Dúnedain

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Nas obras de J. R. R. Tolkien, Dúnedain foram uma raça de homens descendentes dos númenorianos que sobreviveram ao naufrágio do seu reino ilha e vieram a Eriador na Terra Média,1 liderados por Elendil e seus filhos, Isildur e Anárion. Eles também são chamados os Homens do Oeste e os Homens de Ponente (traduções diretas do termo Sindarin). Eles se estabeleceram principalmente em Arnor e Gondor.

O nome Westron para Dúnadan era simplesmente Adûn, "ocidental", mas este nome raramente foi usado. Este nome foi reservado aos númenorianos que foram amigáveis com os elfos: os outros sobreviventes, os hostis de Downfall eram conhecidos como os númenorianos negros.

História[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

As origens dos Dúnedain remontam ao início da Segunda Era do Sol, quando os remanescentes dos Edain da Primeira Era, por sua participação nas guerras contra Morgoth e para aplacar as perdas que tiveram, receberam uma dádiva dos Valar.

Eles receberam uma terra que situava-se no Oceano Ocidental entre a Terra-média e as Terras Imortais. Este local teve muitos nomes e em muitas línguas: "Anadûne", "Andor", "Elenna", "Terra da Estrela", mas foi principalmente chamada de Númenór (Númenórë na forma plena do Quenya)que significa "Ponente" ou ainda "Terra Ocidental". Essa era a terra dos Númenorianos, Homens de Númenor, Senhores do Ponente.

Númenor foi fundada em 32 S.E. e foi destruída, fruto da corrupção de seu povo, em 3319 S.E, tendo existido por 3287 anos. A história da Queda de Númenor é contada em o Akallabêth.

Apenas 9 barcos sobreviveram por ocasião da Queda de Númenor, seus tripulantes eram compostos pelos Elendili, ou Fiéis, cujo senhor era Elendil, O Alto, que junto com seus filhos Isildur e Anárion, fundou os reinos númenorianos no exílio na Terra Média: um mais ao sul, chamado Gondor e outro na porção setentrional, chamado Arnor.

Os exilados de Númenor, passaram então a se denominar Dúnedain (Dúnadan no singular) cuja tradução é Edain do Oeste.

Existiam outros remanescentes de Númenor na Terra Média, que haviam partido algum tempo antes da Queda, mas uma vez nas Terras Mortais, curvaram-se ao poder de Sauron e em nada mais lembravam o povo dos Senhores do Oeste, mas sua origem é remontada em sua denominação, pois são conhecidos como Numenorianos Negros e habitam o extremo sul da Terra Média, a região do Porto de Umbar.

Os Dúnedain em seus Reinos do Exílio, mantiveram o papel de seus antepassados Edain na luta contra o Mal, montaram guarda e lutaram, ao sul e ao norte, até a derrocada final do Senhor do Escuro, no fim da Terceira Era.

Árvore genealógica dos Meio-Elfos[editar | editar código-fonte]

Finwë
 
Indis
 
 
Casa de Hador
 
 
Casa de Bëor
 
 
Thingol
 
Melian
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Fingolfin
 
Anairë
 
Galdor
 
 
Barahir
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Elenwë
 
Turgon
 
 
Huor
 
 
Beren
 
 
 
 
 
Lúthien
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Idril
 
 
 
Tuor
 
 
Nimloth
 
 
 
Dior
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Eärendil
 
 
 
Elwing
 
 
 
 
Eluréd e Elurín
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Galadriel
 
Celeborn
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Elros
 
 
 
Elrond
 
 
 
Celebrían
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Reis de Númenor
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Reis de Arnor
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Aragorn
 
 
 
 
 
Arwen
 
 
Elladan e Elrohir
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Eldarion
 
 
 
No mínimo 3 filhas

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rutledge, Fleming. The Battle for Middle-Earth: Tolkien's Divine Design in Lord of the Rings (em inglês). [S.l.]: Wm. B. Eerdmans Publishing, 2004. p. 83. ISBN 0802824978