Duque de Beja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Armas dos Duques de Beja da Dinastia de Avis

O título Duque de Beja foi criado pelo rei D. Afonso V de Portugal em 1453 a favor do seu irmão, o Infante D. Fernando e Condestável de Portugal.

Posteriormente, D. Fernando herdaria também o Ducado de Viseu do seu tio, o Infante D. Henrique, pelo facto de ser o seu principal herdeiro e com as mesmas «obrigações régias», tornando-se o seu 2º Duque.

O seu filho, D. Manuel, 4º Duque de Beja, tornou-se Rei de Portugal depois da morte, sem herdeiros, de D. João II. A partir daí o título foi incorporado na coroa, ficando reservado ao segundo filho varão do monarca, quando o houvesse; com a instituição da Casa do Infantado, em 1654, ficou sendo um dos títulos subsidiários da mesma; a partir de D. Pedro IV e a extinção da Casa do Infantado, o título manteve-se, mas perdeu a sua posição em favor do título de Duque do Porto, passando o Ducado de Beja a ser atribuído ao terceiro varão do monarca. Seis dos titulares do Ducado de Beja acabaram, incidentalmente, por herdar o trono (um deles como consorte régio).

Duques de Beja[editar | editar código-fonte]

1.ª criação (D. Afonso V, 1453)[editar | editar código-fonte]

2.ª criação (D. Manuel I)[editar | editar código-fonte]

  • 5. D. Luís de Portugal, filho do predecessor, Infante de Portugal (1506-1555); por sua morte sem descendentes considerados legítimos, o título reverteu de novo para a Coroa.

3.ª criação (D. João IV, 1654)[editar | editar código-fonte]

4.ª criação (D. Pedro II)[editar | editar código-fonte]

  • 7. D. Francisco de Bragança, filho segundo do predecessor, Infante de Portugal (1691-1742); por sua morte sem descendentes legítimos, o título reverteu de novo para a Coroa.

5.ª criação (D. João V)[editar | editar código-fonte]

  • 8. D. Pedro de Bragança, filho segundo de D. João V, Infante de Portugal, Príncipe da Beira e do Brasil, e depois Rei-Consorte de Portugal, como D. Pedro III pelo casamento com a sobrinha D. Maria I (1717-1786); reintegrado na Coroa com a ascensão do titular à dignidade régia.

6.ª criação (D. Maria I)[editar | editar código-fonte]

  • 9. D. João de Bragança, filho segundo do predecessor, Infante e, depois, Rei de Portugal como D. João VI (1767-1826); reintegrado na Coroa com a ascensão do titular à dignidade régia.

7.ª criação (D. João VI)[editar | editar código-fonte]

  • 10. D. Miguel de Bragança, filho segundo do predecessor, Infante e, depois, rei de Portugal como D. Miguel I (1802-1866); reintegrado na Coroa com a ascensão do titular à dignidade régia.

8.ª criação (D. Maria II)[editar | editar código-fonte]

  • 11. D. João de Bragança, filho terceiro da Rainha D. Maria II, Infante de Portugal (1842-1861); por sua morte sem descendentes legítimos, o título reverteu de novo para a Coroa.

9.ª criação (D. Carlos I)[editar | editar código-fonte]

Reivindicações pós-Monarquia[editar | editar código-fonte]

Reivindicou, também, o título de Duque de Beja: