Deere & Company

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Deere & Company
x200xp
Tipo Sociedade Anônima
Fundação 1868
Sede Moline, IllinoisEUA
Pessoas-chave Robert W. Lane, Chairman & CEO
Empregados 55.700
Produtos Equipamentos Agrícolas, Construção, Silvicultura, Comerciais e Serviços Financeiros.
Página oficial www.johndeere.com

Líder  mundial  na  produção  de equipamentos  agrícolas  e florestais  e  uma  das  maiores fornecedoras de produtos e serviços para construção e jardinagem, a Deere & Company, com 176 anos de história, também oferece serviços de financiamento em escala mundial e produz motores para equipamentos pesados. A companhia tem mais de 66 mil funcionários no mundo e 64 fábricas localizadas em 17 países. Considerando os escritórios de vendas, marketing, crédito, centros de pesquisa e desenvolvimento e de distribuição de peças, as atividades da empresa alcançam mais de 100 países.

Sua linha de produtos inclui mais de 600 modelos de diferentes máquinas agrícolas, parte deles à venda no Brasil, e também motores e equipamentos para jardinagem, construção e indústria florestal. Além disso, os clientes podem recorrer às linhas de crédito do Banco John Deere para ter acesso às mais modernas tecnologias oferecidas pela companhia.

Mundialmente, a empresa investe em média US$ 3 milhões ao dia em pesquisa e desenvolvimento, o que resulta na contínua evolução tecnológica de seus produtos.  

John Deere no Brasil[editar | editar código-fonte]

Desde 1999, quando assumiu integralmente o controle da SLC, a John Deere realizou uma série de investimentos no País, entre eles: ampliou a fábrica de colheitadeiras e plantadeiras de Horizontina-RS; inaugurou a fábrica de colhedoras de cana-de-açúcar, em Catalão-GO e, em 2012, iniciou também a produção de pulverizadores; em 2008, instalou uma das mais modernas fábricas de tratores do mundo em Montenegro-RS e, no mesmo ano, abriu em Campinas-SP o Centro de Distribuição de Peças para América do Sul.


Com mais de 4 mil funcionários no Brasil, a John Deere inaugurou, em 2012, o Escritório Regional para a América Latina, em Indaiatuba-SP. A nova sede abriga mais de 500 funcionários diretos e reúne todas as lideranças da empresa nos seus negócios em máquinas e equipamentos para agricultura, construção, indústria florestal e Banco John Deere.


Ainda em 2012, a John Deere Brasil iniciou suas operações no segmento de construção com duas fábricas em Indaiatuba-SP – uma delas em parceria com a Hitachi Construction Machinery –, que estão em operação desde o fim de 2013.


Com a gama de produtos mais ampla do mercado, a John Deere está preparada para oferecer sistemas  mecanizados  capazes  de  atender  de  forma  completa  às  necessidades  de mecanização de diferentes culturas. Produtores de grãos, cana-de-açúcar, algodão e frutas encontram nos produtos da empresa uma solução integrada para obter maior produtividade com redução de custos e, assim, alcançar maior competitividade. Com a aplicação dos sistemas mecanizados John Deere, o produtor obtém ganhos tanto no investimento total, quanto no custo operacional de suas máquinas, melhorando o desempenho econômico da propriedade.


As máquinas ganham ainda mais eficiência, precisão e produtividade com o uso dos produtos do sistema AMS (Soluções em Gerenciamento Agrícola). O piloto automático, o monitor de colheita, o mapa de produtividade e outros produtos do sistema AMS garantem mais precisão e rendimento às operações agrícolas. Eles unem os avanços da informática com os recursos do posicionamento por satélite para melhorar o gerenciamento das propriedades, reduzindo custos operacionais e aumentando a produtividade no campo.


Já no segmento de Construção, a alta tecnologia John Deere está voltada para atender à crescente demanda do mercado brasileiro. A linha premium de produtos comercializadas no País inclui retroescavadeiras, pás-carregadeiras e escavadeiras – fabricadas em Indaiatuba- SP – e motoniveladoras e tratores de esteira, que são importados.


Concessionários e distribuidores podem contar com o Banco John Deere para linhas de crédito específicas para a compra de máquinas agrícolas e de construção. Dessa forma, a empresa amplia o  acesso  às  mais  modernas  tecnologias  ao  oferecer  uma  opção  segura  de financiamento aos seus clientes.

