Free Willy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Free Willy
Libertem Willy (PT)
Pôster promocional
 Estados Unidos
1993 • cor • 112 min 
Direção Simon Wincer
Produção Lauren Shuler Donner
Jennie Lew Tugend
Richard Donner
Arnon Milchan
Roteiro Keith A. Walker
Corey Blechman
Elenco Jason James Richter
Lori Petty
Jayne Atkinson
August Schellenberg
Michael Madsen
Keiko (orca)
Gênero Aventura
Drama
Idioma Inglês
Música Basil Poledouris
Michael Jackson (tema)
Cinematografia Robbie Greenberg
Edição O. Nicholas Brown
Estúdio Le Studio Canal+
Regency Enterprises
Alcor Films
Distribuição Warner Bros. Family Entertainment
Lançamento Estados Unidos 16 de julho de 1993
Brasil 24 de setembro de 1993
Portugal 17 de junho de 1994
Orçamento US$20 milhões
Receita US$153,698,625
Cronologia
Último
Último
Free Willy 2: The Adventure Home
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

Free Willy (Libertem Willy (título em Portugal) ) é um filme americano de 1993 que foi lançado pela Warner Bros. em seu rótulo Family Entertainment. O filme é estrelado por Jason James Richter como um menino delinquente que se apega a uma orca de cativeiro, homônimo do filme "Willy".

Seguido por três sequências Free Willy 2: The Adventure Home, Free Willy 3: The Rescue, e Free Willy: Escape from Pirate's Cove, e uma série de televisão animada de curta duração, Free Willy foi um sucesso financeiro, fazendo eventualmente de estrela seu protagonista Keiko, que possuía a famosa nadadeira dorsal envergada. Famoso clímax do filme foi parodiado várias vezes na cultura popular.

O cantor pop Michael Jackson produziu e cantou "Will You Be There", o tema para o filme, que pode ser ouvida durante os créditos do filme. A canção ganhou o MTV Movie Awards para "Melhor Canção em um Filme", em 1994. Também foi incluído no álbum All Time Greatest Movie Songs, lançado pela Sony em 1999. Jackson também cantou músicas para a primeira sequência do filme. Free Willy era uma crítica e ao mesmo tempo um sucesso de Hollywood.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

A orca Willy foi capturada e confinada em um tanque. Sua chance de voltar ao oceano é a amizade de um garoto de 12 anos chamado Jesse. Um filme que fala da importância da verdadeira amizade.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

A maioria dos grandes planos que envolvem o movimento limitado por Willy, como quando Willy está no trailer e as seqüências que envolvem natação de Willy em águas abertas, fazem uso de uma animatrônica. Walt Conti, que supervisionou os efeitos para as orcas, estima-se que metade das cenas da orca teve utilização de animatrônicos. Conti afirmou que os movimentos menores de uma verdadeira Orca realmente fez as coisas difíceis em alguns aspectos, para ele e sua equipe; eles tinham que se concentrar em nuances menores, a fim de fazer o personagem parecer vivo.[1] O uso mais extensivo de imagens geradas por computador no filme é o clímax, filmado em Astoria, Oregon, onde Willy salta sobre Jesse e para a vida selvagem. Todas as acrobacias com a orca foram realizados pelo jovem treinador de orca Justin Sherman.

Recepção[editar | editar código-fonte]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

De acordo com Box Office Mojo, o filme teve um produto interno bruto de $7,868,829 em sua semana de estreia.[2] Ele passou a fazer $76 milhões em seu lançamento estrangeiro para um total de $153,698,625 mundialmente.[2] Após o seu lançamento inicial, Free Willy foi classificado em número 5 na bilheteria antes de passar para o número 4 pelo fim de semana seguinte. Depois disso, sua posição na bilheteria começou a declinar gradualmente, com a exceção de um fim de semana de três dias (3 setembro - 6 setembro), no qual a receita bruta aumentou 33.6%.[3]

Resposta da crítica[editar | editar código-fonte]

Apesar dos fortes ganhos do filme nas bilheterias, a resposta crítica foram geralmente mistas.[4] Free Willy detém actualmente uma classificação de 57% no website Rotten Tomatoes, com base em 22 avaliações.[5] O filme no Metacritic tem 79 avaliações de 100.

