William Stanley Jevons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
William Stanley Jevons
Nascimento 1 de setembro de 1835
Liverpool
Morte 13 de agosto de 1882 (46 anos)
Bulverhythe
Sepultamento Cemitério de Hampstead
Cidadania Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Progenitores
  • Thomas Jevons
  • Mary Anne Jevons
Cônjuge Harriet Ann Taylor
Alma mater
Ocupação filósofo, economista, estatístico, fotógrafo
Prêmios
Empregador University College London
Causa da morte afogamento seco
Assinatura
Jevons's signature.jpg

William Stanley Jevons (Liverpool, 1 de setembro de 1835Bexhill, 13 de agosto de 1882) foi um economista britânico.

Vida[editar | editar código-fonte]

Foi um dos fundadores da Economia Neoclássica e formulador da teoria da utilidade marginal, que imprimiu novo rumo ao pensamento econômico mundial, especialmente no que se refere à questão da determinação do valor, solucionando o paradoxo utilidade na determinação dos valores das coisas (por que o pão, tão útil, é barato, e o brilhante, quase inútil, é caro?) que até então confundia os economistas.

Inicialmente estudou química e botânica, e depois lógica e economia no University College de Londres onde assumiria a cadeira de economia política na University College, até se aposentar (1880) e tornou-se conhecido pela originalidade de suas teorias.

Brilhante escritor, e que teve ampla influência, sua obra capital foi Theory of Political Economy (1871), livro de importância relevante na história do pensamento econômico, em que expôs de forma definitiva a teoria da utilidade marginal, desenvolvida paralelamente por Carl Menger em Viena e Léon Walras na França.

Estudou as relações entre as necessidades materiais e o estímulo ao trabalho, tendo chegado a conclusões que - embora hoje pareçam curiosas - estavam alinhadas com o mainstream do pensamento econômico liberal e dos marginalistas de sua época:

É evidente que problemas desse tipo dependem muito da índole ou da raça. Pessoas de temperamento enérgico acham o trabalho menos penoso que seus camaradas e, se elas são dotadas de sensibilidade variada e profunda, nunca cessa seu desejo por novas aquisições. Um homem de raça inferior, um negro, por exemplo, aprecia menos as posses e detesta mais o trabalho; seus esforços portanto, param logo.[1]

Morreu em Bexhill, Inglaterra, com apenas 47 anos, vítima de um afogamento acidental. Tinha, também, conhecimentos práticos de Física, Metalurgia e Meteorologia e deixou inacabados um ensaio sobre religião e ciência, um estudo sobre a filosofia de John Stuart Mill e a obra Principles of Economy.

Teoria da utilidade[editar | editar código-fonte]

Jevons chegou bem cedo em sua carreira às doutrinas que constituíram suas contribuições mais características e originais para a economia e a lógica. A teoria da utilidade, que se tornou a tônica de sua teoria geral da economia política, foi praticamente formulada em uma carta escrita em 1860; e o germe de seus princípios lógicos da substituição de semelhantes pode ser encontrado na visão que ele propôs em outra carta escrita em 1861, de que "a filosofia consistiria unicamente em apontar a semelhança das coisas". A teoria da utilidade acima referido, a saber, que o grau de utilidade de uma mercadoria é alguma função matemática contínua da quantidade da mercadoria disponível, juntamente com a doutrina implícita de que a economia é essencialmente uma ciência matemática, assumiu uma forma mais definida em um artigo sobre "A General Mathematical Theory of Political Economy", escrito para a British Association em 1862. Este artigo não parece ter atraído muita atenção, nem em 1862, nem em sua publicação quatro anos depois no Journal of the Statistical Society; e foi somente em 1871, quando a Teoria da Economia Política apareceu, que Jevons apresentou suas doutrinas em uma forma totalmente desenvolvida.[2]

Economia prática[editar | editar código-fonte]

Princípios de economia, 1905
Retrato de Jevons publicado no Popular Science Monthly em 1877

Não foi, entretanto, como um teórico lidando com os dados fundamentais da ciência econômica, mas como um escritor sobre questões econômicas práticas, que Jevons recebeu primeiro reconhecimento geral. Uma Séria Queda no Valor do Ouro (1863) e A Questão do Carvão (1865) colocaram-no na primeira fila como escritor de economia aplicada e estatística; e ele seria lembrado como um dos principais economistas do século 19, mesmo que sua Teoria da Economia Política nunca tivesse sido escrita. Suas obras econômicas incluem Money and the Mechanism of Exchange (1875), escrito em um estilo popular e mais descritivo do que teórico; uma cartilha sobre economia política (1878); O Estado em Relação ao Trabalho (1882), e duas obras publicadas após sua morte, Métodos de Reforma Social "e" Investigações em Moeda e Finanças , contendo papéis que apareceram separadamente durante sua vida. O último volume mencionado contém as especulações de Jevons sobre a conexão entre crises comerciais e manchas solares. Na época de sua morte, ele estava empenhado na preparação de um grande tratado de economia e havia redigido um índice e concluído alguns capítulos e partes de capítulos. Este fragmento foi publicado em 1905 sob o título de The Principles of Economics: um fragmento de um tratado sobre o mecanismo industrial da sociedade, e outros artigos .[3]