Unidades operacionais[editar | editar código-fonte]

Divisão agrícola[editar | editar código-fonte]

A John Deere é líder mundial na fabricação de equipamentos agrícolas, com mais de 600 diferentes modelos em sua linha de produção, que inclui tratores, implementos para o preparo do solo, plantadeiras, cultivadores mecânicos, pulverizadores, colheitadeiras de grãos e de algodão e equipamentos para fenação e ensilagem.

Divisão de equipamentos para construção[editar | editar código-fonte]

Após uma história de mais de 30 anos de sucesso no fornecimento de soluções e máquinas agrícolas ao mercado brasileiro, a John Deere iniciou, em 2012, as suas operações dedicadas aos  equipamentos para construção. Dentre as opções oferecidas estão as linhas de retroescavadeiras, pás-carregadeiras e escavadeiras, máquinas que agora são produzidas no Brasil. Além destes equipamentos, a empresa mantém a importação de uma linha abrangente de motoniveladoras e tratores de esteira.

Para o mercado florestal[editar | editar código-fonte]

A John Deere Florestal é líder global de mercado na fabricação de máquinas destinadas ao setor. No Brasil, a história da John Deere Florestal começou com a Timberjack, conhecida empresa finlandesa fabricante de equipamentos florestais  cut-to-length  e  full-tree.  Com forte atuação no País desde 1996 na venda de máquinas para colheita e  transporte  florestal,  a  empresa  foi adquirida pela John Deere em 2000. O Escritório de Vendas e Marketing para o Brasil está localizado em Barueri-SP e oferece equipamentos para a colheita e o transporte de florestas plantadas, venda de peças, além de treinamento e completo serviço de suporte técnico aos clientes.

Pesquisa e Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Como parte de seu comprometimento com o País, a John Deere levou para Indaiatuba-SP, em 2012, o Centro Latino-Americano  de  Inovação  Tecnológica  (LATIC).  A unidade de Pesquisa e Desenvolvimento tem como objetivo integrar sistemas produtivos e encontrar soluções diferenciadas para os produtos e serviços oferecidos pela marca, de acordo com as necessidades dos clientes dos mercados agrícola, de construção e florestal. Além disso, o LATIC no Brasil desenvolve inovações e adaptações nos equipamentos para que eles sejam totalmente compatíveis com as características do mercado brasileiro.

Comerciais e domésticos[editar | editar código-fonte]

A John Deere fabrica e comercializa a mais ampla linha de tratores para gramados e jardins, cortadores de grama, aeradores de solo e outros produtos motorizados para uso comercial e doméstico. Na linha de equipamentos para golfe e turfe tem destacada participação no mercado.

Divisão mundial de peças[editar | editar código-fonte]

Fornece peças originais para toda a linha John Deere. Também coordena a distribuição e a administração mundial dos estoques e materiais e ajuda os concessionários a desenvolverem sua capacidade de comercialização de peças e serviços..

Divisão de motores[editar | editar código-fonte]

A John Deere é um dos maiores fabricantes de motores do mundo. Além de produzir motores para todos os seus produtos, ainda fornece motores industriais pesados para veículos fora-de-estrada e outras aplicações.

Crédito[editar | editar código-fonte]

Banco John Deere

A John Deere está entre as maiores fontes de financiamento ao consumidor nos Estados Unidos. Realiza operações de leasing de equipamentos industriais e agrícolas, equipamentos para a manutenção de quadras e gramados, barcos e veículos de recreação e financia no crédito rotativo (principalmente o Plano Agrícola) para a compra de insumos agrícolas. Presente em oito países, a John Deere Credit opera nos Estados Unidos, Canadá, México, Austrália, Inglaterra, França, Alemanha e Brasil. No Brasil, sob a denominação de Banco John Deere.

