Ânodo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde junho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Diagrama do Anodo de Zinco

Ânodo (também chamado anódio ou anodo) é o pólo negativo de uma fonte eletrolítica, no caso da eletrólise, é o eletrodo de onde saem os ânions, no caso das válvulas termiônicas, ou válvulas eletrônicas, o ânodo é chamado de placa, é o eletrodo de onde saem os elétrons acelerados termicamente pelo cátodo, eletrodo positivo, aquecido pelo filamento.

O ânodo é negativo e não positivo. O cátodo é positivo, já que em relação ao ânodo, possui menos elétrons livres, logo um potencial maior.

Ânodo em Eletrônica[editar | editar código-fonte]

O ânodo de um diodo semicondutor (lado tipo P)é a parte em que tem moléculas formadas por átomos tetravalentes e trivalentes. Quando uma fonte de alimentação é conectada ao diodo pela polarização direta, que é feita conectando o terminal negativo da fonte de alimentação no catodo do diodo e o terminal positivo da fonte no anodo do diodo, os elétrons (carga negativa) irão em direção ao terminal positivo sendo repelido pelo negativo.

Numa temperatura acima do zero absoluto (-273°C) os átomos saem de suas órbitas de valência e viram elétrons livres, e ao mesmo tempo deixando uma lacuna na orbita de valência de onde saiu, por uma fração de segundos, e esse tempo de duração de elétrons livres e de lacunas é chamado de tempo de vida.

Camada de Depleção[editar | editar código-fonte]

No ânodo, os elétrons livres ficam se movimentando aleatoriamente, e alguns deles podem passar para o catodo. No catodo tem mais elétrons do que lacunas, tendo como portador majoritário os elétrons livres e portador minoritário as lacunas. No anodo tem mais lacunas do que elétrons livres, tendo como portador majoritário as lacunas e como portador minoritário os elétrons livres. Quando um elétron livre do catodo passa para o anodo, ele deixa um átomo tetravalente no catodo, e esse tetravalente com menos um elétron é um íon positivo ou cátion porque perdeu o elétron que foi para o anodo. Quado o elétron entra na área do anodo ele se combina rapidamente com uma lacuna, e essa lacuna com quem ele se combinou era de um átomo trivalente, e esse trivalente, depois de ter mais um elétron combinado na sua orbita de valência, é um tetravalente que é um íon negativo ou anion porque ganhou o elétron que foi para o anodo. Esse processo de imigração de elétrons livres para o anodo acontece até que a camada de depleção consiga não deixar mais. A camada de depleção é a área onde estes íons ficam. No anodo são formados íons negativos com carga -1, e no catodo são formados íons positivos com carga +1. A camada de depleção consegue não deixar mais os elétrons passa para o anodo quando o anodo fica com muitos íons negativos com carga -1 formados. Essas cargas -1 dos ions negativos repelem os elétrons livres do catodo quando a soma dessas cargas for um valor suficiente para isso.