127 Horas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
127 Hours
127 Hours
127 Horas (PT/BR)
 Estados Unidos  Reino Unido
 • colorido • 93 min 
Direção Danny Boyle
Roteiro Danny Boyle
Simon Beaufoy
Elenco James Franco
Kate Mara
Amber Tamblyn
Clémence Poésy
Género Aventura
Biografia
Drama
Suspense
Idioma Inglês
Música A. R. Rahman
Cinematografia Anthony Dod Mantle
Enrique Chediak[1]
Edição Jon Harris
Estúdio Film4 Productions
HandMade Films
Warner Bros. Pictures
Distribuição Fox Searchlight Pictures (EUA)
Pathé (UK)
Lançamento Estados Unidos 12 de novembro de 2010
Brasil 18 de fevereiro de 2011
Portugal 24 de fevereiro de 2011
Orçamento US$ 18 milhões[2]
Receita US$ 60.738.797[3]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

127 Horas (no original, 127 Hours), é um filme americano-britânico de 2010, um drama biográfico de aventura co-escrito, produzido e realizado por Danny Boyle. O filme é protagonizado por James Franco, que interpreta o alpinista Aron Ralston, que ficou preso por uma pedra em Robbers Roost, Utah, em abril de 2003.

O filme é baseado na autobiografia de Ralston, no livro Between a Rock and a Hard Place, sendo escrito por Boyle e Simon Beaufoy, e produzido por Chrstian Colson e John Smithson (ambos Beaufoy e Colson já haviam trabalhado em no filme Slumdog Millionaire (br: Quem Quer Ser um Milionário?)). A música foi realizado por A. R. Rahman, que também já trabalhou com Boyle em Slumdog Millionaire. O filme foi bem sucedido pela crítica e foi indicado para seis Oscars, incluindo melhor filme e melhor ator (James Franco).[4]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em 25 de abril de 2003, Aron Ralston (James Franco) se prepara para um dia de canyoning no Parque Nacional do Grand Canyon, em Utah, em que se dirige para o início da trilha à noite. Na manhã seguinte, Aron anda de bicicleta pelo parque, com o objetivo de reduzir 45 minutos em relação ao guia do livro para estimar o tempo necessário para chegar ao seu destino. Enquanto estava a pé, correndo ao longo de uma rocha nua, vê duas caminhantes, Kristi (Kate Mara) e Megan (Amber Tamblyn), aparentemente perdidas. Ralston convence o par que ele é um guia da trilha, e se oferece para mostra-lhes um caminho muito mais interessante do que o que elas tinham tentado encontrar. Aron as leva através de gargantas estreitas, incluindo um voo cego em uma piscina subterrânea, onde o filme repete-se três vezes no mergulho usando a câmera de vídeo de Ralston. Enquanto partem da companhia, Kristin e Megan convidam Ralston para uma festa na próxima noite, prometendo comparecer. No entanto, elas duvidam que ele comparecerá.

Ralston continua no Blue John Canyon, através de uma passagem estreita, onde pedras estão suspensas, encravado entre as paredes das rochas. Quando ele desce, uma pedra solta é abalada, fazendo com que Ralston caia para o fundo da garganta e prendendo seu braço contra a parede do canyon, prendendo-o. Inicialmente, ele grita por socorro, mas ninguém estava ao alcance de sua voz. Como ele se conforma com o fato de estar sozinho, ele começa com uma gravação de um diário em vídeo em sua câmera e usar seu bolso como ferramenta para múltiplas tentativas de desgastar a pedra. Ele também começa o racionamento de água e comida.

Como ele percebe que seus esforços para desgastar a pedra são inúteis, ele começa a tentativa de amputar seu braço, mas sua faca é não afiada o bastante para rasgar sua pele. Ele então apunhala seu braço, mas percebe que ele não será capaz de cortar o osso. Após alguns dias se vê forçado a beber sua própria urina. Seu registro do vídeo se torna mais e mais desesperador quando se sente que está morrendo. Ele começa a sonhar com experiências passadas, incluindo sua ex-amante Rana (Clémence Poésy), família (Lizzy Caplan, Treat Williams, Kate Burton), e as duas caminhantes que conheceu antes de seu acidente. Depois de refletir sobre sua vida, ele chega à conclusão de que tudo o que fez o levou a essa provação, e que ele estava destinado a morrer sozinho no canyon.

