Eleição presidencial da França em 2007

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
‹ 2002 • Flag of France.svg • 2012
Eleição presidencial da França em 2007
Presidente para o período 2008-2012
21 de abril de 2007 e 06 de maio de 2007
Tipo de eleição:  Presidencial
Demografia eleitoral
Hab. inscritos:  44 728 343
Votantes 1.ª volta/1.º turno: 37 254 242
  
83.77%  
Votantes em 2.ª volta/2.º turno: 37 342 004
  
83.97% Green Arrow Up.svg 0.2%
Nicolas Sarkozy MEDEF.jpg
Nicolas Sarkozy
Votos 1º volta: 11 448 663  
Em 2.ª volta/2.º turno 18 983 138 Green Arrow Up.svg 65.8%
  
31.18%
  
53.06%
Segolene Royal Arcueil 18 septembre 2010 6.jpg
Ségolène Royal
Votos 1.ª volta/1.º turno: 9 500 112  
Em 2.ª volta/2.º turno 16 790 440 Green Arrow Up.svg 76.7%
  
25.87%
  
46.94%
Bayrou interviewé.jpg
François Bayrou
Votos 1.ª volta/1.º turno: 6 820 119  
  
18.57%
Jean-Marie Le Pen 479834203 5030701e77 o.jpg
Jean-Marie Le Pen
Votos 1.ª volta/1.º turno: 3 834 530  
  
10.44%
Olivier Besancenot by Thomas Bresson.JPG
Olivier Besancenot
Votos 1º volta: 1 498 581  
  
4.08%
Man silhouette.svg
Philippe de Villiers
Votos 1º volta: 818 407  
  
2.23%
Man silhouette.svg
Outros
Votos 1º volta: 2 789 984  
  
7.64%
Mapa do resultado das eleições
Eleição presidencial da França em 2007
Vencedores da primeira volta, por departamento: Azul: Nicolas Sarkozy; Laranja: Ségolène Royal; Amarelo: François Bayrou.

Presidente da França
Vencedores da segunda volta, por departamento: Azul: Nicolas Sarkozy; Rosa: Ségolène Royal
Eleições presidenciais francesas de 2007

As duas voltas das eleições presidenciais francesas de 2007 realizaram-se em 22 de Abril e 6 de Maio de 2007, com o propósito de eleger o presidente da República Francesa que sucedesse a Jacques Chirac. Estas foram as nonas eleições presidenciais da Quinta República Francesa. O vencedor foi Nicolas Sarkozy, que foi eleito presidente com 53,06% dos votos.

Candidatos[editar | editar código-fonte]

Concorreram a estas eleições 12 candidatos:[1]

Esquerda[editar | editar código-fonte]

Ségolène Royal, que segundo as sondagens, era a candidata de esquerda com mais possibilidades de vencer

Ségolène Royal[editar | editar código-fonte]

Em 16 de Novembro de 2006, o Partido Socialista Francês fez votações para a escolha de candidato à presidência da República. A estas eleições apresentaram-se Ségolène Royal (senadora e companheira do Primeiro Secretário do Partido Socialista desde 1997, François Hollande), Dominique Strauss-Kahn (DSK, ex-ministro da Economia de Mitterrand e de Jospin) e Laurent Fabius, (ex-Primeiro-ministro de Mitterrand). Os resultados deram a maioria absoluta a Royal, portanto foi designada candidata automaticamente, sem necessidade de segunda volta. Os resultados da votação interna do PSF foram:

  1. Ségolène Royal: 60,62%
  2. Dominique Strauss-Kahn: 20,83%
  3. Laurent Fabius: 18,54%

Alguns dos pontos do seu programa são a aprovação do casamento homossexual, apesar de que até há pouco tempo fosse feroz opositora. Esta viragem fez com que os seus críticos a considerem como uma mulher que se guia pelas sondagens e que não tem opções fundamentais claras.

Outros candidatos[editar | editar código-fonte]

Centro[editar | editar código-fonte]

François Bayrou[editar | editar código-fonte]

François Bayrou em campanha

François Bayrou, presidente da União para a Democracia Francesa, (UDF) que por muito tempo esteve aliada ao UMP, seguiu uma política mais independente, e embora existam fortes divisões no seu partido em relação a essa política, é o candidato da UDF à presidência da República. Também se apresentou nas últimas eleições presidenciais, em 2002, tendo obtido cerca de 2.000.000 de votos (6,84%).