Reação britânica[editar | editar código-fonte]

Alguns espectadores britânicos descobriram que o título Free Willy poderia ser divertido, porque na Grã-Bretanha 'Willy' é uma gíria para "pênis".[6]

Referências em outras mídias[editar | editar código-fonte]

  • A estrela aquático deste filme era uma orca chamada Keiko. O enorme sucesso nacional e internacional deste filme inspirou uma campanha envolvendo escrever cartas para Keiko ser libertado de seu cativeiro como uma atração no parque de diversões Reino Aventura na Cidade do México; este movimento foi chamado de "Livre Keiko". Keiko foi famosamente mudou-se para uma piscina maior em Oregon, voando em um dos aviões de carga United States Air Force C-17 especialmente modificado. Em Oregon, foi descoberto que a combinação de cloração e a temperatura excessivamente quente de água estava a causar lesões na pele. Em seguida, Keiko foi transferida para a Islândia para aprender a ser selvagem e depois para a Noruega, onde havia outras orcas. Keiko acabou morrendo de pneumonia em uma baía da Noruega em 12 de dezembro de 2003. Uma década mais tarde, em 2013, um vídeo lançado pelo New York Times apenas parcialmente bem sucedido de Keiko.[7]
  • Free Willy foi parodiado em episódios da série animada Os Simpsons. O episódio "The Boy Who Knew Too Much" inclui o personagem Homer Simpson assistindo corte do diretor do filme, em que Willy não pode fazê-lo sobre as rochas e esmaga Jesse.[8] No Halloween especial dos The Simpsons "Treehouse of Horror XI", Lisa Simpson libera um golfinho do aquário Springfield e salta sobre uma barreira de rocha em uma forma similar a Willy, exceto a cauda atinge Lisa na cara.
  • A série animada South Park parodiou esse filme no episódio "Free Willzyx".
  • O início da música Jesse para Willy em sua gaita foi referenciado por Andrew Lloyd Webber para a linha de título da ária título in Love Never Dies, a sua sequência de 2010 para O Fantasma da Ópera. Aliás, este musical é definido em um parque temático à beira-mar de propriedade do Fantasma, embora na costa do Atlântico em vez do Pacífico, e sem baleias assassinas.
  • No final de Cats Don't Dance, os animais aparecem em uma série de divertidos pôsteres de filmes paródia de filmes clássicos, um deles lê "Free Tilly".
  • No filme Tommy Boy quando o personagem de Chris Farley está em um pequeno veleiro com sua namorada, três meninos na costa gritar "Free Willy", em referência ao peso de Farley.
  • Em um episódio de The Suite Life on Deck chamado "I Brake For Whales", uma paródia de Free Willy é mencionado por Bailey. A paródia é chamado de "Free Billy".
  • O livro espanhol Aydin de Jordi Sierra i Fabra é conhecido por ser uma das origens da história de Free Willy.
  • John Pinette, um comediante famoso, fez uma rotina em seu álbum Show Me the Buffet, que fala sobre os filmes Free Willy e observa que a frase "Free Willy" seria impronunciável pelos japoneses.
  • Free Willy é o filme favorito do gorila Koko, conhecida por seu uso de American Sign Language.
  • Um episódio da série animada em stop-motion Robot Chicken inclui uma paródia da série de TV Alias ​​("Whalias"), no qual a agente secreto Sydney Bristow foi substituída por uma orca usando uma peruca e um vestido de cocktail vermelho. No final do segmento, a baleia escapa de seus perseguidores por saltar sobre uma parede do mar.
  • O episódio "The Deepening" de Bob's Burgers parodia o filme em uma seqüência de fantasia na qual Tina Belcher sonha se libertar um tubarão mecânico. A música na seqüência se assemelha a "Will You Be There".

Referências

  1. Rickitt, Richard. Designing Movie Creatures and Characters: Behind the Scenes With the Movie Masters. [S.l.]: Focal Press, 2006. 161–65 pp. ISBN 0-240-80846-0.
  2. a b Free Willy Box Office Mojo. Visitado em April 4, 2010.
  3. Free Willy Box Office Mojo. Visitado em April 4, 2010.
  4. Wilmington, Michael. "MOVIE REVIEWS : 'Free Willy': A Fairy Tale of Innocence", The Los Angeles Times, July 16, 1993. Página visitada em 2010-12-01.
  5. Free Willy (1993) Rotten Tomatoes. Visitado em October 13, 2009.
  6. Gritten, David. "Why Britain Is Having a Whale of a Laugh Over 'Free Willy'", 1993-11-23. Página visitada em 2013-07-20.
  7. Winerip, Michael (September 16, 2013). Retro Report: The Whale Who Would Not Be Freed (video (11:43)) New York Times. Visitado em 17 September 2013.
  8. Mirkin, David. The Simpsons season 5 DVD commentary for the episode "The Boy Who Knew Too Much" [DVD]. 20th Century Fox.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]