Depois de cinco dias, Ralston vê seu filho nascer através de uma premonição. Ele reúne a vontade de aplicar força necessária para quebrar seu antebraço e cortar o braço dele com a faca, modelando um torniquete com o isolamento de seu tubo ComelBak e usando um mosquetão para apertá-lo. Ele envolve o tronco de seu braço e tira uma foto da pedra presa enquanto a deixa para trás. Ele então faz seu caminho para fora do canyon, onde ele é forçado a descer de rapel uma rocha de 65 pés e caminhar vários quilômetros até, exausto e coberto de sangue, ele finalmente encontra uma família em um dia de caminhada. A família chama ajuda e Ralston é levado por um helicóptero da Polícia de Utah.

O filme termina com imagens reais de Aron Ralston em sua vida depois de seu acidente— incluindo várias aventuras de Aron em escalada e alpinismo, que continuou após o acidente — e de Ralston com sua esposa, a quem ele conheceu três anos depois, e seu filho, Leo. Um título do cartão que aparece antes dos créditos finais, diz que Ralston faz questão de deixar uma nota quando ele vai a qualquer lugar sozinho.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Papel
James Franco Aron Ralston.[5]
Kate Mara Kristi Moore.[5]
Amber Tamblyn Megan McBride.[5]
Clémence Poésy Rana, amante Aron Ralston.[5]
Lizzy Caplan Sonja Ralston, irmã de Aron.[6]
Kate Burton Donna Ralston, mãe de Aron.[5]
Treat Williams Larry Ralston, pai de Aron.[5]

Aron Ralston e sua família fazem uma breve aparição no final do filme.

Autenticidade[editar | editar código-fonte]

A cena no início do filme onde Aron mostra uma piscina escondida numa caverna a duas garotas, não existiu de facto — mostrou-lhes apenas alguns movimentos básicos de escalada. Fora esta cena, Aron Ralston afirmou que o filme "é tão factualmente verdadeiro que é o mais próximo que se poderia chegar de um documentário real." O realizador Danny Boyle, inclusive, gravou as cenas no mesmo exato local onde estas ocorreram, e a câmara de vídeo usada pelo protagonista é a câmera real de Aron.[7]

A cena da amputação foi um trabalho de maquiagem realizado pelo maquiador Tony Gardner e sua equipe da Alterian, Inc., e contou com a ajuda de profissionais médicos, porque Boyle queria a cena o mais realista e detalhista possível. A cena foi gravada em uma única tomada com múltiplas câmeras.[8]

Críticas e reações[editar | editar código-fonte]

127 Hours foi aclamado pela crítica.[9] Segundo o site Rotten Tomatoes, o filme tem 94% de aprovação, baseado em 173 resenhas, mantendo uma média de 8,3/10.[10] Segundo relatos da imprensa, algumas pessoas chegaram a desmaiar em razão da cena da amputação de um braço do alpinista, durante a exibição do filme no Festival de Toronto.[11]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Oscar
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme 127 Hours Indicado
Melhor ator James Franco Indicado
Melhor roteiro adaptado Danny Boyle; Simon Beaufoy Indicado
Melhor trilha sonora A. R. Rahman Indicado
Melhor canção original A. R. Rahman, Rollo Armstrong e Dido Indicado
Melhor edição Jon Harris Indicado
Golden Globe
Categoria Recipiente Resultado
Melhor ator - drama James Franco Indicado
Melhor roteiro Danny Boyle e Simon Beaufoy Indicado
Melhor trilha sonora original A. R. Rahman Indicado
Screen Actors Guild
Categoria Recipiente Resultado
Melhor Performance por um Ator em Papel Principal James Franco Indicado
BAFTA
Categoria Recipiente Resultado
Melhor Filme 127 Hours Indicado
Melhor diretor Danny Boyle Indicado
Melhor ator James Franco Indicado
Melhor fotografia Anthony Dod Mantle e Enrique Chediak Indicado
Melhor edição Jon Harris Indicado
Melhor roteiro adaptado Danny Boyle e Simon Beayfoy Indicado
Melhor trilha sonora 127 Horas Indicado
Melhor canção A. R. Rahman Indicado
Independent Spirit Awards
Categoria Recipiente Resultado
Melhor filme 127 Hours Indicado
Melhor diretor Danny Boyle Indicado
Melhor Ator James Franco Venceu[12]
Sierra Award
Categoria Recipiente Resultado
Melhor ator James Franco Venceu
Melhor diretor Danny Boyle Indicado
Melhor fotografia Anthony Dod Mantle e Enrique Chediak Indicado
Melhor montagem Jon Harris Indicado
Melhor filme 127 Hours Indicado
COFCA Award
Categoria Recipiente Resultado
Ator do ano James Franco Venceu
Melhor ator James Franco Venceu
Melhor diretor Danny Boyle Indicado
Melhor fotografia Anthony Dod Mantle e Enrique Chediak Indicado
Melhor trilha sonora A.R. Rahman Indicado
Melhor roteiro adaptado Danny Boyle e Simon Beaufoy Indicado
Melhor filme 127 Hours Indicado

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Seções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • O ator Sebastian Stan chegou a ser cogitado para viver Aron, mas o papel ficou mesmo com o ator James Franco;
  • A atriz Katie Featherston chegou a fazer teste para o papel de alpinista que cruza com o personagem principal antes do acidente, mas Kate Mara (Homem de Ferro 2') foi a vencedora;
  • A atriz Jena Malone fez testes para o filme, mas não conseguiu um personagem;
  • A atriz Lake Bell chegou a ter seu nome cogitado para o filme.
  • James Franco escondeu seus livros nas fendas do set do "canyon", para ajudar a manter sua mente fora do fator de claustrofobia do pequenino set, que ele estaria por horas.
  • A câmera de vídeo usada por James Franco no filme foi a verdadeira câmera que Aron Ralston usou quando ele ficou preso no Blue John Canyon.
  • James Franco não foi a primeira opção de Danny Boyle para interpretar Ralston - Cillian Murphy foi.
  • Para acrescentar mais realismo ao filme, Aron Ralston fez com que James Franco aprendesse as letras da sua banda favorita, Phish.
  • Aron Ralston filmou um vídeo diário enquanto ele estava preso no canyon; as filmagens só foram mostradas aos amigos próximos e a família e é mantido em um cofre de banco por segurança. Antes do início das filmagens tanto James Franco quanto o diretor Danny Boyle foram autorizados a ver as imagens, a fim de retratar fielmente os acontecimentos do filme.
  • A cena da amputação foi um trabalho de maquiagem realizado pelo maquiador Tony Gardner e sua equipe da Alterian, Inc., e contou com a ajuda de profissionais médicos, porque Boyle queria a cena o mais realista e detalhista possível. A cena foi gravada em uma única tomada de 20 minutos com múltiplas câmeras. Não foi repetida porque Boyle disse que conseguiu o que queria naquela primeira vez. E também porque só havia uma prótese do braço.
  • Para conseguir retirar o braço de Aron debaixo da pedra, foram necessários 13 homens, um guincho e um macaco hidráulico.[13]

Referências

  1. Caranicas, Peter (26 de outubro de 2010). Boyle hikes up number of d.p.'s on 127 Hours Variety.
  2. 127 Hours (2010) Box Office Mojo.
  3. 127 Hours (2010) Box Office Mojo Internet Movie Database. Visitado em 31 de janeiro de 2011.
  4. Divulgada lista dos indicados ao Oscar Guiadasemana.com.br.
  5. a b c d e f Sciretta, Peter (24 de agosto de 2010). Movie Trailer: Danny Boyle's 127 Hours (em inglês) /Film Slashfilm.com. Visitado em 27 de agosto de 2010.
  6. Scott Indrisek (27 de abril de 2010). Lizzy Caplan on Party Down and Her True Blood Nude Scenes (em inglês) Blackbookmag.com. Visitado em 10 de janeiro de 2012.
  7. The extraordinary story behind Danny Boyle's 127 Hours (em inglês) BBC News The Guardian (15 de dezembro de 2010).
  8. Front Seat: 127 Hours and counting (em inglês) Dawn Dawn.com (30 de janeiro de 2011).
  9. "Filme 127 horas vai passar em 600 salas no Estamos Unidos" Terra. Visitado em 07 de março de 2014.
  10. "127 hours" Rotten Tomatoes. Visitado em 07 de março de 2014.
  11. "Plateia desmaia com cena de amputacao de 127 horas" R7. Visitado em 07 de março de 2014.
  12. James Franco ganha prêmio de Melhor Ator no Spirit Awards G1.
  13. Curiosidades sobre o filme 127 Horas Adorocinema.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]