O Banco John Deere teve origem em 1987, a partir da criação da Financeira Agroinvest, voltada para o segmento agrícola, com o objetivo de facilitar o acesso do homem do campo ao uso da mecanização. Em 1989, tornou-se banco múltiplo, visando a incrementar suas atividades e a obter maior flexibilidade operacional e ampliação das linhas de crédito. Passou, então, a operar com as carteiras comercial e de crédito, financiamento e investimento. Com sede em Indaiatuba-SP, o Banco John Deere hoje atua em todo o Brasil e destina linhas de crédito específicas para a compra de máquinas agrícolas e de construção, fortalecendo assim as redes de concessionários e distribuidores da John Deere e ampliando o acesso de seus clientes às mais modernas tecnologias.

===
Consórcio John Deere === Outra econômica ferramenta que o agricultor possui para adquirir máquinas agrícolas é o Consórcio Nacional John Deere que, ao longo de 16 anos, já disponibilizou R$ 2,4 bilhões em crédito. Nos últimos quatro anos, o número de cotas adquiridas cresceu em média 12% ao ano. O sucesso do Consórcio John Deere está fundamentado em três pilares: o crescimento da rede de concessionários John Deere, a flexibilidade para a compra de equipamentos novos e usados e a confiança de pessoas ligadas ao agronegócio que, com um perfil mais comercial, fazem as contas e percebem as vantagens do consórcio.

Sustentabilidade[editar | editar código-fonte]

Há muitos anos, a John Deere possui programas que incentivam a redução da produção de resíduos e a conservação de água e energia. Entre 1972 e 2006, por exemplo, os programas de conservação de energia reduziram as emissões de gases de efeito estufa da empresa em 63%. Outra grande conquista foi a reformulação de praticamente todos os motores John Deere, reduzindo os níveis de emissões em mais de 99% desde 1996. Para aumentar a conscientização interna e pública da gestão ambiental, bem como incentivar a inovação e melhorar o desempenho de suas unidades, a John Deere definiu quatro metas globais, denominadas Eco-Efficiency Goals, válidas também para as fábricas do Brasil. São elas:

- Reduzir as emissões de gases de efeito estufa e consumo de energia por tonelada de produção em 15% a partir de 2012 até 2018.

- Reduzir o consumo de água por tonelada de produção em 15% a partir de 2012 até 2018.

- Aumentar a quantidade de resíduos reciclados da empresa para 75% do total de resíduos produzidos até 2018.

-  Usar  engenharia  de  ciclo  de  vida  para  criar  produtos  e  serviços  que  atendam  às necessidades dos clientes e reduzir o impacto ambiental.

Fundação John Deere[editar | editar código-fonte]

A Fundação John Deere, braço social da John Deere Brasil, nasceu em 2004 com o objetivo de gerenciar programas que auxiliem no desenvolvimento social e econômico do nosso País. A Fundação investe ainda em agricultura sustentável por meio de parcerias com a Embrapa para a produção de uma série de documentários sobre melhores práticas e tecnologias, referências para a agricultura e produção de energia alternativa e sustentável no Brasil. O primeiro DVD, lançado em 2012, “Terra e Sustentabilidade”, apresenta os benefícios de um dos sistemas  agrícolas  mais  eficientes  do  ponto  de  vista  da  sustentabilidade  e  da produtividade no campo, o sistema de manejo agrícola Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iLPF). O segundo, “Energia Verde e Amarela”, lançado em 2013, destaca os diferentes processos de geração de energia sustentável, que provêem da biomassa e dos seus resíduos.

Outro importante projeto da Fundação é o Cinemóvel John Deere – Mostra Itinerante de Filmes Nacionais, promovido há cinco anos com o objetivo de incentivar o acesso à cultura e valorizar as produções cinematográficas brasileiras. O programa, voltado para estudantes de escolas da rede pública de municípios agrícolas sem salas de cinema, já percorreu inúmeras cidades do interior das cinco regiões do Brasil. Na temporada de 2013, o Cinemóvel percorreu

32 municípios dos estados da Bahia, Piauí, Tocantins, Goiás e São Paulo. 

Subsidiárias e afiliadas[editar | editar código-fonte]

O John Deere Pavilion em Moline, Illinois.
  • AGRIS Corporation
  • John Deere Capital Corporation
  • John Deere Landscapes – fornecedor de plantas para paisagismo e materiais e equipamentos para irrigação.
  • Agreentech
  • NavCom Technology, Inc.

Linha do tempo[editar | editar código-fonte]

  • 1837 - John Deere, o fundador da empresa, cria um arado de aço polido em sua ferraria em Grand Detour, Illinois, EUA. Seu utensílio é o primeiro arado autolimpante. O sucesso do arado faz com que John Deere passe de ferreiro a fabricante. Ele produz 10 arados em 1839, 75 em 1841 e 100 em 1842.
  • 1848 - O negócio de arados em crescimento é transferido para Moline, Illinois, EUA, para tirar proveito de uma melhor força hidroelétrica e transporte. Um ano depois, em 1849, uma mão-de-obra de cerca de 16 funcionários produz 2.136 arados.
  • 1852 - John Deere compra a participação acionária dos seus sócios. Pelos próximos 16 anos, a empresa tem nomes variados: John Deere, John Deere & Company, Deere & Company e Fábrica de Arados Moline.
  • 1858 - A gestão ordinária da empresa passa para Charles Deere, filho de John Deere, então com 21 anos. John Deere continua como Presidente. Charles havia começado a trabalhar na empresa  aos  16  anos,  após  formar-se  em  um  curso  de  comércio  de  Chicago.  Ele administraria a empresa pelos próximos 49 anos.
  • 1868 - Após 31 anos operando como empresa coletiva ou individual, o empreendimento é incorporado sob o nome Deere & Company.
  • 1875 - A Deere apresenta o Arado Gilpin Sulky – um produto que permite que o agricultor trabalhe sentado. O Arado Gilpin Sulky torna-se um dos produtos mais bem sucedidos da empresa no século XIX após derrotar outros 50 arados em um teste de campo na Exposição Universal de Paris em 1878.
  • 1876 - A marca registrada do "cervo saltando" é registrada pela primeira vez. Apesar de ter sido reformulado ao longo dos anos, o cervo saltando continua sendo a marca registrada da empresa ao redor do mundo.
  • 1886 – Morre John Deere, o fundador da empresa, em Moline, aos 82 anos.
  • 1903 - A Deere instala controles ambientais extensivos na sala de moagem na fábrica de arados da empresa, iniciando um comprometimento de longa data com a administração ambiental.
  • 1907 - Morre Charles Deere. Seu genro, William Butterworth, torna-se Diretor-Executivo (CEO). Além disso, a empresa cria um plano de pensão não contributiva para empregados com 20 anos de serviço ou mais e idade igual ou superior a 65 anos.
  • 1909 - A empresa se junta ao patrimônio Deere para construir alojamentos com preços acessíveis para os funcionários. Até 1920, 315 casas e apartamentos já haviam sido construídos em Moline e Moline do Leste. Após a 2ª Guerra Mundial, a empresa constrói mais alojamentos em Dubuque, Iowa, EUA.
  • 1918 - A Deere compra a fabricante dos tratores Waterloo Boy para se inserir no negócio de tratores depois de um debate da comissão de diretores sobre continuar com foco apenas em arados puxados por cavalos ou investir na manufatura de tratores movidos a gasolina. O trator logo se torna o produto básico da empresa.
  • 1921 - Difíceis condições econômicas impactam a empresa. São feitas extensivas demissões. As vendas do trator Waterloo Boy caem de 5.405 em 1920 para 79 em 1921.
  • 1923 - A Deere lança o Modelo D, o primeiro trator de dois cilindros produzido na Waterloo a ter a marca John Deere. O Modelo D permaneceria na linha de produção por 30 anos.
  • 1928 - William Butterworth é eleito presidente da Câmara de Comércio dos EUA e Charles Deere Wiman assume a liderança da empresa.
  • 1929 - O "GP" Wide-Thread, um trator de plantio em linha, é inserido no mercado. É o primeiro trator da Deere com frente de triciclo para encaixar entre duas fileiras e um eixo traseiro largo o bastante para que as rodas compreendam duas fileiras.
  • 1932 - A Grande Depressão piora, forçando demissões em massa, cortes no pagamento de salários e pensões, horas reduzidas e um fim temporário das férias remuneradas. A aflição de muitos funcionários é diminuída devido ao inovador plano de poupança iniciado pela empresa na década de 1920. A Deere mantém o seguro coletivo para os desempregados, diminui o aluguel dos alojamentos fornecidos pela empresa e dá início a projetos de "produção de trabalho".
  • 1933 - Os negócios estão praticamente parados. As vendas caem para 8,7 milhões de dólares. Apesar de estar perdendo dinheiro, a empresa decide sustentar as dívidas dos agricultores pelo tempo necessário. Esta iniciativa fortalece ainda mais a fidelidade dos agricultores à John Deere.
  • 1934 - Apesar da Depressão, a empresa enfatiza o desenvolvimento de produtos. O Trator Modelo “A” começa a ser produzido em 1934 e, em 1935, começa a ser produzido o Modelo “B”, que é semelhante ao anterior, porém menor. Esses populares tratores continuariam a ser produzidos até 1952.
  • 1938 - O designer industrial Henry Dreyfuss trabalha com os engenheiros da Deere para dar uma forma aerodinâmica aos tratores A e B, iniciando o conceito inovador de que um design atraente unido aos tradicionais valores utilitários como símbolos dos produtos John Deere.
  • 1941 - Os EUA entram na 2ª Guerra Mundial. Charles Deere Wiman assume o posto de Coronel do Exército e Burton Peek o sucede como presidente da empresa. Cerca de 4.500 funcionários servem no exército americano, alguns no "Batalhão John Deere", um grupo de artilharia especializada que serviu na Europa.
  • 1945 - Os funcionários da fábrica da John Deere apoiam os sindicatos. A negociação coletiva de salários e condições de trabalho substituem um padrão de negociação individual que durou 105 anos. Mais tarde, em 1950, um acordo com a United Auto Workers sobre um contrato de cinco anos terminaria com um longo período de inquietação trabalhista pós-guerra.
  • 1947 - A recém-criada John Deere Dubuque Works fabrica o trator Modelo M, que mais tarde é oferecido como trator de esteira e depois como retroescavadeira, marcando o ingresso da Deere no mercado de equipamentos de construção.
  • 1948 - A Deere Des Moines Works, uma antiga fábrica de munição comprada do governo americano,  produz  colheitadeiras  de  algodão  e  cultivadores.  Mais  tarde,  ela  também produziria arados.
  • 1949 – O trator Modelo R, a primeira unidade movida a diesel da Deere, começa a ser produzido.

