Socialistas Democráticos da América

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Socialistas Democráticos da América
Democratic Socialists of America
Líder Maria Svart
Fundação 1982
Sede 75 Maiden Lane Suite 505, Nova York,  Estados Unidos
Ideologia Socialismo democrático
Ecossocialismo
Feminismo socialista
Anti-capitalismo
Anti-imperialismo
Antirracismo
Facções internas:
Social-democracia
Populismo de esquerda
Espectro político Esquerda
Membros 48.000 (2018)
Afiliação internacional Internacional Socialista (até 2017)
Cores Vermelho
Página oficial
dsausa.org

Socialistas Democráticos da América (em inglês: Democratic Socialists of America, DSA) é uma organização política multi-tendência de orientação democrática, socialista, social democrata e trabalhista nos Estados Unidos.[1] É muitas vezes afiliada a outros partidos políticos e/ou organizações. Membro da Internacional Socialista (IS) desde sua fundação em 1982, a DSA votou por deixá-la em agosto de 2017, pela aceitação da SI de políticas econômicas que a DSA percebeu como neoliberais.[2]

Membros do DSA marchando durante o Occupy Wall Street em 2011

O DSA tem suas raízes no Partido Socialista da América (SPA), cujos líderes mais proeminentes incluíam Eugene V. Debs, Norman Thomas e Michael Harrington.[3] Em 1973, Harrington, líder de uma facção minoritária que se opôs a guinada à direita da SPA e sua transformação em Social-Democrats, USA (SDUSA) durante a convenção nacional do partido em 1972, formou o Democratic Socialist Organizing Committee (DSOC). Outra facção que se dividiu após a convenção foi o Partido Socialista dos EUA (SPUSA), que permanece um partido político independente. O DSOC, nas palavras de Harrington "o remanescente de um remanescente", logo tornou-se o maior grupo socialista democrático nos Estados Unidos. Em 1982, fundiu-se com a New American Movement (NAM), uma coalizão de intelectuais com raízes nos movimentos da Nova Esquerda dos anos 1960 e ex-membros de partidos socialistas e comunistas da esquerda tradicional, para formar a DSA.[4]

Inicialmente, a organização consistia de cerca de 5.000 ex-membros do DSOC e 1.000 ex-membros do NAM . Após a fundação do DSA, Harrington e a autora socialista feminista  Barbara Ehrenreich foram eleitos co-presidentes da organização. O DSA não lança seus próprios candidatos nas eleições, mas em vez disso, "luta por reformas [...] que irão enfraquecer o poder das empresas multinacionais e aumentar o poder do povo trabalhador". Essas reformas incluem reduzir a influência do dinheiro na política, capacitar pessoas comuns em ambientes de trabalho e na economia e reestruturar relações culturais e de gênero  a serem mais igualitárias.[5] A organização, por vezes, tem endossado candidatos democratas, notavelmente Walter Mondale, Jesse Jackson, John Kerry, Barack Obama e Bernie Sanders — e o candidato do Partido Verde Ralph Nader.

O DSA é não só, de longe, a maior organização socialista nos Estados Unidos no século 21, mas também a maior organização socialista nos Estados Unidos em mais de um século.[6][7] Até o final de 2017, o número de filiados havia subido para 32.000, principalmente devido ao influxo de jovens em reação à presidência de Donald Trump. Em julho de 2018, a adesão atingiu 47,000[8] e o número de capítulos locais aumentou de 40 para 181.[9] A idade média de seus membros é de 33 anos, em comparação a 68, em 2013.[10] Na eleição de 2017, quinze candidatos membros da DSA foram eleitos em treze estados, notadamente Lee Carter na câmara dos Delegados da Virgínia, somando-se aos vinte membros já ocupando cargos eletivos em todo o país.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências