The Comedians

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Comedians
Os comediantes (PT)
Os farsantes (BR)
 Estados Unidos
1967 •  cor •  147 min 
Direção Peter Glenville
Produção Peter Glenville
Roteiro Graham Greene
Elenco Richard Burton
Elizabeth Taylor
Alec Guinness
Gênero Drama
Política
Música Laurence Rosenthal
Distribuição Metro-Goldwyn-Mayer
Lançamento 1967
Idioma Inglês
Página no IMDb (em inglês)

The Comedians (br:Os farsantes / pt.: Os comediantes) é um filme de drama estadunidense de 1967 produzido e dirigido por Peter Glenville para a MGM. O roteiro é de Graham Greene que adaptou livro próprio homônimo para o cinema. A história se passa no Haiti durante o governo ditatorial de Papa Doc Duvalier mas as filmagens foram na República do Daomé.

Este é o sétimo de 11 filmes em que Richard Burton e Elizabeth Taylor trabalham juntos. Os demais foram Cleópatra (1963), Gente Muito Importante (1963), Adeus às Ilusões (1965), Quem Tem Medo de Virginia Woolf? (1966), A Megera Domada (1967), Dr. Faustus (1967), O Homem que Veio de Longe (1968), Ana dos Mil Dias (1969), Unidos pelo Mal (1972) e Divórcio Dele, Divórcio Dela (1973).

O papel de Elizabeth Taylor foi originalmente oferecido a Sophia Loren[1].

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um navio chega a Porto Príncipe, Haiti, transportando quatro passageiros: Major H. O. Jones, um empresário britânico com um convite do governo; o casal de anciões norte-americanos Senhor e Senhora Smith que pretendem investir num complexo educacional e nutricionista vegetariano para os nativos, e o cínico hoteleiro Brown, que retorna dos Estados Unidos após fracassar em vender seu hotel que recebera de herança materna. Na chegada, o Major Jones é feito prisioneiro pelo Capitão Concasseur, brutal comandante dos Tonton Macoute, pois a autoridade com quem o negociante iria se encontrar fora deposta e aprisionada. Logo após a chegada, Brown vai para um encontro clandestino com a amante alemã Martha Pineda, esposa do embaixador uruguaio Manuel. Brown e o Senhor Smith vão visitar o major na prisão e logo depois ele é solto, descobrindo-se que oferecera armas para o novo governo de Papa Doc. Na embaixada, o hoteleiro encontra o médico Dr. Magiot e o pintor Henri Philipot, ambos haitianos e que conspiram para uma revolução armada contra o governo. Eles querem que Brown convença o major a liderar os rebeldes na guerrilha mas este avisa que o militar inglês estava em negócios com o governo do ditador. O sócio de Jones o trai e o major se torna foragido, então Brown o encontra e lhe fala sobre o plano dos rebeldes.

Produção[editar | editar código-fonte]

Devido as condições políticas do Haiti, as filmagens no local da história eram impossíveis. Então as locações foram realizadas no Daomé (atual Benin) e ao longo da Côte d'Azur na França. Um curta-metragem promocional com o título de The Comedians in Africa foi lançado em 1967 e conta as dificuldades enfrentadas no trabalho pela equipe técnica e elenco. O filme apresentou um grupo de atores afro-americanos que ficariam conhecidos na década seguinte: Raymond St. Jacques, James Earl Jones e Cicely Tyson. Tyson e Jones receberiam indicações ao Óscar na sequência das carreiras. Outros afro-americanos são Zakes Mokae, Roscoe Lee Browne, Gloria Foster e Georg Stanford Brown.

Foi o último filme de Glenville, que três anos antes dirigira o astro Burton no premiado Becket.

Premiações[editar | editar código-fonte]

Globo de Ouro[editar | editar código-fonte]

National Board of Review of Motion Pictures[editar | editar código-fonte]

  • Paul Ford venceu como "Melhor Ator Coadjuvante"

Kansas City Film Critics Circle Award[editar | editar código-fonte]

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Para fazer com que Elizabeth Taylor baixasse seu salário, que estava em torno de US$ 1 milhão por filme na época, o produtor e diretor Peter Glenville lhe disse que ofereceria a personagem Martha Pineda a Sophia Loren. Taylor imediatamente aceitou cortar seu salário pela metade e assinou contrato para estrelar o filme.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]