Eulemur flavifrons

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEulemur flavifrons[1]
Eulemur macao flavifrons.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 CR pt.svg
Em perigo crítico (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Strepsirrhini
Infraordem: Lemuriformes
Família: Lemuridae
Género: Eulemur
Linnaeus, 1758
Espécie: E. macaco flavifrons
Nome binomial
Eulemur macaco flavifrons
Linnaeus, 1758

Eulemur flavifrons é uma espécie de lêmure, antes considerada subespécie de Eulemur macaco. Pode atingir um comprimento de corpo de 39-45 cm, o comprimento da cauda de 51-65 cm com peso de 1,8-1,9 kg. É um primatas, que tem mãos fortes assim como as palmas como um ser humano, que tem uma textura emborrachada para dar-lhe um aperto firme em ramos. Sua cauda é mais longa do que o seu corpo e não preênsil.

Machos são negros, com os cabelos tingidos, às vezes marrom e tons parecidos com bronzeados. As fêmeas são marrom-avermelhado com o seu contorno inferior e do seu rosto um leve bronzeado. Eles têm um focinho marrom escuro ou cinza e as costas das suas mãos e os pés são uma cor semelhante ao negro. Ambos os sexos têm os olhos azuis, daí o nome comum, e é um dos únicos primatas não humanos de forma consistente que tem olhos azuis. Os olhos podem variar na cor de azul chocante, uma cor de céu, ou um suave cinza-azul.

Embora a Lêmure-preto-de-olho-azul (E. M. flavifrons) e o Lemur-comum-negro (E. M.macaco) são semelhantes, eles podem ser diferenciados pelos olhos azuis e falta de tufos desta subespécie, enquanto E. m. Macaco, que é laranja, tem olhos vermelhos e cabelos espetados na bochecha. Na reserva especial Manongarivo, onde o intervalo de duas subespécies se sobrepõem, não há relato de hibridação entre as duas subespécies, mas a prole resultante sempre tem olhos cor de laranja.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Este lêmure não tem sido intensamente estudado no estado selvagem, mas é conhecido por ser bastante social. Grupo variam com números de 2-15 indivíduos observados, embora 7-10 indivíduos são mais comuns. As fêmeas são dominantes como na maioria das espécies de lêmures, e normalmente há mais homens que mulheres em cada grupo social. O Lêmure-preto-de-olho-azul é políginas. As fêmeas dão à luz um ou dois filhotes em junho ou julho, após uma gestação de 120 a 129 dias. Os jovens são desmamados após cerca de 5-6 meses, e atingem a maturidade em cerca de 2 anos de idade. Pode viver entre 15-30 anos em cativeiro, com poucos dados registrados sobre sua longevidade no mundo selvagem. Ele demonstra um padrão ativo de vida por estar desperto esporadicamente durante todo o dia. As atividades ocasionais noturnas são também viáveis por haver a luz do luar.

Detalhe nos olhos azuis do Lêmure-preto-de-olho-azul

O Lêmure-preto-de-olho-azul comunica com aroma de secreções glandulares, vocalizações, e talvez algumas expressões faciais. A marcação do local com secreções é um importante meio de comunicação como a maioria das espécies de lêmure. Ambos os sexos marcam em árvores com glandulas genitais, enquanto os machos marcam também usando o pulso e as glandulas da palma por fricção e por torcê-las contra as folhas, galhos ou ramos. Os machos também usar uma glândula odorífera no topo de sua cabeça para marcar, abaixando a cabeça e esfregando em rápidos movimentos de deslizamento.[3] Pouco se sabe das suas vocalizações, mas observou-se fazer uma variedade de grunidos, silvos e cliques. Os machos são conhecidos por fazer um barulho grave quando angustiado.

O Lêmure-preto-de-olho-azul não é uma subespécie muito agressiva. Não há brigas frequentes entre os membros da tropa, especialmente durante as épocas de reprodução e do parto. Em cativeiro, foi observado apenas lêmures matar filhotes de outras lêmures que não são da família ou do grupo, uma tipo de disputa, porém este comportamento é raro, sendo dificilmente frequente.

Dieta e importância ambiental[editar | editar código-fonte]

O lêmure de olho azul em um Zoológico nos Estados Unidos

Fruta e néctar compõem a maior parte da dieta deste lêmure. Durante a estação seca, quando a comida é escassa, pode comer folhas, sementes e frutos e, raramente, insetos. Também pode invadir campos agrícolas para comer o tipo de cultura plantado neste local, o que causa prejuízos aos agricultores que acabam matando estes lêmures quando invadem os campos.

A Lemur-preto-de-olho-azul ajuda a propagar plantas florestais. Eles não digerem as sementes das frutas que comem, o que faz espalhar as sementes de mais de 50 espécies de plantas diferentes (depositado em uma pilha de adubo fresco), e algumas plantas podem ter evoluído especificamente para serem dispersas por este lêmure. O Lêmure-preto-de-olho-azul também poliniza diversas plantas, enquanto ele come o néctar e pólen das flores das plantas.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Lêmure-preto-de-olho-azul em uma árvore, com destaque em seus olhos

O Lêmure-preto-de-olho-azul habita florestas sub-tropicais úmidas primárias e secundárias e florestas secas na ponta noroeste da Madagascar. Seu alcance se estende desde o rio Andranomalaza no norte, ao rio Maevarano no sul. Algumas áreas onde ele pode ser facilmente visto são nas florestas ao sul de Maromandia perto de Antananarivo e Antsiranana. Também pode ser visto nos fragmentos florestais remanescentes da Península Sahamalaza, como a floresta Ankarafa. Infelizmente, eles não são encontrado em qualquer florestas protegidas na ilha.

Conservação[editar | editar código-fonte]

Os seres humanos têm reduzido quase a totalidade do habitat desta subespécie a terra de fazenda clara. Como resultado, o Lêmure-preto-de-olho-azul está quase extinta na natureza. O Lemur-preto-de-olho-azul subespécie está listada no apêndice I do CITES, e esta em perigo crítico. Somente 1.000 indivíduos são atualmente presentes na natureza, com a principal razão por haver cortes e queimas, destruição do habitat, e também a caça destes animais. A carne deste animal é vendida na China como aperitivo.

Referências

  1. Mittermeier, R. A. et al.. (2008). "Lemur Diversity in Madagascar". International Journal of Primatology 29 (6): 1607–1656. DOI:10.1007/s10764-008-9317-y.
  2. Andrainarivo, C., Andriaholinirina, V.N., Feistner, A., Felix, T., Ganzhorn, J., Garbutt, N., Golden, C., Konstant, B., Louis Jr., E., Meyers, D., Mittermeier, R.A., Perieras, A., Princee, F., Rabarivola, J.C., Rakotosamimanana, B., Rasamimanana, H., Ratsimbazafy, J., Raveloarinoro, G., Razafimanantsoa, A., Rumpler, Y., Schwitzer, C., Sussman, R., Thalmann, U., Wilmé, L. & Wright, P. (2011). [http://www.iucnredlist.org/details/8211 (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 2. Página visitada em 11 de dezembro de 2013.
  3. Duke Lemur Center

Referências Bibliograficas[editar | editar código-fonte]

  • C. Birkinshaw. Biotropica. 2001. 33(3): 478–486.
  • Birkinshaw, et al. Folia Primatology (Basel). 1998. 69(5):252-259.