sudo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Sudo
Logótipo
Captura de tela
Sudo no Ubuntu
Desenvolvedor Todd C. Miller
Modelo do desenvolvimento Software livre
Lançamento 1980 (40–41 anos)
Versão estável 1.9.5p2 (26 de janeiro de 2021; há 5 meses)
Versão em teste 1.9.4rc2 (24 de novembro de 2020; há 7 meses)
Escrito em C
Sistema operacional Unix-like
Gênero(s) Autorização de privilégio
Licença Estilo-ISC
Estado do desenvolvimento Ativo
Página oficial www.sudo.ws

O comando sudo do sistema operacional Unix permite a usuários comuns obter privilégios de outro usuário, em geral o super usuário, para executar tarefas específicas dentro do sistema de maneira segura e controlável pelo administrador. O nome é uma forma abreviada de se referir a substitute user do (fazer substituição do usuário) ou super user do (fazer como super usuário).

História[editar | editar código-fonte]

sudo foi desenvolvido por Bob Coggeshall e Cliff Spencer nos anos 80.[1] A versão atual é mantida por Todd C. Miller e distribuída sob uma licença do tipo BSD.[1]

Uso e funcionamento[editar | editar código-fonte]

Um super usuário precisa definir no arquivo /etc/sudoers quais usuários podem executar sudo, em quais computadores podem fazê-lo e quais comandos podem executar através dele. Por ser uma tarefa delicada em termos de segurança a edição direta deste arquivo não é recomendada. Para isso foi criada a ferramenta denominada visudo que invoca um editor para uma cópia do arquivo /etc/sudoers e em seguida verifica o conteúdo do arquivo antes de substituir a configuração atual.

Um usuário que esteja inscrito no /etc/sudoers pode invocar o comando da seguinte forma:

sudo [-u usuário] comando

Onde comando é o comando que deseja executar. A opção -u usuário serve para especificar qual usuário deve ser utilizado para executar o comando, se omitida sudo considera o usuário root.

Antes do comando ser executado, sudo confirma a identidade do usuário pedindo sua própria senha. Se o usuário tem permissão garantida na configuração, o comando é executado como super usuário e retorna. A linha de comando continua sendo a do usuário que executou sudo e não a do super usuário.

Caso sudo seja executado de forma não permitida pela configuração, um registro da ocorrência é feito no arquivo /var/log/auth.log.

Distribuições[editar | editar código-fonte]

Algumas distribuições Linux desabilitam o super usuário e exigem que todas as tarefas administrativas sejam realizadas através do sudo. Ubuntu é um exemplo destas distribuições.

Apesar do super usuário ser desativado na distribuição Ubuntu, o mesmo pode ser ativado executando passwd através do sudo, atribuindo uma senha para root.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Miller, Todd C. «A Brief History of Sudo». Consultado em 8 de abril de 2013. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2007 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Informática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.