Villebon-sur-Yvette

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Villebon-sur-Yvette
O hôtel de ville.
O hôtel de ville.
Brasão de armas de Villebon-sur-Yvette
Brasão de armas
Villebon-sur-Yvette está localizado em: França
Villebon-sur-Yvette
Localização de Villebon-sur-Yvette na França
Coordenadas 48° 42' 01" N 2° 13' 40" E
País  França
Região Blason France moderne.svg Ilha de França
Departamento Blason département fr Essonne.svg Essona
Administração
 - Prefeito Dominique Fontenaille (DVD)
Área
 - Total 7,41 km²
Altitude máxima 164 m
Altitude mínima 43 m
População (2010) [1]
 - Total 9 625
    • Densidade 1 298,9 hab./km²
Gentílico Villebonnais
Código Postal 91140
Código INSEE 91661
Sítio villebon-sur-yvette.fr

Villebon-sur-Yvette é uma comuna francesa, situada a vinte quilômetros a sudoeste de Paris, no departamento de Essonne na região da Ilha de França. É a sede do Cantão de Villebon-sur-Yvette.

Vila agrícola, até o fim do século XIX, localizada na extremidade do vale de Chevreuse, Villebon-sur-Yvette tem conhecido desde o início do século XX uma urbanização de pousadas e depois de residências com a chegada da ferrovia, que é agora uma comuna residencial da Região Parisiense. Impulsionada pela presença em seu território de um parque de atividades de Courtabœuf, do Grand Dôme e da área comercial de Villebon 2, se tornou uma das comunas mais "ricas" do departamento.

Seus habitantes são chamados de Villebonnais[2].

Toponímia[editar | editar código-fonte]

Villabona no século XII[3][4].

Em 1922 foi adicionada a referência ao rio para distinguir a comuna a partir de seu homônimo localizado em Eure-et-Loir.

História[editar | editar código-fonte]

As origens[editar | editar código-fonte]

Das escavações preventivas realizadas em Sablons, para a perfuração do túnel do TGV em 1984 foram descobertas quase trezentas peças, ferramentas e resíduos de grandes tamanhos, que datam do Paleolítico superior. Mais tarde, uma Villa-Bona galo-romana dará o seu nome a Villebon.

Uma lenda diz que em 451, santa Genoveva, depois de ter protegido a Paris do avanço dos Hunos parou para tomar uma bebida em uma fonte que leva seu nome no parque atual do castelo.

Em 745, o rei Pepino, o Breve doou o terreno de Palaiseau à abadia de Saint-Germain-des-Prés. Em 815, o censo estabeleceu uma população de duzentos e oitenta e três pessoas no território de Villebon. Em 992, uma batalha foi travada na planície entre La Plesse e Villefeu. Os beligerantes foram Bouchard, conde de Corbeil e vassalo de Hugo Capeto e Odão I de Blois, suportado por Ricardo I da Normandia. Villebon foi na fronteira do real domínio. Até 1056, a história de Villebon estava ligada a de Palaiseau. Para esta data, Fromand de Paris se tornou o primeiro senhor de Villebon. É seu filho, Aszo que primeiro tomou o nome de Villabona em 1092, e construiu uma fazenda fortificada no atual sítio do castelo de Villebon-sur-Yvette. Gautier de Villebon foi também senhor de Villabona, e Hugues, seu filho, pediu em seu testamento que, após a morte de seu pai, os monges mantivessem o dízimo e as sepulturas da aldeia (o senhores seculares tinham um direito sobre os cemitérios)[5].

Villebon, senhorio e castelo[editar | editar código-fonte]

Carte du XVIIe siècle montrant la région de Vilbon.
Mapa de "Vilbon," por Cassini.

Em 1474, o domínio de Villebon tornou-se propriedade da família de Thou. Em 1512, Augustin de Thou tinha construído no lugar da residência um pequeno castelo de estilo renascentista, que continua a ser hoje o pavilhão de Henrique IV. Em 1563, Nicolas de Thou, senhor de Villebon e bispo de Chartres, obteve do rei Carlos IX o estabelecimento de um mercado a cada quinta-feira e duas feiras, em 27 de setembro e 12 de novembro, dando assim a Villebon algum reconhecimento. Em 1587, construiu uma capela em Villebon, sob a invocação dos Santos Cosme e Damião.

Em 1611, um incêndio arruinou o castelo. Jacques-Auguste de Thou confiou a Louis Métezeau, arquiteto do rei Henrique IV sua reconstrução, que eles não foram capazes de concluir. O domínio foi então vendido pelo estado em 1626 para André I Potier de Novion, Presidente do Parlamento de Paris, que terminou a restauração do castelo. Seu filho, Nicolas Potier de Novion o estendeu por duas asas. Em 24 de maio de 1648, obteve a partir do arcebispo de Paris para elevar Villebon em paróquia, contra a compensação para o pastor de Palaiseau. É também, em 1648 , que foi construída a escadaria da rue Daubigny contando cento e sessenta e dois degraus para alcançar a butte Sainte-Catherine[6]. Em 8 de julho de 1787 foi aberto o registro paroquial.

