roteiro Fabio Carpi
Guilherme de Almeida
Maria Camila Dezonne Pacheco Fernandes
Tom Payne
Oswaldo Sampaio
Carlos Vergueiro
Elenco Eliane Lage
Anselmo Duarte
Ruth de Souza
Abílio Pereira de Almeida
Renato Consorte
Eugênio Kusnet
Género drama
Idioma Português
Página no IMDb (em inglês)

Sinhá Moça é um filme brasileiro de 1953, produzido pela Vera Cruz e dirigido por Tom Payne, baseado no romance homônimo de Maria Dezonne Pacheco Fernandes. Destaque para a atuação de Ruth de Souza.

A locação da casa sede do filme se deu na Fazenda Morumbi, no bairro do Morumbi, em São Paulo. A cidade de Salto, no interior paulista, onde o filme foi rodado, serviu como cenário no qual ocorre a história.

Elenco[editar | editar código-fonte]

  • Eliane Lage - Sinhá Moça
  • Anselmo Duarte - Rodolfo Fontes
  • Ester Guimarães - Cândida Ferreira
  • José Policena - coronel Lemos Ferreira
  • Ruth de Souza - Sabina
  • Eugênio Kusnet - frei José
  • Marina Freire - Clara
  • Lima Neto - dr. Fontes
  • Virgínia Ferreira - Vírginia
  • Henricão - Justino
  • Labiby Madi - dona Osória
  • Ricardo Campos - Benedito
  • Amélia Souza - Lucinda
  • João da Cunha - Fulgêncio
  • Domingos Terra - Camargo
  • Artur Herculano - boticário
  • Abílio Pereira de Almeida - promotor
  • Renato Consorte - mestre-escola
  • Maurício Barroso - oficial
  • Major Bradaschia - comandante Ponte
  • Abílio F. Guimarães - major reformado
  • Danilo Oliveira - chefe da estação
  • Oswaldo Barros - chefe do correio
  • Valfredo A. Caldas - aposentado
  • João Ribeiro Rosa - juiz de paz

Enredo[editar | editar código-fonte]

Na pequena cidade de Araruna, no fim do século XIX, as contínuas fugas de escravos alarmavam os grandes fazendeiros, em especial o coronel Ferreira (José Policena). É nessa ocasião que sua filha Sinhá Moça (Eliane Lage) regressa de São Paulo, dominada pelos ideais abolicionistas. Em sua viagem de volta, ela conhece Rodolfo Fontes (Anselmo Duarte), filho de um renomado médico de Araruna e advogado recém-formado. No primeiro instante os dois jovens sentem-se mutuamente atraídos, porém, Rodolfo a decepciona ao se mostrar um defensor dos escravocratas. Um dos escravos, o jovem Fulgêncio, se revolta contra os maus tratos do coronel Ferreira e de seu cruel capataz Benedito e é severamente punido. Esse fato causa uma grande rebelião liderada pelo irmão de Fulgêncio, Justino, que leva ao incêndio da senzala e fuga em massa dos escravos. Justino vai a julgamento por assassinato e, para surpresa de todos, Rodolfo serve-lhe de advogado de defesa. Os abolicionistas, entre eles Sinhá Moça, assistem ao julgamento com grande expectativa. É quando chega um mensageiro dando a notícia de que a escravidão acabara de ser abolida no Brasil.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Leão de Bronze (Menção Honrosa)[1]
Urso de Prata (Menção Honrosa)
Melhor filme do ano pelo tema social
Melhor Coadjuvante Masculino (Eugênio Kusnet, João da Cunha e Ricardo Campos)
Melhor Cenografia (João Maria dos Santos)
  • Associação Brasileira de Cronistas Cinematográficos (1953)[1]
Melhor Cenografia (João Maria dos Santos)
Melhor Produtor (Edgar Batista Pereira)
Melhor Atriz (Eliane Lage)
Melhor Atriz Secundária (Ruth de Souza)
  • Prêmio O Índio (1953) da revista Jornal de Cinema[1]
Melhor Ator Secundário (Henricão)
Melhor Atriz Secundária (Ruth de Souza)
Melhor Cenografia (João Maria dos Santos)
Prêmio Ofício Católico do Cinema

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h Dados da filmografia. Cinemateca Brasileira. Página visitada em 3/8/2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o portal: