Alaska Airlines

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2013).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Alaska Airlines Logo.svg
Alaska Airlines
IATA
AS
ICAO
ASA
Indicativo de chamada
Alaska
Fundada em 1932 (como McGee Airways)
Principais centros
de operações
Aeroporto Internacional de Seattle-Tacoma
Aeroporto Internacional Ted Stevens
Outros centros
de operações
Aeroporto Internacional de Los Angeles
LAX
Programa de milhagem Mileage Plan
Serviço VIP Board Room
Frota 114 aeronaves
Destinos 59 localidades
Companhia
administradora
Alaska Air Group
Sede Seattle, Washington, EUA
Pessoas importantes CEO: William Bill Ayer
Sítio oficial www.alaskaair.com

A Alaska Airlines é uma companhia aérea norte-americana baseada em Seattle Tacoma, arredores de Seattle, Washington. Em 2005 transportou mais de 12 milhões de passageiros. Serve mais de 59 destinos nos Estados Unidos, no México e no Canadá.

Serve também os estados americanos do Alasca e Havaí.

História[editar | editar código-fonte]

A companhia aérea começou com o nome de McGee Airways e teve o seu primeiro voo entre Anchorage e Bristol Bay no Alasca no ano de 1932 e tinha 3 passageiros a bordo. Os investimentos e as aquisições mudaram o rumo da companhia, incluindo o nome que se alterou de McGee Airways para o actual Alaska Airlines. A empresa Horizon Air, conhecida por ser a companhia "irmã" da Alaska Airlines foi fundada em 1981.

Em 1985 a Alaska Air Group comprou a Alaska Airlines.E um ano mais tarde comprou a Horizon Air e a Jet América Airlines.

Actualmente a companhia tem 10,040 empregados e serve mais 50 destinos na Costa Ocidental da América do Norte.

Situação Financeira e Desastre Aéreo[editar | editar código-fonte]

Devido à falta de recursos financeiros, nos anos 1980, a Alaska Airlines estendeu de forma absurda o número de horas em que os técnicos, deveriam fazer reparos. Nesta tentativa de poupar milhares de dólares e manter equilibrada a balança econômica da companhia, a Alaska Airlines ainda dobrou o número de horas de cada voo, fazendo com que os aviões fossem exigidos para mais do que conseguissem voar com a manutenção adquirida. Nestas condições, ocorreu um dos piores acidentes da história da aviação, o Voo Alaska Airlines 261.