1955 - William A. Hewitt é eleito presidente e, mais tarde, após a morte de Charles Deere Wiman, seu sogro, torna-se Diretor-Executivo (CEO). Ele irá dirigir a empresa pelos próximos 27 anos e será o último representante da família Deere a fazê-lo.

  • 1956 – A John Deere Company forma a Divisão de Equipamentos Industriais (renomeada, mais tarde, para Divisão de Equipamentos de Construção e Florestal) como uma entidade separada do negócio de maquinário agrícola. Um investimento de US$ 15 milhões — incluindo US$ 2,4 milhões para instalações de fabricação — é autorizado para o programa industrial. No setor agrícola, a empresa expande sua presença mundial construindo uma pequena unidade de montagem de tratores no México e adquirindo a participação majoritária de uma fábrica de tratores e colheitadeiras alemã.
  • 1957 - São lançadas plantadeiras e cultivadores com seis linhas de plantio, inovações da John Deere. Esses produtos possibilitaram um aumento de 50% na capacidade de plantio e cultivo por agricultores de plantio em linha em áreas de produção de milho e algodão.
  • 1958 - A John Deere Credit Company inicia operações para financiar a aquisição de equipamentos John Deere.
  • 1958 - A John Deere instala em Rosário, na Argentina, sua primeira fábrica na América do Sul. É criada a Indústria John Deere Argentina.
  • 1960 - Quatro modelos de trator "New Generation of Power" são exibidos no "Deere Day" em Dallas, EUA – uma reunião de vendas que atraiu mais de 6.000 participantes, incluindo todas as concessionárias dos EUA e Canadá.
  • 1961 - Começa a construção do Centro Administrativo da Deere & Company em Moline, Illinois, que hoje funciona como Sede Mundial da Deere & Company. O prédio, projetado pelo arquiteto mundialmente famoso Eero Saarinen, é inaugurado em 1964.
  • 1963 - A John Deere ultrapassa a International Harvester, tornando-se a maior produtora de tratores e equipamentos agrícolas e industriais do mundo. Além disso, a Deere toma a iniciativa de  entrar  no  mercado  de consumo e  decide produzir  e vender  tratores  para gramados e acessórios como cortadores de grama e ventiladores de neve.
  • 1966 - Pela primeira vez, as vendas ultrapassam 1 bilhão de dólares e a receita atinge o recorde de 78,7 milhões de dólares. Além disso, a John Deere introduz mais uma inovação com as primeiras estruturas de proteção contra capotamento (ROPS) para tratores agrícolas. Mais tarde, a empresa cederia a patente para toda a indústria sem custo algum para ajudar a proteger todos os agricultores. Esta tecnologia ainda é utilizada pela indústria atualmente.
  • 1967 - O espaço de fabricação total na John Deere Dubuque Works alcança 528.300 metros quadrados, e a  empresa introduz a primeira motoniveladora de estrutura articulada do mundo (JD570), considerada o avanço mais significativo em projeto de motoniveladora desde 1928.
  • 1970 - A John Deere reorganiza sua estrutura de gestão e cria três divisões operacionais – Equipamentos Agrícolas e Produtos de Consumo, EUA e Canadá; Equipamentos Agrícolas e Produtos de Consumo, Países Estrangeiros; e Equipamento Industrial.
  • 1971 - O famoso slogan "Nothing Runs Like a Deere" (Nada se move como um Deere) é usado para a nova linha de motos de neve (snowmobiles) produzida na John Deere Horicon Works. O slogan duraria muito mais do que a linha de motos de neve, vendida em 1984.
  • 1973 - As vendas totais da John Deere passam dos 2 bilhões de dólares pela primeira vez. A Diretoria avança para uma adesão mais independente à Diretoria nomeando seu primeiro diretor externo.
  • 1974 - A fabricação de 28 modelos de tratores de esteira, tratores com rodas, carregadeiras com tração nas quatro rodas, um compactador de aterro, scrapers, empilhadeiras, tratores florestais para toras, uma motoniveladora e uma escavadeira ampliam a base da empresa no mercado de maquinário industrial. A Deere Davenport Works inicia a produção.
  • 1975 - A John Deere Davenport Works, localizada em Davenport, Iowa, EUA, entra em funcionamento para produzir componentes de equipamentos industriais.
  • 1976 – Em relação a 1966, as vendas de equipamentos industriais e agrícolas triplicam e as vendas de produtos de consumo sobem cinco vezes.
  • 1979 - A John Deere adquire 20% do capital social da SLC no Brasil.
  • 1979 - O número de funcionários alcança o novo recorde de 65.392. As vendas passam dos 5 bilhões  de dólares e a  receita atinge 310 milhões de dólares, sendo ambos valores recordes.
  • 1980 - É apresentada uma colheitadeira de algodão de 4 linhas, a primeira no ramo. Testes de campo indicam que ela aumentaria a produtividade de um operador em 85% a 95%.
  • 1981 - A John Deere Tractor Works, em Waterloo, começa a produzir tratores. A linha de produção industrial possui 68 modelos: 22 máquinas para construção, 29 máquinas utilitárias e 17 máquinas florestais.
  • 1982 - Robert A. Hanson sucede William A. Hewitt como Presidente e se torna o primeiro líder da empresa sem vínculos familiares com John Deere, o fundador da empresa. A empresa cresce quase duas vezes mais rápido que o mercado de equipamentos na década anterior, com mais de 65 produtos industriais.
  • 1983 - Início da produção da colheitadeira modelo 6200, com a cor verde e a tecnologia da

John Deere.

