Maria Lamas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
Maria Lamas
Nome completo Maria da Conceição Vassalo e Silva da Cunha Lamas
Pseudónimo(s) Serrana d'Ayre, Rosa Silvestre
Nascimento 6 de outubro de 1893
Torres Novas, Portugal
Morte 6 de dezembro de 1983 (90 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade portuguesa
Cônjuge Teófilo José Pignolet Ribeiro da Fonseca (1910-1921, 2 filhas)

Alfredo da Cunha Lamas (1921-1936, 1 filha)

Ocupação Escritora, tradutora, jornalista e interventora política.
Magnum opus Mitologia geral: o mundo dos deuses e dos heróis

Maria da Conceição Vassalo e Silva da Cunha Lamas OSEGOL (Torres Novas, 6 de Outubro de 1893Lisboa, 6 de Dezembro de 1983) foi uma escritora, tradutora, jornalista, e conhecida activista política feminista portuguesa[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Maria Lamas nasceu a 6 de Outubro de 1893 em Torres Novas, distrito de Santarém, filha de Maria da Encarnação Vassalo e Silva (1869-1922) e de Manuel Caetano da Silva, irmã mais velha de 4 irmão, dos quais Manuel António Vassalo e Silva.

Fez os seus estudos na escola primária do Conde Ferreira e completou os seus estudos no Colégio Religioso Jesus, Maria, José, em Torres Novas.

Casou pela primeira vez em 1911 com Teófilo José Pignolet Ribeiro da Fonseca (1886), um oficial da Escola Prática de Cavalaria de Torres Novas. Nesse ano partem para Capelango, Angola, onde viria a nascer a primeira filha, Maria Emília. Em 1913 nasce Maria Manuela (em Torres Novas) num momento de ruptura do casal. O divórcio foi sentenciado em 1920[2].

Em 1921 casou em segundas núpcias com o jornalista Alfredo da Cunha Lamas de quem teve uma filha, Maria Cândida. Divorcia-se outra vez em 1936.

Simpatizante do PCP, esteve ligada à Oposição Democrática durante o Estado Novo. Entre 1962 e 1969 viveu em Paris como exilada política, habitando o Grand Hotel Saint-Michel, no Quartier Latin, onde conheceu Marguerite Yourcenar, e onde desenvolveu intensa actividade política e de apoio a portugueses refugiados em oposição ao regime fascista.

Nas suas obras utilizou diversos pseudónimos como por exemplo "Serrana d’Ayre" e "Rosa Silvestre".

São especialmente dignas de nota as suas obras no âmbito da literatura infantil e no da etnologia, As Mulheres do meu País.

Como jornalista trabalhou em diversos jornais e revistas como O Almonda, A Joaninha, A Voz, Correio da Manhã, o suplemento do jornal o Século intitulado "Modas e Bordados" e na revista Mulheres, da qual foi directora.[3].

Intervenção política[editar | editar código-fonte]

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Humildes (poesia) (1923).
  • Diferença de Raças (romance) (1924).
  • O Caminho Luminoso (romance) (1928).
  • Maria Cotovia (livro infantil) (1929).
  • As Aventuras de Cinco Irmãozinhos (livro infantil) (1931).
  • A Montanha Maravilhosa (livro infantil) (1933).
  • A Estrela do Norte (livro infantil) (1934).
  • Brincos de Cereja (livro infantil) (1935).
  • Para Além do Amor (romance) (1935).
  • A Ilha Verde (livro infantil) (1938).
  • A Lenda da Borboleta (texto para projecto ilustrado de Roberto Araújo) (1940).[4]
  • O Vale dos Encantos (livro infantil) (1942).
  • O Caminho Luminoso (1942).
  • As Mulheres do Meu País (1948).
  • A Mulher no Mundo (1952).
  • O Mundo dos Deuses e dos Heróis, Mitologia Geral (1961).
  • Arquipélago da Madeira (1956).

Traduções[editar | editar código-fonte]

Prémios e homenagens[editar | editar código-fonte]

Em Torres Novas, em 1989, foi dado o nome da escritora à Escola Industrial de Torres Novas, na comemoração dos 50 anos da sua existência, passando a designar-se por "Escola Secundária Maria Lamas", e a uma praceta em outubro de 1987.

Espólio documental[editar | editar código-fonte]

O espólio documental de Maria Lamas encontra-se na Biblioteca Nacional de Portugal[6].

Referências

  1. http://www.leme.pt/biografias/80mulheres/lamas.html
  2. Maria Lamas: Vida e obra de Maria Lamas. Atualizar o pensamento. Abalar a indiferença. Almada, Movimento Democrático de Mulheres, 2017. ISBN 978 989 987 37 59
  3. FIADEIRO, Maria Antónia. Maria Lamas (1893-1983), Comprovadamente jornalista. Tacitamente feminista.
  4. [«A lenda da borboleta», um projeto de inclusão social], Redação de Cidade de Tomar.pt, 30 de Novembro de 2013
  5. a b «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Maria da Conceição Vassalo e Silva da Cunha Lamas". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 1 de junho de 2014 
  6. Espólio documental de Maria Lamas na Biblioteca Nacional de Portugal.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Ferreira, Eugénio Monteiro (Introdução e notas) (2004). Cartas de Maria Lamas. Correspondência entre Maria Lamas e o escritor angolano Eugénio Ferreira entre 1942 e 1968. Porto: Companhia das Letras. ISBN 972-610-667-2 
  • FIADEIRO, Maria Antónia. Maria Lamas. Site do Camões: Instituto da Cooperação e da Língua.
  • Fiadeiro, Maria Antónia (2003). Maria Lamas: Biografia. Lisboa: Quetzal Editores. ISBN 972-564-551-0 
  • INVERNO, Catarina Raquel Costa. Mulher no País de Maria Lamas: A Questão Sem Nome na Obra Para Além do Amor. Lisboa, 2010. Dissertação de Mestrado em Estudos sobre as Mulheres, "As Mulheres na Sociedade e na Cultura", apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa.
  • MACHADO, João. Maria Lamas. Site Vidas Lusófonas.
  • Maria Lamas: Vida e obra de Maria Lamas. Atualizar o pensamento. Abalar a indiferença. Almada, Movimento Democrático de Mulheres, 2017. ISBN 978 989 987 37 59
  • Marques, Regina (coord.) (2008). A Memória, a Obra e o Pensamento de Maria Lamas. Lisboa: Edições Colibri; Movimento Democrático de Mulheres. ISBN 9789727727919 
  • MASCARENHAS, João; MARQUES, Regina (coords.) (2005). Maria Lamas Uma Mulher do Nosso Tempo. Lisboa: Museu da República e da Resistência. ISBN 972-8695-26-8 
  • Mucznic, Lúcia Liba (coord) (1993). Maria Lamas: 1893–1983. Lisboa: Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro. ISBN 972-565-144-8 
  • O Grande Livro dos Portugueses. [S.l.]: Círculo de Leitores. 1991. ISBN 9724201430 
  • Literatura Portuguesa no Mundo – Dicionário Ilustrado. [S.l.]: Porto Editora. ISBN 972-0-01247-1 
  • Grande Enciclopédia Universal. [S.l.]: Durclub, S.A. – Correio da Manhã. ISBN 972-747-924-3 
  • A Enciclopédia. [S.l.]: Editorial Verbo – Público. ISBN 972-22-2302-x Verifique |isbn= (ajuda) 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]