William Randolph Hearst

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
William Randolph Hearst
William R. Hearst, em 1906
Membro da Câmara dos Representantes
do 11º distrito de Nova Iorque Nova Iorque (estado)
Período 4 de março de 1903
até 4 de março de 1907
Antecessor(a) William Sulzer
Sucessor(a) Charles V. Fornes
Vida
Nascimento 29 de abril de 1863
São Francisco
Morte 14 de agosto de 1951 (88 anos)
Beverly Hills
Nacionalidade Povo dos Estados Unidos norte-americano
Dados pessoais
Alma mater Universidade Harvard
Cônjuge Millicent Hearst (1903–1951)
Partido Partido Democrata (1896–1935)
Partido de Independência (1905–1910)
Liga Municipal de Propriedade (1904–05)
Profissão Empresário, político

William Randolph Hearst ( /hɜst/;[1] 29 de abril de 186314 de agosto de 1951) foi um empresário americano do ramo de editoras que criou uma enorme rede de jornais. Seus métodos influenciaram a indústria do jornalismo nos Estados Unidos.[2]

Hearst começou sua vida como empresário em 1887 após asusmir o controle do jornal The San Francisco Examiner, que era do seu pai. Se mudando para Nova Iorque, ele comprou o The New York Journal e entrou numa guerra de negócios com o New York World, de Joseph Pulitzer, e criou então a noção de "imprensa marrom" - histórias sensacionalistas de veracidade duvidosa. Comprando mais jornais, ele criou uma rede de mais de 30 jornais sob seu controle no país. Mais tarde também comprou revistas, criando um dos maiores conglomerados de jornalismo do mundo.[3] [4]

Ele foi duas vezes eleito pelo Partido Democrata para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos e concorreu sem sucesso para a prefeitura de Nova Iorque em 1905 e 1909, para governador do estado em 1906 e vice em 1910. Ainda assim, com seus jornais e revistas, ele exercia enorme influência política e era acusado de fazer jornalismo sensacionalista.[5] [6] Apesar de pertencer, por mais de trinta anos, a ala populista dos Democratas, Hearst era um conservador, nacionalista e fervoroso anti-comunista. Defensor da Lei Seca, ele depois fez lobby, por meio dos seus jornais, para tornar ilegal várias drogas psicotrópicas, especialmente aquelas que afetavam indústrias que financiavam seus jornais, como a indústria farmacêutica ou de celuloide. Ele ficou conhecido por ser um dos principais apoiadores da Marihuana Tax Act of 1937, que tornou ilegal a maconha nos Estados Unidos. Assim como outras de suas iniciativas, ele usava o poder de seus jornais para tentar manipular a opinião pública, trazendo apoio às suas iniciativas políticas.[7]

Sua vida serviu de inspiração para o personagem principal do filme Citizen Kane, de Orson Welles.[8]

Referências

  1. "Hearst". Random House Webster's Unabridged Dictionary.
  2. "Bio: William Randolph Hearst". Página acessada em 28 de outubro de 2015.
  3. Davies, Marion (1975). The Times We Had: Life with William Randolph Hearst (Indianapolis: Bobbs-Merrill). ISBN 0-672-52112-1. 
  4. Nasaw, David (2000). The Chief: The Life of William Randolph Hearst (Boston: Houghton Mifflin). ISBN 0-395-82759-0. 
  5. Procter, Ben H. (1998). William Randolph Hearst: The Early Years, 1863–1910 (New York: Oxford University Press). ISBN 0-19-511277-6. 
  6. Procter, Ben H. (2007). William Randolph Hearst: The Later Years, 1911–1951 (New York: Oxford University Press). ISBN 0-19-532534-6. 
  7. Whyte, Kenneth (2009). The Uncrowned King: The Sensational Rise of William Randolph Hearst (Berkeley: Counterpoint). 
  8. The Battle Over Citizen Kane, PBS.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.