O apoio a Bayrou tem aumentado ao longo da campanha eleitoral: em meados de Outubro de 2006 as sondagens atribuiam-lhe apenas 7% dos votos, mas as de Março de 2007 anunciavam que Bayrou é o político mais popular de França e que a intenção de voto na primeira volta é, segundo algumas sondagens, de 18%. Com esta percentagem ficaria em terceiro, após Sarkozy e Royal. No entanto, caso passasse à segunda volta, os franceses escolheriam-no quer entre Sarkozy e Bayrou, quer entre Royal e Bayrou.[2]

Bayrou defende a economia social de mercado e propõe uma reforma do sistema de segurança social, a qual teria que ser votada em referendo.

Direita[editar | editar código-fonte]

Nicolas Sarkozy[editar | editar código-fonte]

Nicolas Sarkozy, que segundo as sondagens, era o candidato da direita com mais possibilidades de vencer

A União por um Movimento Popular (partido de Nicolas Sarkozy), teve como principais pré-candidatos o primeiro-ministro Dominique de Villepin, considerado o preferido do presidente Chirac, e o Ministro da Administração Interna, Nicolas Sarkozy. A Lei de Contrato do Primeiro Emprego impulsionada por de Villepin, foi motivo de grandes manifestações e caos social em França, e fez com que a sua popularidade baixasse drasticamente, a ponto de ter perdido parte do apoio que lhe dava o seu próprio partido. Isto favoreceu Sarkozy.

Em 14 de Janeiro de 2007, a UMP foi a eleições primárias para designar um candidato, eleições essas em que Sarkozy foi único candidato, já que Michèlle Aliot-Marie, ministra da Defesa e possível candidata pró-Chirac, anunciou dois dias antes destas eleições (12 de Janeiro de 2007), após reunião com Sarkozy, que não se apresentaria e que apoiaria Sarkozy. Os resultados destas eleições foram:

  1. Nicolas Sarkozy: 98,1%
  • Participação: 69,06%

As sondagens desde Janeiro de 2007 que dão Sarkozy como favorito para a primeira volta, embora muitos analistas digam que é demasiado cedo para assegurar essa vitória.

Jean-Marie Le Pen[editar | editar código-fonte]

Em função das eleições presidenciais e das legislativas de 2007, Jean-Marie Le Pen (líder da Frente Nacional) lançou um apelo a diversos partidos e correntes políticas para constituir uma « união patriótica », segundo os termos seguintes: « Je renouvelle mon appel à l'union patriotique, dont naturellement je prendrai la tête puisque je suis le mieux placé de tous les candidats qui se réclament de la droite nationale pour l'emporter » (Renovo o meu apelo à união patriótica, da que naturalmente seria o líder, visto que sou o mais bem posicionado de todos os candidatos que se clamam da direita nacional).

Tanto Bruno Mégret (presidente do Movimento Nacional Republicano) como o Partido Populista responderam favoravelmente a este apelo. Ainda assim, Philippe de Villiers (presidente do Movimento pela França) declinou a proposta.

Algumas das propostas do seu partido são:

  • Forte limitação da imigração
  • Preservação da vida tradicional (proteccionismo e paragem da construção de mesquitas).
  • Aumentar as penas para todos os delitos.
  • Restabelecimento da pena de morte.
  • Diminuição do número de funcionários públicos.
  • Baixa de impostos e taxas para as empresas.
  • Renegociação dos tratados França-Europa e fortalecimento do papel de França nas organizações internacionais (como a UE e a NATO).

Há que destacar que, a ganhar, Le Pen iniciaria o seu mandato com 79 anos de idade (os mesmos que tinha François Mitterrand no final da sua segunda legislatura).

As sondagens parecem mostrar uma progressão de Le Pen, que segundo Pierre Giacometti (director-geral da Ipsos França) "conta com um nível de popularidade, aceitação e tolerância claramente mais sólido que há cinco anos".

Phillippe de Villiers[editar | editar código-fonte]

Phillippe de Villiers, membro do Movimento pela França, posiciona-se como candidato contra a Europa política. Destaca as suas grandes diferenças com Sarkozy sobre a Constituição Europeia, o seu apoio à retirada de circulação do euro em França e a sua posição contra o casamento homossexual.

Sondagens[editar | editar código-fonte]

1er tour [3] [editar | editar código-fonte]

% % % % % % % %
Partido 12 de outubro de 2006 8 de novembro de 2006 6 de dezembro de 2006 18 de janeiro de 2007 1 de fevereiro de 2007 15 de fevereiro de 2007 1 de março de 2007 15 de março de 2007
Arlette Laguiller Luta Operária 3 2,5 3,5 2 3 2 2 2
Olivier Besancenot Liga Comunista Revolucionária 4 4 3,5 3 2,5 3,5 3 2
José Bové altermundista, camponês 4 3 2 2
Marie-George Buffet Partido Comunista 2 2 2 3 2,5 2,5 3 2,5
Ségolène Royal Partido Socialista 34 34 33 31 26 26 25,5 24
Dominique Voynet Os Verdes 1 1,5 2 2 1,5 1 1 1
François Bayrou União para a Democracia Francesa 7 7 8 9 13 12 18,5 22
Nicolas Sarkozy União por um Movimento Popular 34 34 33 35 32 33 31 31
Philippe de Villiers Movimento por França 2 2 2 1 2 2,5 1 0,5
Jean-Marie Le Pen Frente Nacional 11 13 11,5 13 12,5 13 12 12

2ª volta[editar | editar código-fonte]

TNS Sofres [4] CSA [5] IFOP [6] IPSOS [7]
Abr 2006 Royal 51% - Sarkozy 49% (18) Royal 53% - Sarkozy 47% (18 e 19) Sarkozy 51% - Royal 49% (20 e 21) Royal 51% - Sarkozy 49% (7 e 8)
Mai 2006 - Royal 53% - Sarkozy 47% (16 e 17) - Royal 51% - Sarkozy 49% (12 e 13)
Jun 2006 - Royal 51% - Sarkozy 49% (7) Royal 51% - Sarkozy 49% (29 e 30) Sarkozy 51% - Royal 49% (9 et 10)
Jul 2006 - - - Sarkozy 51% - Royal 49% (7 e 8)
Ago 2006 - - - Sarkozy 51% - Royal 49% (18 e 19)
Set 2006 - Royal 52% - Sarkozy 48% (27) - Sarkozy 52% - Royal 48% (8 e 9)
Out 2006 Royal 51% - Sarkozy 49% (16) Sarkozy 53% - Royal 47% (17) Royal 50% - Sarkozy 50% (12)
Nov 2006 Royal 53% - Sarkozy 47% (24) Royal 51% - Sarkozy 49% (17 et 18)
Dez 2006 Royal 50% - Sarkozy 50% (01)
Jan 2007 Royal 52% - Sarkozy 48% (10-12)
Sarkozy 52% - Royal 48% (17-18)
Royal 52% - Sarkozy 48% (4)
Sarkozy 52% Royal 48% (17)
Royal 50,5% - Sarkozy 49,5% (7)
Sarkozy 52% - Royal 48% (15)
Sarkozy 51% - Royal 49% (18-20)
Sarkozy 51% - Bayrou 49% (18-20)
Bayrou 50% - Royal 50% (18-20)
Sarkozy 52% - Royal 48% (19-20)
Esta lista será completada progressivamente

Resultados[editar | editar código-fonte]

22 de Abril[editar | editar código-fonte]

O eleitorado francês compareceu em massa a estas eleições , com uma afluência às urnas de 85% o que constituiu um record absoluto naquele país (o anterior record era 84,8% e referia-se à primeira volta das presidenciais de 1965).[8]

Percentagem
Candidato Partido/Aliança Votos Percentagem
Nicolas Sarkozy UMP 11.448.663 31,18%
Ségolène Royal PS 9.500.112 25,87%
François Bayrou UDF 6.820.119 18,57%
Jean-Marie Le Pen FN 3.834.530 10,44%
Olivier Besancenot LCR 1.498.581 4,08%
Philippe de Villiers direita 818.407 2,23%
Marie-George Buffet PCF 707.268 1,93%
Dominique Voynet Os Verdes 576.666 1,57%
Arlette Laguiller trotskista 487.857 1,33%
José Bové antiglobalização 483.008 1,32%
Frédéric Nihous ruralista 420.645 1,14%
Gérard Schivardi municipalista, comunalista 123.540 0,34%
Total 36.719.396 100,0%

6 de Maio[editar | editar código-fonte]

Passaram à segunda volta Nicolas Sarkozy e Ségolène Royal. Votaram 83,77% dos eleitores inscritos e os resultados foram::[9]

Candidato Partido/Aliança Votos Percentagem
Nicolas Sarkozy UMP 18.983.138 53,06%
Ségolène Royal PS 16.790.440 46,94%

Tomada de Posse[editar | editar código-fonte]

Nicolas Sarkozy tomou posse como 23º Presidente da República Francesa no dia 16 de Maio de 2007.

No dia imediato, 17 de Maio de 2007, o recém-eleito Presidente nomeou François Fillon como novo primeiro-ministro da França.

Referências[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Eleições presidenciais francesas de 2007
  1. http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,AA1522612-5602,00.html
  2. Bayrou é o político mais estimado de França
  3. Sondagens de TNS-Sofres para a 1ª Volta
  4. sondagens de TNS-Sofres para uma hipotética 2ª Volta
  5. sondagens de CSA
  6. sondagens de IFOP
  7. sondagens de Ipsos para uma hipotética 2ª Volta
  8. http://www.otempo.com.br/internacional/lerMateria/?idMateria=86996
  9. http://www.conseil-constitutionnel.fr/decision/2007/20070510/communiq.htm