Em The Coal Question, Jevons cobriu uma série de conceitos sobre esgotamento de energia que foram recentemente revisados ​​por escritores que tratam do assunto do pico petrolífero. Por exemplo, Jevons explicou que melhorar a eficiência energética normalmente reduzia os custos de energia e, portanto, aumentava em vez de diminuir o uso de energia, um efeito agora conhecido como paradoxo de Jevons. A Questão do Carvão continua a ser um estudo paradigmático da teoria do esgotamento de recursos. O filho de Jevons, H. Stanley Jevons, publicou um estudo de acompanhamento de 800 páginas em 1915 no qual as dificuldades de estimar as reservas recuperáveis ​​de um recurso teoricamente finito são discutidas em detalhes.[4]

Em 1875, Jevons leu um artigo sobre a influência do período das manchas solares no preço do milho em uma reunião da Associação Britânica para o Avanço da Ciência. Isso chamou a atenção da mídia e levou à criação da palavra manchas solares para alegações de ligações entre vários eventos cíclicos e manchas solares. Em um trabalho posterior, "Commercial Crises and Sun-Spots",[5] Jevons analisou os ciclos de negócios, propondo que as crises na economia podem não ser eventos aleatórios, mas podem ser baseadas em causas anteriores discerníveis. Para esclarecer o conceito, ele apresentou um estudo estatístico relacionando ciclos de negócios com manchas solares. Seu raciocínio era que as manchas solares afetavam o clima, o que, por sua vez, afetava as colheitas. Pode-se então esperar que as mudanças nas safras causem mudanças econômicas. Estudos subsequentes descobriram que o tempo ensolarado tem um impacto positivo pequeno, mas significativo, nos retornos das ações, provavelmente devido ao seu impacto no humor dos investidores.[6]

Número de Jevons[editar | editar código-fonte]

Jevons escreveu em seu livro Principles of Science de 1874: "O leitor pode dizer que dois números multiplicados juntos produzirão o número 8 616 460 799? Acho improvável que alguém além de mim venha a saber".[7]  Isso ficou conhecido como o número de Jevons e foi fatorado por Charles J. Busk em 1889,[8] Derrick Norman Lehmer em 1903, e mais tarde em uma calculadora de bolso de Solomon W. Golomb.[9][10]  É o produto de dois números primos, 89 681 e 96 079.

Geometria[editar | editar código-fonte]

Um dos contemporâneos de Jevons, Hermann von Helmholtz, que estava interessado em geometria não euclidiana,[11] discutiu dois grupos de criaturas bidimensionais com um grupo vivendo no plano enquanto o outro vivendo na superfície de uma esfera. Ele afirmou que, como essas criaturas estavam inseridas em duas dimensões, elas desenvolveriam uma versão plana da geometria euclidiana , mas que, como a natureza dessas superfícies era diferente, elas chegariam a versões muito diferentes dessa geometria. Ele então estendeu esse argumento em três dimensões, observando que isso levanta questões fundamentais da relação entre a percepção espacial e a verdade matemática.[12][13][14]

Jevons deu uma resposta quase imediata a este artigo. Enquanto Helmholtz se concentrava em como os humanos percebiam o espaço, Jevons se concentrava na questão da verdade na geometria. Jevons concordou que, embora o argumento de Helmholtz fosse convincente na construção de uma situação em que os axiomas euclidianos da geometria não se aplicassem, ele acreditava que eles não tinham efeito sobre a verdade desses axiomas. Jevons, portanto, faz a distinção entre verdade e aplicabilidade ou percepção, sugerindo que esses conceitos eram independentes no domínio da geometria.

