Francis Gary Powers

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Francis Gary Powers
Powers vestindo o traje especial de pressão para vôo estratosférico
Nascimento 17 de agosto de 1929
Jenkins, Kentucky  Estados Unidos
Morte 1 de agosto de 1977 (47 anos)
Los Angeles,California  Estados Unidos
Nacionalidade norte-americana
Ocupação Piloto
Prémios Intelligence Star
Silver Star
Distinguished Flying Cross
National Defense Service Medal
Prisoner of War Medal
Causa da morte queda de helicóptero

Francis Gary Powers (17 de agosto de 19291º de agosto de 1977) foi capitão da Força Aérea dos Estados Unidos. Era o Piloto norte-americano do avião espião da CIA U-2,[1] abatido a tiros enquanto sobrevoava a União Soviética, em 1960, causando assim a "Crise do U-2".

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Jenkins, Kentucky e cresceu em Pound, Virgínia, cidade na fronteira de Virgínia com Kentucky. Depois de graduar-se no Milligan College, Tenessee, Gary alistou-se na Força Aérea dos Estados Unidos, em 1950. Para completar seu treinamento (52-H) foi escalado para o 468º Esquadrão Estratégico de Combate na Base Aérea de Turner, Geórgia, pilotando um F-84 Thunderjet. Foi designado para operações na Guerra da Coreia, mas (de acordo com seu filho) foi recrutado pela CIA por causa de seu extraordinário trabalho com uma aeronave a jato com um único motor.[2] Alçou o posto de Capitão da Aeronáutica em 1956, integrando-se ao programa U-2 da CIA.

Incidente com avião U2 em 1960[editar | editar código-fonte]

A inteligência soviética, em especial a KGB, tinha tido conhecimento das missões do U-2 desde 1956, mas não tinham contra-medidas eficazes até 1960. O U-2 de Powers que partiu de uma base aérea militar em Peshawar no Paquistão[2] pode ter recebido o apoio da Estação Aérea dos EUA em Badaber (Estação Aérea Peshawar), foi abatido por míssesi S-75 Dvina (SA-2 Surface to Air)[3] on May 1, 1960, over Sverdlovsk. Powers foi incapaz de ativar mecanismo de auto-destruição do avião antes que ter acionado seu pára-quedas e foi capturado.

Quando o governo dos EUA soube do desaparecimento de Powers sobre a União Soviética, emitiu um comunicado afirmando que um "avião meteorológico" havia se desviado do curso e que seu piloto tinha "dificuldades com o seu equipamento de oxigênio." O que os funcionários da CIA não sabiam era que o avião caiu quase totalmente intacto e os soviéticos recuperaram seus equipamentos. Powers foi interrogado exaustivamente pela KGB durante meses antes de fazer uma confissão e um pedido de desculpas público por sua participação na espionagem.[4]

Em 2010, documentos da CIA foram liberados, indicando que "altos funcionários norte-americanos nunca acreditaram no vôo fatídico de Powers, pois parece contradizer diretamente um relatório da Agência de Segurança Nacional, a rede clandestina dos EUA de decifradores e postos de escuta. Um relatório da NSA permanece confidencial, possivelmente para poupar seus autores. Pois agora é possível juntar o que realmente aconteceu sobre Sverdlovsk em 1 de Maio de 1960 e para entender por que a agência de inteligência mais secreto dos Estados Unidos tem de tão errado".[5] According to the article cited, the still classified NSA report is incorrect based on the CIA documents that were declassified which show that Powers' account of being shot down at altitude was accurate.

Referências

  1. CIA FOIA - Francis Gary Powers: U-2 Spy Pilot Shot Down by the Soviets Foia.cia.gov. Visitado em 2012-08-31.
  2. a b Powers, Francis Gary; Curt Gentry. Operation Overflight. [S.l.]: Hodder & Stoughton Ltd, May-1971. ISBN 978-1-57488-422-7.
  3. S-75 Astronautix.com. Visitado em 2012-08-31.
  4. This Day in History — History.com — What Happened Today in History History.com. Visitado em 2012-08-31.
  5. CIA documents show US never believed Gary Powers was shot down Timesonline.co.uk. Visitado em 2012-08-31.

Ver também[editar | editar código-fonte]