  • 1984 - Início da produção de plantadeiras em Horizontina.
  • 1987 - A Deere & Company celebra seu 150º aniversário.
  • 1988 - A economia agrícola se recupera após seis anos de recessão, durante os quais muitas empresas agrícolas faliram. As vendas da Deere & Company crescem 30% em relação a 1987. Após dois anos de prejuízos, os lucros excedem 315 milhões de dólares, um novo recorde. Além disso, um empreendimento conjunto é formado com a Hitachi Construction Machinery, uma empresa japonesa, para fabricar retroescavadeiras nos Estados Unidos. É formada a Deere-Hitachi Construction Machinery.
  • 1989 - Inauguração da nova fábrica de Horizontina.
  • 1990 - Hans W. Becherer, presidente desde 1987 e Diretor-Executivo (CEO) desde 1989, é eleito Presidente quando da aposentadoria de Robert Hanson.
  • 1991 - As operações de equipamentos de cuidados com gramados e solos nos EUA e no Canadá, que desde 1970 faziam parte da divisão de equipamentos agrícolas, tornam-se uma divisão separada. A empresa também adquire a SABO, uma fabricante de cortadores de grama europeia.
  • 1993  -  Novos  modelos  de  trator  aumentam a  participação  de mercado de  vendas de equipamentos agrícolas da John Deere na América do Norte e na Europa. A Deere se torna a principal fornecedora de tratores na Alemanha. As vendas de equipamentos para gramados e jardins passam de 1 bilhão de dólares pela primeira vez.
  • 1996 - A John Deere introduz sua linha de tratores no Brasil com a marca SLC - John Deere e aumenta para 40% sua participação na sociedade.
  • 1996 - Quatro tratores com preços acessíveis e dois cortadores de grama comuns com a marca "Sabre by  John Deere" são  lançados para aumentar o alcance dos produtos da empresa para um mercado maior. Esses produtos são vendidos tanto em centros de vendas a varejo nos EUA quanto em concessionárias John Deere.
  • 1997 - A empresa obtém participação no capital de uma empresa chinesa fabricante de colheitadeiras.  O  John  Deere  Pavilion,  com  exposições  de  equipamentos  e  displays interativos, é inaugurado no centro de Moline.
  • 1998 - A renda líquida da empresa atinge 1 bilhão de dólares pela primeira vez. A Deere adquire a Cameco Industries, uma fabricante de equipamentos de colheita de cana-de- açúcar.
  • 1999 – A John Deere adquire o controle total do capital da SLC – John Deere S.A. e inaugura a fábrica de colhedoras de cana-de-açúcar, em Catalão (GO). Com a aquisição da indústria norte-americana  Cameco  pela  John  Deere,  as  colhedoras  de  cana  tornam-se  um  novo produto John Deere no Brasil. A Divisão de Equipamentos de Construção John Deere adquire a Timberjack e a linha de produção da divisão se expande para mais de 100 modelos de equipamentos para construção e florestais. A Deere-Hitachi Specialty Products começa o envio de maquinário florestal com esteira de suas instalações em Vancouver, B.C. A Divisão de Equipamentos de Construção e Florestal forma uma aliança estratégica com a Bell Equipment de Richards Bay, África do Sul, para deter os direitos exclusivos de marketing dos caminhões basculantes articulados fabricados pela Bell na América do Norte, Central e do Sul.
  • 2000 - Hans Becherer, Diretor-Executivo (CEO) e Presidente, se aposenta, e Robert W. Lane é nomeado CEO e eleito Presidente. Uma nova fábrica de tratores é inaugurada em Pune, Índia. Escritórios de crédito são abertos na Argentina e no Brasil. A Deere recebe licença bancária em Luxemburgo, permitindo que a John Deere Credit financie equipamentos em toda a Europa. A Divisão de Equipamentos Industriais John Deere se torna oficialmente a Divisão de Equipamentos de Construção e Florestal John Deere.
  • 2001 - Incorporação da marca mundial no Brasil.
  • 2002 - A revista Business Ethics nomeia a John Deere como um dos 100 Melhores Cidadãos Corporativos. O portal Crain's Chicago Business anuncia, com base em uma pesquisa em âmbito nacional feita nos EUA, que a John Deere é a empresa de Illinois mais confiada.
  • 2003 - Através de um acordo com a Home Depot, os cortadores de grama autopropelidos são vendidos em canais de massa pela primeira vez na história da empresa.
  • 2004 - Início da construção da nova fábrica de tratores em Montenegro, RS.