Em 16 de abril de 1789, a assembleia do Terceiro estado elaborou o Cahiers de Doléances. A 31 de janeiro de 1790 a população elege os membros do conselho geral da paróquia. Em 1793, o tribunal de apelações de Paris decidiu que o Yvette separe as duas comunas de Villebon e Palaiseau. Em 1806, a propriedade de Villebon voltou para o conde Alfred Félix de Montesquiou-Fezensac que construiu a presbitério e a orangerie do castelo.

Tempos modernos[editar | editar código-fonte]

A área foi rapidamente vendido em 1832 para o barão Lourenço Antônio Isidoro Nivière, prefeito do município, que deixou por testamento de dez mil francos para distribuir os juros para famílias carentes. Seu filho, Louis, foi oferecido em 1855 , a terra que acolhe o novo cemitério. Eleito prefeito, por sua vez, ele concedeu quarenta e oito famílias de Villebon da assistência médica gratuita. Em 1846, Villebon fez a aquisição de uma bomba de incêndio. A 6 de setembro de 1857 foi inaugurada a escola municipal, atual conservatório de música[7]. Em 1864 foi construído o Haras de Villebon e, em 1889, o sino da igreja foi abençoado pelo padre Émile Lapchin, pároco de Villebon.

Geminação[editar | editar código-fonte]

Villebon-sur-Yvette tem desenvolvido associações de geminação com:

Cultura e patrimônio[editar | editar código-fonte]

Patrimônio ambiental[editar | editar código-fonte]

Villebon-sur-Yvette se beneficia de um ambiente natural preservado e melhorado. Duzentos e oitenta e seis hectares, ou 38% do território do município são áreas florestadas ou protegidas. Assim, encontramos o Parc de la Mairie, a Promenade de l’Yvette, o Minigolf de Villiers, uma vasta área florestal com o Bois des Gelles (dezesseis hectares) e de extensões de horta. O bois des Gelles tem sido identificado no título de espaços naturais sensíveis, pelo Conselho Geral de Essonne[12]. Ela foi premiada com três flores no concurso das cidades e aldeias floridas[13]. O GR 655, antigo caminho de peregrinação de Santiago de Compostela passa pela cidade, seguindo as margens do Yvette

Patrimônio arquitetônico[editar | editar código-fonte]

O Castelo de Villebon-sur-Yvette (século XV).

O Castelo de Villebon-sur-Yvette, em estilo renascentista foi construído no século XV. O lavadouro da aldeia de Villiers data de 1588 e foi restaurado em 1865[14]. Várias pontes foram construídas no início do século XX para permitir a passagem da linha ferroviária, incluindo a ponte em dois níveis de rue Muller[15] equipados com uma descarga e a ponte de sete metros,[16], caracterizada por sete de altura e largura da sua abóbada.

Personalidades ligadas à comuna[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Populations légales des communes en vigueur au 1er janvier 2013». www.insee.fr (em francês). INSEE. Dezembro de 2012. Consultado em 3 de abril de 2013. 
  2. Gentilé sur le site habitants.fr Consultado em 18/05/2008.
  3. no Cartulário da Abadia de Longpont-sur-Orge
  4. Hippolyte Cocheris, Anciens noms des communes de Seine-et-Oise, 1874, obra lançada em linha pelo Corpus Etampois.
  5. Jean Lebeuf, Histoire de la ville et de tout le diocèse de Paris, contenant la suite des Paroisses du Doyenné de Châteaufort, vol. 9, 1757, p. 314 e 319
  6. Présentation de l’escalier de la Butte Sainte-Catherine sur le site Topic-Topos.
  7. Présentation de l’ancienne mairie sur le site Topic-Topos.
  8. Fiche du jumelage avec Las Rozas de Madrid sur le site du ministère des Affaires étrangères.
  9. Fiche du jumelage avec Liederbach am Taunus sur le site du ministère français des Affaires étrangères.
  10. Fiche du jumelage avec Saldus sur le site du ministère français des Affaires étrangères.
  11. Fiche du jumelage avec Whitnash sur le site du ministère français des Affaires étrangères.
  12. Carte des ENS de Villebon-sur-Yvette sur le site du conseil général de l’Essonne.
  13. http://www.villes-et-villages-fleuris.com/ : Palmarès du Concours des Villes et Villages fleuris
  14. Présentation du lavoir de Villiers sur le site Topic-Topos.
  15. Présentation du pont rue Muller sur le site Topic-Topos.
  16. Présentation du pont de sept mètres sur le site Topic-Topos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]