Filipe I Filadelfo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Filipe I Filadelfo foi um membro da dinastia selêucida e rei da Síria.

Família[editar | editar código-fonte]

Filipe I Filadelfo era filho de Antíoco VIII Gripo, tinha um irmão gêmeo chamado Antíoco, e outro irmão, Seleuco VI Epifânio Nicator.[1]

Sua mãe era Trifena, filha de Ptolemeu VIII Evérgeta.[1] Seu pai era filho de Demétrio II Nicator e Cleópatra Teia.[2]

Seu pai, rei da Síria, havia sido derrotado por Antíoco IX de Cízico,[3] meio-irmão de Antíoco VIII, por ser filho de Cleópatra Teia e Antíoco VII Sideta;[2] Demétrio I Sóter era o pai de Demétrio II Nicator [4] e Antíoco VII Sideta.[5]

Seleuco VI Epifânio Nicator, filho de Antíoco VIII, derrotou seu tio Antíoco IX e tomou o trono, mas ele era violento e tirânico, e foi queimado até a morte no ginásio de Mopso (Mopsuéstia), cidade da Cilícia.[3] Segundo Eusébio de Cesareia, Seleuco VI fugiu para Mopsuéstia na Cilícia, e, quando viu que os cidadãos o reconheceram e queriam queimá-lo vivo, cometeu suicídio.[1] Segundo Flávio Josefo, a fuga e morte de Seleuco VI ocorreram depois que Antíoco X Pio o depôs.[6]

Guerra contra Antíoco X Eusébio Pio[editar | editar código-fonte]

O sucessor de Seleuco VI foi Antíoco X Eusébio, filho de Antíoco IX Gripo.[3] [6] [Nota 1] Mas os dois irmãos de Seleuco, Filipe I Filadelfo e Antíoco, gêmeos, reuniram um exército, capturaram a cidade de Mopsuéstia e a destruíram.[1] Antíoco, irmão de Seleuco, morreu quando caiu com seu cavalo no Rio Orontes e foi levado pela correnteza, e Filipe, irmão de Seleuco e filho de Antíoco Gripo, continuou a luta contra Antíoco X Eusébio, o filho de Antíoco de Cízico.[1] Filipe colocou o diadema sobre a própria cabeça, mas Ptolemeu Látiro chamou seu quarto irmão, Demétrio III Filopáter, e o colocou como rei de Damasco.[6]

No início do terceiro ano da 171a olimpíada, Filipe, filho de Gripo e Antíoco, filho de Antíoco de Cízico, lutaram em uma batalha pelo controle da Síria, já que cada um controlava uma parte.[1] Antíoco foi derrotado, e fugiu para os partos; em seguida, ele se rendeu a Pompeu, esperando recuperar a Síria.[1] De acordo com Flávio Josefo, Antíoco X Pio morreu em luta, pois ele ajudou a Laódice, rainha dos Gileaditas, que estava lutando contra os partas.[6]

Guerra contra Demétrio III Filopáter[editar | editar código-fonte]

Com a morte de Antíoco X Pio, a Síria ficou divida entre Filipe e seu irmão Demétrio.[6]

Após sua campanha na Judeia, Demétrio cercou Filipe em Bereia, com dez mil soldados de infantaria e mil de cavalaria, mas Strato, tirano de Bereia e aliado de Filipe, chamou em seu auxílio Zizon, que governava as tribos árabes e Mitrídates Sinax, que governava os partas, que derrotaram Demétrio e o levaram como prisioneiro para Mitrídates, rei dos partas.[7]

Filipe dirigiu-se a Antioquia, a capturou, e reinou sobre a Síria.[7]

Guerra contra Antíoco XII Dionísio[editar | editar código-fonte]

Antíoco XII Dionísio, irmão de Filipe, ambicionando o trono da Síria, tomou Damasco, e reinou nesta cidade.[8] Quando Antíoco Dionísio foi lutar contra os árabes, Filipe retornou, e recebeu a cidade de Milesius.[8] Milesius, assim que Filipe saiu de Damasco, entregou a cidade, de novo, para Antíoco Dionísio.[8]

Antíoco Dionísio comandou uma expedição contra os judeus, atacando Alexandre com 8.000 soldados de infantaria e 800 de cavalaria; após haver passado pela Judeia, Antíoco Dionísio atacou Aretas, rei dos árabes, que inicialmente recuou, mas depois contra-atacou com 10.000 cavaleiros.[8] Antíoco morreu nesta batalha.[8]

Deposição[editar | editar código-fonte]

Filipe foi deposto,[Nota 2] e foi convidado pelos habitantes de Alexandria para governar o Egito, mas foi impedido por Aulo Gabínio, oficial de Pompeu e governador romano da Síria.[1]

Notas e referências

Notas

  1. Antíoco Eusébio, no texto de Flávio Josefo, é chamado de Antíoco Pio.
  2. De acordo com Apiano, que não menciona Filipe, após Antíoco X Eusébio ter sido expulso da Síria por se casar com Cleópatra Selene I, esposa do seu pai, a Síria foi tomada por Tigranes, o Grande, rei da Arménia.

Referências

  1. a b c d e f g h Eusébio de Cesareia, Crônica, 98, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande [em linha]
  2. a b Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 68 [em linha]
  3. a b c Apiano, História Romana, As Guerras Sírias, 69
  4. Eusébio de Cesareia, Crônica, 96, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande [em linha]
  5. Eusébio de Cesareia, Crônica, 97, Os reis da Ásia Menor após a morte de Alexandre, o Grande
  6. a b c d e Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capótulo 13, Como Alexandre, formando uma aliança de defesa mútua com Cleópatra, fez uma expedição contra a Celessíria, e conquistou a cidade de Gaza, e como ele matou 10.000 judeus que se rebelaram contra ele. Sobre Antíoco Gripo, Seleuco filho de Antíoco de Cízico, Antíoco Pio, e outros, 4 [em linha]
  7. a b Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capítulo 14, Como Demétrio Eucerus derrotou Alexandre mas em pouco tempo se retirou do país por medo, e como Alexandre matou vários dos judeus e assim terminou com seus problemas. Sobre a morte de Demétrio, 3
  8. a b c d e Flávio Josefo, Antiguidades Judaicas, Livro XIII, Capítulo 15, Como Antíoco, chamado Dionísio, e depois dele Aretas, atacaram a Judeia, e como Alexandre tomou várias cidades e retornou a Jerusalém e, depois de três anos de doença, morreu, e o conselho que ele deu a Alexandra, 1


Árvore genealógica simplificada. As linhas pontilhadas indicam que a paternidade dos personagens é baseada em conjecturas, para mais detalhes, consulte os artigos:

Demétrio II Nicator
 
 
 
Cleópatra Téia
 
 
 
Ptolemeu VIII Evérgeta II
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Antíoco Gripo
 
 
 
 
 
 
Trifena
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Seleuco VI Epifânio Nicator
 
Antíoco XI Epifânio Filadelfo
 
Filipe I Filadelfo
 
Demétrio III Filopáter
 
Antíoco XII Dionísio