  • 2005 - A Deere & Company inaugura uma fábrica de montagem de equipamentos de semeadura em Orenburg, Rússia, e estabelece uma rede de concessionárias no país. A empresa também anuncia planos para construir um novo centro de apoio de engenharia e tecnologia da informação perto das instalações de fabricação de tratores da John Deere em Pune, Índia.
  • 2006 - A presença crescente no mercado global ajuda a impulsionar a receita ao recorde de 1,69 bilhões de dólares. O presidente e Diretor-Executivo (CEO) Robert W. Lane é nomeado "CEO do Ano" pela revista Industry Week. É inaugurada a John Deere Tianjin Works, uma nova  fábrica  de  transmissões  em  Tianjin,  China. A  John  Deere  é reconhecida  como  a fabricante líder  mundial de  equipamentos  agrícolas  e florestais  e como  concorrente de primeiro nível em construção na América do Norte.
  • 2006 – Com o lançamento da colhedora de cana 3510, produzida em Catalão (GO), equipamentos de cana passam usar a marca e as cores da John Deere. Instalação do Escritório Regional da América do Sul em Porto Alegre.
  • 2007 - Os acionistas da Deere & Company aprovam um desdobramento de ações 2 para 1. Uma fábrica de tratores é adquirida em Ningbo, China. A John Deere é mais uma vez escolhida para a lista das 100 Empresas Mais Éticas do Mundo.
  • 2008 - A Deere & Company entra em empreendimentos conjuntos com fabricantes de equipamentos de construção na China e na Índia. A Deere anuncia planos para a construção de um centro de distribuição, peças de troca e treinamento na Rússia, um Centro Europeu de Tecnologia e Inovação na Alemanha e um escritório de marketing em Kiev, na Ucrânia. A John Deere Water expande-se com a aquisição das fábricas de produtos de irrigação T- Systems International e Plastro Irrigation Systems. Inauguração da nova fábrica de tratores em Montenegro (RS) e do Centro de Distribuição de Peças para a América do Sul, em Campinas (SP).
  • 2009 - Robert W. Lane anuncia sua intenção de se aposentar. Samuel R. Allen é nomeado o nono Diretor-Executivo (CEO) da John Deere e torna-se Presidente da Diretoria em 2010. Um novo modelo de operação global é introduzido e combina duas divisões de equipamentos já existentes para formar a Divisão Ag & Turf. Um empreendimento conjunto é formado na Índia com a Ashok Leyland Limited para fabricar retroescavadeiras e pás-carregadeiras de quatro rodas.
  • 2010 - A empresa inaugura um centro de tecnologia e inovação na Alemanha e expande um centro de pesquisa e desenvolvimento na China. Na Índia, é feito um empreendimento conjunto para produzir retroescavadeiras e pás-carregadeiras para os mercados asiáticos. A Deere se torna a primeira empresa a transportar máquinas de construção com motores de 175 cavalos ou mais certificadas para atender aos rigorosos padrões de emissão Interim Tier 4 dos EUA.
  • 2011 - A empresa anuncia o seu nono aumento de dividendos nos últimos 7 anos. A Deere é nomeada uma das 50 empresas mais admiradas globalmente pela revista Fortune e figura em uma lista das 100 melhores marcas globais feita por uma empresa líder de consultoria de marcas. Em alinhamento com a ênfase da empresa no crescimento global, as vendas fora dos EUA e do Canadá aumentam significativamente. A empresa começa a trabalhar em fábricas para produzir motores, pás-carregadeiras e equipamentos de agricultura na China; tratores e colheitadeiras na Índia; e retroescavadeiras, pás-carregadeiras e escavadeiras no Brasil. Além de equipamentos de agricultura, a John Deere Domodedovo, na Rússia, começa a produzir tratores florestais de rodas e tratores florestais forwarders. Outras instalações são expandidas na Índia, Brasil, Argentina, Rússia e EUA.
  • 2012 – A John Deere celebra o 175º aniversário da empresa; inauguração da linha de produção de pulverizadores na fábrica de Catalão (GO); inauguração do Escritório Regional América Latina e início da construção de duas fábricas para máquinas de construção em Indaiatuba (SP). Como parte de seu comprometimento com o País, a John Deere leva para Indaiatuba o Centro Latino-Americano de Inovação Tecnológica (LATIC), unidade de Pesquisa e Desenvolvimento que tem como objetivo encontrar soluções diferenciadas para os produtos e serviços oferecidos pela marca.
  • 2013 – Início da ampliação do Centro de Distribuição de Peças para América do Sul e da instalação do Centro de Treinamento; início da ampliação da fábrica de Montenegro para a produção nacional da série 8R de tratores a partir de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]