Aie-aie

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAie-aie[1]
Aye-aye (Daubentonia madagascariensis) 2.jpg

Estado de conservação
Status iucn3.1 EN pt.svg
Em perigo (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Primates
Subordem: Strepsirrhini
Infraordem: Chiromyiformes
Anthony e Coupin, 1931
Família: Daubentoniidae
Gray, 1863
Género: Daubentonia
É. Geoffroy Saint-Hilaire, 1795
Espécie: D. madagascarienses
Nome binomial
Daubentonia madagascarienses
(Gmelin, 1788)
Distribuição geográfica
Daubentonia madagascariensis range map.svg
Sinónimos
Família:
  • Cheiromyidae I. Geoffroy St. Hilaire, 1851
  • Chiromyidae Bonaparte, 1850

Gênero:

  • Aye-aye Lacépède, 1799
  • Cheiromys G. Cuvier, 1817
  • Cheyromys É. Geoffroy, 1803
  • Chiromys Illiger, 1811
  • Myslemur Anon. [?de Blainville], 1846
  • Myspithecus de Blainville, 1839
  • Psilodactylus Oken, 1816
  • Scolecophagus É. Geoffroy, 1795

Espécie:

  • daubentonii Shaw, 1800
  • laniger G. Grandidier, 1930
  • psilodactylus Schreber, 1800
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Aie-aie

O aie-aie, também ai-ai ou aye-aye (Daubentonia madagascarienses, anteriormente Chiromys madagascarensis) é um primata estrepsirrino endémico de Madagáscar. É o único representante vivo da família Daubentoniidae. Noturno e arborícola, possui pelo negro e um dos seus dedos é maior, que usa para conseguir caçar larvas nos buracos das árvores. Os seus olhos são grandes e possui boa visão noturna.

O aie-aie é aparentado com os lémures. A sua muito estranha aparência faz com que seja considerado o principal responsável pela origem da palavra "lémur", que quer dizer em latim «espírito noturno». O aie-aie é o único representante vivo do seu género (Daubentonia), família (Daubentonidae) e infraordem (Chiromyiformes). Só se conhrce outra espécie próxima ao aie-aie, Daubentonia robusta, que se extinguiu por volta de 1000 anos atrás.[3]

Lendas[editar | editar código-fonte]

Não só a perda do seu habitat natural faz com que o animal corra perigo de extinção, pois os próprios habitantes da região o matam temendo sua "natureza maligna". Muitos aldeões acreditam que encontrar um aie-aie é pior do que conhecer a própria morte, significando inclusive que um aldeão em breve irá morrer.

Lendas locais afirmam que o animal invade casas à noite para amaldiçoar os moradores com seu longo dedo médio. Variações da lenda dizem que, na verdade, o aie-aie usa o seu dedo do meio para perfurar o coração das pessoas enquanto elas estão dormindo. Essas lendas podem ter se desenvolvido porque, além não ter uma aparência muito simpática ele não possui medo do ser humano, se aproximando de grupos de pessoas para vê-los.[4]

Anatomia e morfologia[editar | editar código-fonte]

Jovens aie-aies geralmente têm o focinho cor prata e uma faixa em baixo das costas. Entretanto, quando atingem a maturidade, seus corpos são cobertos de pelos grossos e não possuem uma cor sólida. A ponta dos pelos do cabelo e das costas têm terminação branca enquanto o resto do corpo é castanho ou amarelo. Um aie-aie adulto tem cerca de três pés de comprimento (incluindo a cauda). O traço mais marcante é os seus dedos. O terceiro dedo é mais fino que os outros, ele é usado para bater no casco das árvores, enquanto o quarto dedo, o mais longo, é usado para puxar para fora os insetos de dentro das árvores.[5]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Dieta[editar | editar código-fonte]

O aie-aie come matéria animal, nozes, larvas de insetos, frutas, néctar, semente e fungos, sendo assim considerado omnívoro. Aie-aies têm preferência por besouros cerambycid. O aie-aie não estando em seu habitat natural passa muitas vezes a roubar cocos, mangas, cana-de-açúcar, lichias e ovos de aldeias e plantações. Algumas pesquisa sugerem que aie-aies preferem seiva e legumes a insetos, especialmente gafanhotos, vermes e larvas.[5]

Referências

  1. Groves, C.P.. Order Primates. In: Wilson, D.E.; Reeder, D.M. (eds.). Mammal Species of the World. 3 ed. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 2005. 111–184 pp. ISBN 978-0-8018-8221-0 OCLC 62265494
  2. Andrainarivo, C., et al. (2008). Daubentonia madagascariensis (em Inglês). IUCN 2013. Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN de 2013 Versão 1. Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  3. Nowak, R.M.. Walker's Primates of the World. 6th ed. Baltimore, Maryland: Johns Hopkins University Press, 1999. ISBN 0-8018-6251-5
  4. * Spooky creature endangered by superstition. Página visitada em 29 de setembro de 2013.
  5. a b (Third) "The Aye-Ayes or Cheiromys of Madagascar". Science 2 (75): 574–576.
Ícone de esboço Este artigo sobre Prossímios, integrado ao WikiProjeto Primatas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.




O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Aie-aie