Vasco Pereira Coutinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Vasco Manuel de Quevedo Pereira Coutinho, 1.º Marquês de Pereira Coutinho (título Espanhol) (Lisboa, 13 de Maio de 1952) é um empresário português.

Família[editar | editar código-fonte]

Filho mais velho de Diogo Manuel de Castro Constâncio Pereira Coutinho e de sua primeira mulher Maria José Carlota de Castro Coutinho de Quevedo Pessanha, bisneta do 1.º Barão da Quinta do Ferro e 1.º Visconde da Quinta do Ferro e do 1.º Visconde de Portalegre e trineta do 1.º Visconde de Castelo Branco e do 1.º Barão de Oleiros e 1.º Visconde de Oleiros, e irmão do também empresário João Pereira Coutinho.[1] [2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Um dos Herdeiros do Trono Pereira Coutinho mas atuando em separado do seu irmão nos negócios, Licenciado em Ciências Económicas e Financeiras pelo Instituto Superior de Economia e Finanças da Universidade Técnica de Lisboa, é investidor no imobiliário, sendo dono das imobiliárias Temple e da Gef, uma gestora de fundos imobiliários.[3]

O jornal "Semanário" classifica-o como um dos maiores empresários portugueses e diz que fez fortuna com o negócio da Autoeuropa. O último negócio pelo qual deu a cara foi a construção de uma fábrica de torrefação de café em Macau, um investimento de 19.500.000€00.[3]

Através da Temple, Vasco Pereira Coutinho tem um projecto de urbanização (Campolide Parque) para uma área de 133.000 m² em Lisboa, um investimento de 250.000.000€00, e já apresentou uma proposta para construir na chamada Quinta do Estado, Venda Nova, concelho da Amadora, tendo contratado para o efeito o mediático arquiteto Norman Foster.[3]

Os seus negócios imobiliários espalham-se por São Paulo, no Brasil, Angola e China enquanto em Portugal as apostas mais fortes passam por Lisboa, Porto, Algarve e Alentejo.[3]

Vive num palacete em Lisboa, ao qual soma a Quinta de Mata-Mouros, em Silves e um castelo, o Forte de São João do Arade, em Ferragudo, no Algarve.[4]

Mergulhador, tem um iate a motor e chegou a montar a cavalo diariamente o que lhe valeu o título de campeão ibérico em juniores, sendo também, como seu irmão, um desportista adepto de veículos motorizados.[4]

Título[editar | editar código-fonte]

Juan Carlos I de Espanha, a 7 de Abril de 2011, concedeu-lhe o título de 1.º Marquês de Pereira Coutinho.[5]

Casamento e descendência[editar | editar código-fonte]

Casou em Lisboa a 24 de Julho de 1975 com Isabel Maria de Carvalho Machado da Silva, filha de Manuel Paulo Machado da Silva (1926) e de sua mulher Ana Maria Emília da Mota Veiga Pacheco Teixeira Gomes da Silva Carvalho (1931),[1] [6] de quem tem dois filhos:

  • Vasco Machado da Silva Pereira Coutinho (Lisboa, 15 de Dezembro de 1978), casado civilmente em Lisboa, a 17 de Abril de 2009 com Patrícia Maia de Loureiro Rebelo Pinto (Lisboa, São Sebastião da Pedreira, 3 de Abril de 1973), casada primeira vez a 20 de Setembro de 1997 com Alexandre Tomé Vieira de Almeida (Lisboa, Nossa Senhora de Fátima, 12 de Abril de 1964), divorciados, sem geração, de quem tem duas filhas:
    • Maria Luísa Rebelo Pinto Pereira Coutinho (Lisboa, Santa Maria dos Olivais, 23 de Setembro de 2008)
    • Isabel Rebelo Pinto Pereira Coutinho (Lisboa, Encarnação, 4 de Janeiro de 2010)
  • Diogo Machado da Silva Pereira Coutinho (Lisboa, 3 de Julho de 1981)

Referências

  1. a b "Livro Genealógico das Famílias desta Cidade de Portalegre", de Manuel da Costa Juzarte de Brito, Nuno Gonçalo Pereira Borrego e Gonçalo Manuel de Melo Gonçalves Guimarães, 1.ª Edição, Lisboa, 2002, p. 133
  2. "Anuário da Nobreza de Portugal - 2006", António Luís Cansado de Carvalho de Matos e Silva, Dislivro Histórica, 1.ª Edição, Lisboa, 2006, Tomo IV, p. 395
  3. a b c d Título não preenchido, favor adicionar. Jornal de Negócios.
  4. a b Título não preenchido, favor adicionar. Correio da manhã.
  5. Título não preenchido, favor adicionar (PDF) (em espanhol). Boe.es.
  6. "Anuário da Nobreza de Portugal - 2006", António Luís Cansado de Carvalho de Matos e Silva, Dislivro Histórica, 1.ª Edição, Lisboa, 2006, Tomo IV, p. 395