Carlos de Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Carlos Oliveira (Belém do Pará, 10 de agosto de 1921Lisboa, 1 de julho de 1981) foi um escritor português.

Nascido no Brasil,[1] filho de imigrantes portugueses, veio aos dois anos para Portugal. A família fixa-se em Cantanhede, mais precisamente na vila de Febres, onde o pai exercia medicina. Em 1933 muda-se para Coimbra, onde permanece durante quinze anos, a fim de prosseguir os estudos. Em 1941 ingressa na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, onde estabelece amizade com Joaquim Namorado, João Cochofel e Fernando Namora. Em 1947 licencia-se em Ciências Histórico-Filosóficas, instalando-se definitivamente em Lisboa, no ano seguinte. Periodicamente volta a Coimbra e à Gândara. Em 1949 casa-se com Ângela, jovem madeirense que conhecera nos bancos da Faculdade, sua companheira e futura colaboradora permanente.

Data de 1942 o seu primeiro livro de poemas, intitulado "Turismo", com ilustrações de Fernando Namora e integrado na colecção poética de 10 volumes do "Novo Cancioneiro", iniciativa colectiva que, em Coimbra, assinalava o advento do movimento neo-realista. Porém, em 1937, já publicara em conjunto com Fernando Namora e Artur Varela, amigos de juventude, um pequeno livro de contos "Cabeças de Barro".[2] Em 1943 publica o seu primeiro romance, "Casa na Duna", segundo volume da colecção dos Novos Prosadores (1943), editado pela Coimbra Editora. No ano de1944 surge o romance "Alcateia", que viria a ser apreendido pelo regime. No entanto é desse mesmo ano a segunda edição de "Casa na Duna".

Em 1945 publica um novo livro de poesias, "Mãe Pobre". Os anos seguintes serão, para Carlos de Oliveira, bem profícuos quanto à integração e afirmação no grupo que veicula e auspera por um novo humanismo, com a participação nas revistas Seara Nova e Vértice, além da colaboração no livro de Fernando Lopes Graça "Marchas, Danças e Canções", uma antologia de vários poetas, musicadas pelo maestro.

Em 1953 publica "Uma Abelha na Chuva", o seu quarto romance e, unanimemente reconhecido, uma das mais importantes obras da literatura portuguesa do século XX, tendo sido integrado no programa da disciplina de português no ensino secundário.

Em 1957 organiza, com José Gomes Ferreira, os Contos Tradicionais Portugueses, alguns deles posteriormente adaptados ao cinema por João César Monteiro.

Em 1968 publica dois novos livros de poesia, "Sobre o Lado Esquerdo" e "Micropaisagem", e colabora com Fernando Lopes na adaptação de "Uma Abelha na Chuva". Em 1971 sai "O Aprendiz de Feiticeiro", colectânea de crónicas e artigos, e "Entre Duas Memórias", livro de poemas, que lhe vale o Prémio da Casa da Imprensa.

Em 1976 reúne toda a sua poesia em dois volumes, sob o título de "Trabalho Poético", juntando aos seus poemas anteriores, os inéditos reunidos em "Pastoral", publicado autonomamente no ano seguinte.

O seu último romance, "Finisterra", sai em 1978, tendo como fundo a paisagem gandaresa. A obra proporciona-lhe o Prémio Cidade de Lisboa, no ano seguinte.

Morre na sua casa em Lisboa, com 60 anos incompletos.

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia
  • Turismo (1942);
  • Mãe Pobre (1945);
  • Colheita Perdida (1948);
  • Descida aos Infernos (1949);
  • Terra de Harmonia (1950);
  • Cantata (1960);
  • Micropaisagem (1968, 1969);
  • Sobre o Lado Esquerdo, o Lado do Coração (1968, 1969);
  • Entre Duas Memórias (1971);
  • Pastoral (1977).
Romance
  • Casa na Duna (1943; 2000);
  • Alcateia (1944; 1945);
  • Pequenos Burgueses (1948; 2000);
  • Uma Abelha na Chuva (1953; 2003);
  • Finisterra: paisagem e povoamento (1978; 2003).
Crónicas
  • O Aprendiz de Feiticeiro (1971, 1979).
Antologia
  • Poesias (1945-1960) (1962);
  • Trabalho Poético (1976; 2003).

Referências

  1. Portal da Literatura. Página visitada em 14 de maio de 2009.(em português)
  2. Arquivo Fernando Namora (2011), “Fotografias e documentação bio-bibliográfica.”, Lisboa: http://fernando-namora.blogspot.com.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]