Jevons não afirmou que a geometria foi desenvolvida sem qualquer consideração para a realidade espacial. Em vez disso, ele sugeriu que seus sistemas geométricos eram representações da realidade,[15] mas de uma forma mais fundamental que transcende o que se pode perceber sobre a realidade. Jevons afirmou que havia uma falha no argumento de Helmholtz em relação ao conceito de infinitesimalmente pequeno. Esse conceito envolve como essas criaturas raciocinam sobre a geometria e o espaço em uma escala muito pequena, o que não é necessariamente o mesmo que o raciocínio que Helmholtz assumiu em uma escala mais global. Jevons afirmou que as relações euclidianas poderiam ser reduzidas localmente nos diferentes cenários que Helmholtz criou e, portanto, as criaturas deveriam ter sido capazes de experimentar as propriedades euclidianas, apenas em uma representação diferente. Por exemplo, Jevons afirmou que as criaturas bidimensionais que vivem na superfície de uma esfera devem ser capazes de construir o plano e até mesmo construir sistemas de dimensões superiores e que, embora possam não ser capazes de perceber tais situações na realidade, revelaria verdades matemáticas fundamentais em sua existência teórica.[16]

Em 1872, Helmholtz deu uma resposta a Jevons, que afirmou que Helmholtz falhou em mostrar por que a verdade geométrica deveria ser separada da realidade da percepção espacial. Helmholtz criticou a definição de verdade de Jevons e, em particular, a verdade experiencial. Helmholtz afirma que deve haver uma diferença entre a verdade experiencial e a verdade matemática e que essas versões da verdade não são necessariamente consistentes. Essa conversa entre Helmholtz e Jevons foi um microcosmo de um debate contínuo entre a verdade e a percepção na esteira da introdução da geometria não-euclidiana no final do século XIX.[17]

Legado[editar | editar código-fonte]

Jevons foi um escritor prolífico e, na época de sua morte, era um líder no Reino Unido tanto como lógico quanto como economista. Alfred Marshall disse, sobre seu trabalho em economia, que "provavelmente se descobrirá que tem mais força construtiva do que qualquer outra, exceto a de Ricardo, que foi feita nos últimos cem anos".[3]

A teoria da indução de Jevons continuou a ser influente: "A visão geral de indução de Jevons recebeu uma formulação poderosa e original na obra de um filósofo moderno, o professor K. R. Popper ...".[18]

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Artigos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. JEVONS, S. A teoria da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1987. (Coleção Os Economistas). p. 116.
  2. Keynes, John Neville (1911). " Jevons, William Stanley ". Em Chisholm, Hugh (ed.). Encyclopædia Britannica . 15 (11ª ed.). Cambridge University Press. pp. 361–362
  3. a b Keynes 1911, p. 361.
  4. Jevons, H. Stanley Jevons, (1915) The British Coal Trade. London: Kegan Paul, Trench and Trübner; (complete text available at Google Books) see especially pp. 718 ff.
  5. Jevons, William Stanley (14 November 1878). "Commercial crises and sun-spots", Nature xix, pp. 33–37.
  6. Hirshleifer, David and Tyler Shumway (2003). "Good day sunshine: stock returns and the weather", Journal of Finance 58 (3), pp. 1009–32.
  7. Principles of Science, Macmillan & Co., 1874, p. 141.
  8. Busk, Charles J. (1889). «To Find the Factors of any Proposed Number». Nature. 39 (1009): 413–415. Bibcode:1889Natur..39..413B. doi:10.1038/039413c0 
  9. Golomb, Solomon. "On Factoring Jevons' Number", Cryptologia, vol. XX, no. 3, July 1996, pp. 243–44.
  10. Weisstein, Eric W. «Jevons' Number» (em inglês). MathWorld 
  11. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. p. 77 
  12. Helmholtz Axioms of Geometry
  13. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. p. 78 
  14. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. p. 84 
  15. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. pp. 86–87 
  16. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. pp. 87–88 
  17. Richards, Joan. Mathematical Visions: The Pursuit of Geometry in Victorian England. [S.l.]: Academic Press. pp. 88–89 
  18. "Jevons, William Stanley", in The Concise Encyclopedia of Western Philosophy and Philosophers (1960), New York: Hawthorn.
  19. Missemer, Antoine. "William Stanley Jevons' The Coal Question (1865), Beyond the Rebound Effect", Ecological Economics, Volume 82, October 2012.
  20. William Stanley Jevons (1869). The Substitution of Similars: The True Principle of Reasoning, Derived from ... (em English). Harvard University. [S.l.]: Macmillan. p. 55 
  21. «Review of A Survey of Political Economy by John Macdonell and The Theory of Political Economy by Prof. Stanley Jevons». The Athenaeum (2297): 589–590. 4 de novembro de 1871 
  22. «Review of Investigations in Currency and Finance by W. Stanley Jevons». The Athenaeum (2957): 817. 28 de junho de 1884 
  23. "J. S. Mill's Philosophy Tested by Prof. Jevons", Mind, Vol. 3, No. 10, April 1878.
  24. Jackson, Reginald. "Mill's Treatment of Geometry: A Reply to Jevons", Mind, New Series, Vol. 50, No. 197, January 1941.

Fontes[editar | editar código-fonte]