Vicente Jorge Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vicente Jorge Silva
Deputados à Assembleia da República
Período 2002
a 2004
Dados pessoais
Nome completo Vicente Jorge Lopes Gomes da Silva
Nascimento 8 de novembro de 1945
Funchal, Madeira
Morte 8 de setembro de 2020 (74 anos)
Lisboa
Nacionalidade portuguesa
Partido independente
Profissão jornalista
realizador

Vicente Jorge Lopes Gomes da Silva (Funchal, 8 de novembro de 1945[1]8 de setembro de 2020) foi um jornalista, político e cineasta português.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Na infância Vicente Jorge Silva apaixona-se pelo cinema e lê com interesse as críticas da revista Imagem.[3] Já adolescente é convidado a escrever artigos sobre filmes na página Foco, do Jornal da Madeira, sendo compulsivamente proibido de o fazer, por escrever sobre filmes para maiores de 17 anos e fazer a defesa do «amor livre».[3]

Aos 15 anos foi expulso do liceu no Funchal, indo prosseguir os estudos no continente. Aos 18 viajou para França, onde foi operário numa fábrica de colas e fez amizade com Maria Lamas. Seguiu para o Reino Unido, onde lavou pratos e serviu à mesa, e esteve prestes a ingressar num curso de cinema. Contudo, foi-lhe recusado o prolongamento do visto pelo Consulado português, o que determinou o seu regresso à Madeira.[3]

Quando voltou à sua ilha, Vicente Jorge Silva assume, corria o ano de 1966, a direção do jornal Comércio do Funchal, que desempenhou um importante papel na renovação da imprensa regional portuguesa, conotado com a oposição ao regime salazarista.[3]

Em 1974 o jornalista ingressou no Expresso, fundado dois anos antes, onde exerceu as funções de chefe de redação e de diretor-adjunto.[3] Cofundador e primeiro diretor do jornal Público, iniciado em 1990,[2] foi ele o pai da expressão «Geração rasca», utilizada num editorial por si assinado por altura das manifestações estudantis contra Manuela Ferreira Leite, então Ministra da Educação do Governo de Aníbal Cavaco Silva.[4]

Foi colunista do Diário Económico e do Diário de Notícias, colaborou com o semanário Sol.[5]

Como realizador de cinema foi autor de O Limite e as Horas (1961), O Discurso do Poder (1976), Vicente Fotógrafo (1978), Bicicleta - Ou o Tempo Que a Terra Esqueceu (1979), A Ilha de Colombo (1997). Porto Santo (1997), seu último trabalho no cinema, foi exibido no Festival Internacional de Genebra.[5][6]

Foi deputado à Assembleia da República pelo Partido Socialista (PS), eleito pelo círculo eleitoral de Lisboa nas eleições de 2002. Renunciou a meio do mandato.[5][7]

Foi também comentador na SIC Notícias.[8]

Referências

  1. Perfil no site da Assembleia da República
  2. a b Porto, Rita (8 de setembro de 2020). «Morreu Vicente Jorge Silva, co-fundador e primeiro diretor do jornal Público». Observador. Consultado em 8 de setembro de 2020 
  3. a b c d e RTP Madeira (18 de Março de 2016). «Episódio 11». Uma Vida, Uma História. RTP Play. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  4. Silva, José Miguel. «Geração À Rasca (outra vez)». Observador. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  5. a b c Pereira, Ana Cristina. «Morreu Vicente Jorge Silva (1945-2020): um jornalista exigente que fez história no jornalismo». PÚBLICO. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  6. Mairos, Olímpia (8 de setembro de 2020). «Morreu Vicente Jorge Silva, fundador e primeiro diretor do jornal "Público" - Renascença». Rádio Renascença. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  7. «O jornalismo, o cinema e a política: recorde a entrevista a Vicente Jorge Silva». www.sabado.pt. Consultado em 21 de setembro de 2020 
  8. «SIC Notícias | Morreu Vicente Jorge Silva aos 74 anos». SIC Notícias. Consultado em 21 de setembro de 2020 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.